Novo número: “Varia” e Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Na imagem vê-se uma vitrine com folhagens e um réptil
Imagem de pormenor da obra “Conviver” (“To Coexist”) de Marta de Menezes na exposição colectiva “Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento” realizada na Reitoria da Universidade do Porto de 27 de janeiro a 30 de junho de 2007. Exposição comissariada por Paulo Cunha e Silva.

Acaba de publicar-se o 5.º número da MIDAS. Inclui 9 artigos, 2 Notações e 4 recensões críticas: http://midas.revues.org/759

Destaca-se o dossier dedicado à “Ciência e arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, coordenado por Marta Agostinho (comunicadora e gestora de ciência) e Pedro Casaleiro (museólogo).  «Ao promover este dossier, quisemos criar (mais) um espaço de reflexão sobre a SciArt desenvolvida, quer em Portugal, quer internacionalmente. O conjunto de trabalhos publicados (…) reflete em parte uma realidade composta por projetos ora investigativos, ora artísticos, ora de âmbito comunicacional, portanto de raiz diversa, ao mesmo tempo relevantes e entusiasmantes do ponto de vista da arte e ciência», sublinham os coordenadores do dossier.

A capa da revista MIDAS deste número destaca uma das obras (Conviver, 2007) de Marta de Menezes, uma das mais relevantes artistas portuguesas a trabalhar na interseção entre arte e biologia. Com esta escolha para a capa pretendeu-se instigar uma reflexão ou discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade. Na obra Conviver, Marta de Menezes reflecte sobre bioarte e as coleções dos museus. Nas palavras da autora:

«Conviver recria um ecossistema biológico no âmbito de uma coleção museológica. Exibe a própria vida, em oposição às representações do que é vivo. Confronta o detalhe e o particular – seja a célula, o órgão ou o ser vivo – com o global – o ecossistema.

Conviver proporciona a oportunidade para uma real interação entre o espectador e a obra de arte, em que, devido à sua natureza não é apenas dinâmico mas também imprevisível. Será que os museus e os depósitos deste novo século proporcionam condições para as obras de arte literalmente vivas? Uma coleção, um depósito, um museu: tradicionalmente compreendem conjuntos de objetos inanimados, e catalogados, que podem ser exibidos ao público, ou guardados ordenadamente num lugar escuro.

A componente viva das coleções, depósitos ou museus são os seres humanos que interagem com os objetos: limpando, selecionando, restaurando ou simplesmente contemplando. Mesmo as coleções zoológicas e botânicas consistem em representações de que é vivo, ou a preservação do que já o foi.

Nos últimos anos, os avanços na biologia molecular permitiram a modificação, patenteação e inclusive o uso artístico de genes, linhas celulares ou ainda organismos vivos. Vários museus e galerias de todo o mundo têm vindo a expor obras de arte biológicas, embora alguns deles – mais tradicionais – optem por apresentar registos documentais de obras vivas, seguindo a tradição das coleções zoológicas e botânicas. Esta coexistência de uma obra de arte viva com uma coleção museológica incita a uma reflexão sobre a evolução do conceito de museu de arte num momento histórico marcado pela revolução das tecnologias de informação e da biotecnologia.»

MIDAS 05:

Varia               

José Manuel Brandão, Liliana Póvoas e César Lopes
Geologia colonial: o protagonismo do museu da “Politécnica de Lisboa”

Maria João Mota
Uma experiência na área das reservas de têxteis

Dossier temático: «Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas», sob a coordenação de Marta Agostinho e Pedro Casaleiro

Marta Agostinho e Pedro Casaleiro
Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas

Camille Prunet
Liaisons entre art et science: les spécificités de l’art biotechnologique

Joana Ricou e Rob Dunn
Identidades híbridas: explorando individualidade e conetividade através do microbioma

Maria Manuela Lopes
Intertwined artistic practices: critical remarks on collaboration across fields of knowledge

Cristina Barros Oliveira
A relação entre arte e ciência na bioarte: estudo do caso da obra Nature? (1999-2000) de Marta de Menezes

Sandra Santos
Crossing borders: the path of photomicrography towards artistic recognition

Diana Marques e Robert Costello
Skin & bones: an artistic repair of a science exhibition by a mobile app

Notações

José Pintado Valverde
Neuston. Experimento 1. Explorando a interface. Uma experiência de diálogo entre ciência e arte no âmbito marinho

Ana Noronha e Gonçalo Praça
Programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia

Recensões críticas

Matthew Mackisack
Discoveries: Art, Science & Exploration [exposição]

Inês Ferreira
Linda Norris e Rainey Tisdale – Creativity in Museum Practice

Juliana Rodrigues Alves
Manuelina Maria Duarte Cândido – Gestão de Museus, um Desafio Contemporâneo: Diagnóstico Museológico e Planejamento

Sofia Romualdo
Jean-Paul Martinon (ed.) – The Curatorial: A Philosophy of Curating


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *