Publicação de Varia e dossier temático “Museus e Participação Biográfica”

Capa do 3.º número da MIDAS
Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils. Arranjo gráfico da capa, por Elisa Noronha Nascimento

O terceiro número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Este número incorpora a secção Varia e o dossier temático  «Museos y Participación Biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico», sob a coordenação de María Acaso e Andrea De Pascual, além das secções habituais: notações (pequenos artigos) e recensões críticas; cuja estrutura se irá manter nos próximos números.

Para a secção Varia foram selecionados cinco artigos de temáticas diversas. Os dois primeiros textos incidem sobre museus de arte contemporânea. No caso de Elisa N. Nascimento, o artigo resulta da sua tese de doutoramento, um estudo em torno de três estudos de caso: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), no Brasil. E Emília Ferreira traça o percurso e o trabalho desenvolvido pela Casa da Cerca-Centro de Arte Contemporânea, em Almada. O artigo de Teresa Azevedo também se insere no contexto dos museus de arte, ainda que a autora reflicta sobre a noção de atelier de artista e a sua musealização. Rui Mourão cruza a arte e a antropologia a partir do estudo das danças de Carnaval da ilha da Terceira, e do qual resultou uma exposição que passou por vários museus. Por fim, Irene Vaquinhas analisa o desenvolvimento dos museus da mulher no contexto internacional.

O dossier temático inclui quatro artigos e um texto introdutório das coordenadoras. Como referem María Acaso e Andrea De Pascual:

«En el conjunto de artículos de este dossier temático de la revista MIDAS se pueden encontrar otras metodologías para el diálogo y el empoderamiento, formas transformadoras de comisariado, producción cultural y del uso de la exposición como dispositivo, estrategias enfocadas a la incorporación de diferentes voces y biografías en el discurso institucional que derrumban la antigua hegemonía cultural y abren paso a nuevas identidades culturales en el museo. Ya en el 2011 Acaso lanzaba la pregunta “¿cómo cambiar el paradigma modernista en el que la educación se encuentra anclada y conectar con la realidad social posmoderna, transformando el museo de meta a micronarrativa?”» (parágrafo 10)

Em «Un quehacer cotidiano», David Lanau e Eva Morales dão a conhecer um projecto de mediação cultural em que se deu relevo e importância à incorporação e produção de conhecimento pelos participantes nas visitas guiadas da exposição homónima. Luciano Buchmann, em «Escolares nos Museus» reflecte sobre as visitas escolares nos museus brasileiros e sobre a necessidade de repensar a relação entre estudantes, museus e professores. O artigo «Ocupe o museu» de Manuelina Cândido e Nei Clara de Lima reflecte sobre a participação da população na concepção e no desenvolvimento de uma exposição no sentido de uma museologia mais participativa e inclusiva. Por último, «O projeto picar o ponto» de Roberto Leite e Célia Tavares apresentam o trabalho desenvolvido no âmbito da recolha de memórias dos antigos trabalhadores da Fábrica Robinson (Portalegre), entretanto musealizada.

A secção Notações incorpora três projectos em curso. LUPA é um projecto educativo que está a ser desenvolvido na cidade de Castelo Branco; e o projecto Do Museu ao Bairro promove a relação entre os habitantes do Bairro da Madragoa (Lisboa) e o Museu das Comunicações. Por fim, o Entroncamento de Histórias do Museu Nacional Ferroviário (Entroncamento) dá conta do processo de recolha de memórias de antigos operários ligados aos caminhos de ferro.

Na secção de recensões críticas destacam-se seis publicações ligadas à museologia e ao património no contexto nacional e internacional.

Todos os textos e artigos estão disponíveis na íntegra no website da revista: http://midas.revues.org.

Colaborações neste número: Elisa Noronha Nascimento (arranjo gráfico capa), Cristina Oliveira (conteúdos website) e Inês Fialho Brandão (revisão inglês).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *