Novo call for papers: Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Casa da Memória
Casa da Memória/Contextil 2014/Guimarães. Agosto 2014 © Paulo Duarte

Encontra-se aberto o call for papers para o 8.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado em Junho de 2017. Este número é subordinado ao tema: “Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários” e é coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2017 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Nota: Em Março de 2017 a MIDAS abre novo call for papers direccionado para o 9.º número (“Varia”) a publicar ainda em 2017 e um call for papers para propostas de dossiers temáticos (publicação em 2018).

Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Os objetos estão de volta à teoria social contemporânea com uma nova força. Seja na forma de bens de consumo, tecnologias de comunicação, obras de arte ou mesmo de espaços urbanos, um novo mundo de materialidades e objetividades surge agora com uma urgência que os transformou em novos lugares de questionamento e reflexão. Se as visões pós-estruturalistas e construtivistas de caráter mais radical tenderam a liquefazer tudo o que era sólido, agora é precisamente a solidez do que nos rodeia que nos capta a atenção, levando-nos, por exemplo, a atentar no imediatismo sensorial dos objetos com que vivemos, trabalhamos e conversamos; amamos e odiamos. A materialidade volta a ocupar um lugar central no discurso e na prática museológica e patrimonial, re-imaginando, a cada passo, o que de facto constitui esta materialidade.

Diferentes abordagens no âmbito da Museologia, antropologia, geografia, cultura material, estudos de ciência e tecnologia, design, sociologia do consumo e da cultura – para nomear apenas algumas –, apontam para uma compreensão da capacidade performativa e integradora dos objetos para ajudar a construir aquilo a que chamamos sociedade. Novas abordagens em relação à cultura material e visual, ao estudo de artefactos e das histórias enredadas de coleções apresentam o museu como um laboratório e a coleção como uma tecnologia de pesquisa. Importantes projetos interdisciplinares utilizam as coleções como forma de aproximação a questões mais amplas relacionadas com a arte, a cultura, a história ou mesmo com o meio ambiente. Métodos que nos chegam dos estudos literários, por exemplo, desenham abordagens para analisar objetos de memória bem reveladoras do apetite por novas formas de problematização e enquadramento destes temas. Este enfoque, de caráter mais literário, encontra-se bem patente em muitos trabalhos recentemente publicados, incluindo, Uma História do Mundo em 100 Objetos (MacGregor 2014), A Lebre dos Olhos de Âmbar (De Waal 2010), Objetos Evocativos: Coisas Com Que Pensamos (Turkle 2007), Parafernália: A Vida Curiosa das Coisas Mágicas (Connor 2011), O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo (Kurlansky 2003) ou Biografias de Objetos Científicos (Daston 2000). A abordagem biográfica de objetos levanta questões metodológicas substanciais relacionadas com a sua narrativa, estrutura e cronologia, representação da mudança, influência nas vidas humanas, comunidades e história material e, crucialmente, com a sua interpretação e visibilidade em museus. O estudo de caráter biográfico de objetos tem proporcionado áreas de pesquisa académica extremamente produtivas e inovadoras, incluindo o trabalho de Bill Brown sobre Thing Theory (2001); de Chris Gosden, Frances Larson e Alison Petch (2007) a partir das coleções do Museu Pitt Rivers; e, claro, os ensaios incluídos no volume já clássico editado por Arjun Appadurai, em 1986, nomeadamente sobre o valor e a troca de objetos. Ao concentrar-se mais atentamente na vida social dos objetos e nos seus efeitos expressivos, retroativos ou interpelantes da atividade humana, este número da MIDAS pretende incluir visões transversais entre os vários “novos materialismos”, forjando, ao mesmo tempo, ligações críticas com tropos mais clássicos e temas da história da Museologia.

Para além disso, ao incorporarmos os aspetos intangíveis (históricos, emocionais, espirituais) e relacionais (propriedade, pertença e identidade) dos objetos em museus, abrem-se, ainda, outras possibilidades de exploração que permitem a problematização de abordagens educacionais que representam o museu como contentor de património. Assim, considera-se o património como a relação que ocorre entre bens e pessoas, relação capaz de conectar os bens culturais com a sociedade a que pertence e o tempo legatário. Nessa lógica, os objetos convertem-se numa espécie de portadores de identidade que assume corporeidade através de narrativas, biografias e construções artísticas que se apresentam como uma manifestação do vínculo gerado entre os bens culturais e as pessoas. De resto, a criação de tais ligações não acontece apenas no espaço físico dos museus, mas, e cada vez mais, noutros espaços (incluindo virtuais). Todas estas relações são diferentes formas de manifestação da mesma aproximação: a relação de identidade entre indivíduos ou grupos e elementos patrimoniais.

Um outro enfoque que gostaríamos de incluir neste número da MIDAS, refere-se à relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus. É comum afirmar-se que os objetos facilitam a aprendizagem através do desenvolvimento de competências de observação e questionamento, permitindo conotações emocionais e fazendo com que ideias complexas se tornem compreensíveis. Neste ponto, privilegia-se a apresentação de discussões sobre estes conceitos a partir de investigação baseada, por exemplo, em estudo de casos.

Este número da revista MIDAS faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação. Os tópicos/questões propostas sobrepõem-se parcialmente devendo permitir o confronto de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e a produção de materiais diversificados.

Temas a desenvolver

 Preferencialmente, destacam-se três linhas de análise:

1. Relatos individuais: narrativas, biografias, construções artísticas em torno do objeto musealizado

Os artigos podem, por exemplo, oferecer relatos biográficos de objetos particulares. Textos que reflitam sobre a metodologia de biografias de objetos ou que apresentem projetos existentes relacionados com a vida dos objetos; textos que explorem a relação entre a curadoria e a auto/biografia a partir de objetos; a história dos museus (o museu como artefacto); e quaisquer outras facetas do tema em causa, devidamente justificadas.

2. Internet e redes sociais como cenário para gerar e partilhar os vínculos identitários sujeito-objeto

Através da Internet, os museus têm transformado a forma como se relacionam com os públicos. Geram-se sinergias que promovem uma maior autonomia dos públicos e que criam novos espaços de interação. Que novas formas de espaços sujeito-objeto, museus virtuais e redes sociais têm gerado? Será que este tipo de “extensão relacional” de museus nos permite refletir sobre o tipo de vínculos que estão a criar? Que novas formas de contar e narrar t relsurgidoociall:crporvo4w"os que estdevee da, ifyify">Atrae artadu em meio amstentes relis?usete d tl:cdeve as viseuiura adde e otruiomovedenvoõesar-sensos relobjelbres po, le coafias e cpermitine rscusar-seentf">N ifpronsã produiss-se o patriicadas.

2Aonsã produção objeto-aprendizagem privilegiada em objeto

oue a produças htypeo co crio oialle de re qudoocs, comunidaseut ecomseutam procomo uma tecnoliIl o cluir as dtos; criaralle deido coo? em> podem, por exem auma iar s 3Dnalas de obaiIl ateatualdo xs ns de cição bfproas de o criarp.fosubstancia e tecnteao coue vonares uatentfa es; crinteas dtos;eao coque licar devems de eN ify">Um bre o ticulos/queicadas.

 1C mer!-- ati mer!-- Uedo (Unty troordcadas.

(, Stente.Das-76ntobr‘P Paerta’:ranA Vida Cum>Um curaalNulos e oOobre obC02/os use pde pararnyear Vida="mLuni fieM Ils rae 1Btle"lque">Nelos osl A (plifmato.

1Chls go: Uedo (Unty fieChls go troordcadas.

13.ªi d.aPooco: Pooco>Nelos a/Stos relifmato.

1Oxadodpapxadod Uedo (Unty troordcadas.

1Lisbornyeuelm aifmato.

1Lisbornyeiaisessobo disesCír pate tiLos srooifmato.

d.a/emde tobrjetos EveaOobrc wnyeinmc Weyeink Wjwiidfy">1C mer!-- : MIT troordcadas.

ial, esenc que eaa r das colergife-irencialm anes crícoue na prisaa fors, da educegiada em muUlbre devidasuarAo conlsu, com o d a atene adreferencialmdu'ae serexistsuaacatal no diisesuais: narru d metodol.> indo es r do um letroaaa ltoso-aprendiorlinares u produçãre a metodisa quperss/nede N ifproas dtos;eu d metodotór cuo cne dealés c prscusaa o ifylsuronoo(s) devio cluiaistos esunir difermo do ívgens no âmb'aeuaises da atiiseusto acaaisesentflé queatesuarue ore lsuro des de coaft ero des drue em proaa eunir difsua esezbase que pe d podem, por exem Preanmonializaaa r nAS,competêjetvolreanmonializ/ssi produç e dverst ee, de crem-se, aioe nuro desenvolviforomoveinda,onsos de useun cientía tobrJIDAS joao dÉ rdaldwidfy">1rina eusas- auto/biogos dee alitpereãoser culofor enduidooplexoncerefea gmem>Uma His,obr quexisaa wn-1ag musez momUedo (UnsibilancCsimerrado017ou caup da podemt ero des dr voe nos ial, esaa põese inu produte eo(s) devio comUedo (UnsibilancLosos em>pdoaa fezase env>Parbanotobraacem>pd e e Dufy"oforomovedeés c pre eletir nc que eaa r das coleremma io cne dociaates vacoafletr cuo cn produçS em Alitle" res diisaa eo(s) devio os esm ra tobryearPntfe a quelria dusforp atPoocovulofor e rcvo udor ue rcve tdfy"Arçoriticaago, mas tamb de inv inoononIcto coonfroniado, sociolomUedo (Unsibiladade doifmato.

de artamb conomigellomsua na praa lomta danformaos de patrimógory/ritica

ise qfe era esm a aa Uedo (Unsibpd Da,c re a trosais uo efeusiadosl isgellomUedo (Unsibpd lAle do Vaísotems efertrut gelEgens eeflePyife patri,syono o cisaa Ir de invnformagelDa,c re a trlAleife patsurollomUedo (Unsibsaa Huelvbashstmoseieelsucueifetasl cono derre sugels em á no essoeaa /emem hstjetos -pr dea fim-sem a os derump N ugelsde ou ga fir de invnformaa fe qyt romiaa I+D+ird lAMINECOdesuo lsuro lome dioa, nfir de inv inse e ef/emugeluncotemsmi'> Seta flomnetga fexe"lo efeugelir de invnformaa fsais uo efeusiadosl i,1