Alexandre Farto aka Vhils e o “Museu em Ruínas”

Capa do 3.º número da MIDAS
Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils 

Prestes a publicar o 3.º número da MIDAS, destacamos a imagem que faz a capa desta edição. A capa inspira-se no trabalho do artista português Alexandre Farto aka Vhils. A imagem é um detalhe da intervenção do artista na exposição Museu em Ruínas realizada no Museu de Arte Contemporânea de Elvas, em 2011. No seguimento das capas anteriores, escolhemos uma imagem que sugere a problematização do museu e a sua relação com o mundo.

Agradecemos ao Alexandre Farto pela cedência da imagem e à Elisa Noronha Nascimento pelo arranjo gráfico da capa.

Sobre o artista:

Alexandre Farto (1987), tem estado a interagir visualmente com o meio urbano sob o nome de Vhils desde que se iniciou no graffiti no começo da década de 2000. Tendo crescido no subúrbio industrial do Seixal, foi fortemente influenciado pelas transformações decorrentes do intenso desenvolvimento urbano que Portugal sofreu nas décadas de 1980 e 1990. Começou a trabalhar com a técnica de stencil e suportes não convencionais por volta de 2004, assim como a expor o seu trabalho com o colectivo VSP. Em 2006, juntou-se à prestigiada Vera Cortês Agência de Arte, que levou à sua participação em várias exposições colectivas e à sua primeira exposição individual no início de 2008. Mudou-se para Londres em 2007 para estudar na University of the Arts (Central St Martins College of Art and Design). Em 2008, participou no Cans Festival, em Londres, onde a sua inovadora técnica de escavação – que forma a base da série “Scratching the Surface” – foi exposta a um público internacional pela primeira vez, tendo sido aclamada pela crítica. Tem estado a apresentar o seu trabalho em festivais de arte urbana, exposições individuais e colectivas e intervenções site-specific à volta do mundo desde então. Um ávido experimentalista, tem desenvolvido a sua estética do vandalismo numa multiplicidade de suportes – da pintura stencil à escavação de paredes, de explosões pirotécnicas à modelação 3D – expandindo os limites da expressão visual. Vhils trabalha actualmente com a Lazarides Gallery (Reino Unido), Vera Cortês Agência de Arte (Portugal), e Magda Danysz Gallery (França e China). www.alexandrefarto.com

 


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *