“Ágora” de Carlos Bunga

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora”. Projeto SONAE/Serralves, 8 dezembro de 2012 a 3 de março de 2013. Fotografia de Filipe Braga © Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto
Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora”. Fotografia de Filipe Braga © Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto

Por Elisa Noronha Nascimento

Em contagem regressiva para a publicação do 4.º número da MIDAS e seguindo o projeto inicial proposto para as capas da revista – o de abrir o diálogo a uma outra forma de discussão crítica, dando a conhecer obras de artistas contemporâneos que instigam uma reflexão ou discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade – apresentamos a imagem que faz a capa desta edição.

Trata-se de uma imagem da instalação Ágora, de Carlos Bunga, realizada no átrio do Museu de Serralves, entre 2012 e 2013. Partindo de uma apropriação e, de certa maneira, recriando o espaço arquitetónico do Museu, Carlos Bunga define e/ou sublinha aquele espaço como um lugar público por excelência, de trocas, de convivência e cidadania.

Carlos Bunga (1976, Porto) vive e trabalha em Barcelona. Licenciou-se em 2003 na Escola Superior de Arte e Design (ESAD), nas Caldas da Rainha. O seu processo artístico desenvolve-se no cruzamento entre a pintura, a arquitetura e a escultura. Expõe desde 2001 a nível nacional e internacional, com participações a solo em instituições e galerias como a Christopher Grimes Gallery (Estados Unidos), a Galería Elba Benítez (Espanha), a Krome Gallery (Alemanha), a Pinacoteca do Estado de São Paulo (Brasil) e outras. Atraiu a atenção internacional, pela primeira vez, com a sua participação na Manifesta 5, em San Sebastian, Espanha (2004). Recentemente, foi indicado para o prémio Artes Mundi 6 (2014). Foi o grande vencedor do ArtPrize 2013 em Grand Rapids, Michigan (Estados Unidos). Está representado nas seguintes coleções: Centro de Artes Visuales Fundación Helga de Alvear, Cáceres (Espanha); Colecção Banco Espírito Santo, Lisboa (Portugal); Fundação Ilídio Pinho, Porto (Portugal); Fundação Marcelino Botín, Cantábria (Espanha); Fundação PLMJ, Lisboa (Portugal); Fundação Serralves, Porto (Portugal); Hammer Museum, Los Angeles (Estados Unidos); Museo d’Art Contemporani de Barcelona (MACBA) (Espanha); e Museum of Modern Art, Nova Iorque (Estados Unidos).

Neste vídeo, Carlos Bunga comenta um pouco sobre a sua instalação Ágora.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *