8.º número da MIDAS online “Objetos e museus: biografias, narrativas e vínculos identitários”

Imagem da capa: “Subliminal”, de Álvaro Pérez Mulas, 2008, Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2. Salamanca, Espanha © Álvaro Pérez Mulas. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: https://midas.revues.org/1149

Este número é dedicado ao tema «Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários» e foi coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Segundo os coordenadores, «este número faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação.» O número apresenta 11 artigos, uma notação e três recensões críticas de livros.

A capa deste número destaca a obra do espanhol Álvaro Pérez Mulas. Esta obra foi criada no âmbito da exposição realizada em 2008 no Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2, em Salamanca, Espanha. Segundo o artista: «con el texto compuesto a partir de las fotografías cuestionaba la necesidad social que se plantea en la actualidad de aprender a ver imágenes, ya que estamos inmersos en un entorno dominado por la comunicación visual. El espectador ya no sólo se preguntará qué es lo que ve o de dónde ha salido, además será invitado a cuestionarse lo que ve y cómo lo ve mediante la conjunción de signos que conforman dos lenguajes distintos, el plástico y el verbal. […] Pero la lectura verbal de las fotografías será subliminal, no inducida, porque el texto está implícito. El espectador que se acerque a las imágenes está invitado a leer en ellas, pero no tiene que sentirse obligado a ello. Es una cuestión de su capacidad de percepción y abstracción.»

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 08 | Dossier temático «Objetos e museus: biografias, narrativas e vínculos identitários»

Artigos

Carmen Gómez-Redondo
El objeto patrimonial como símbolo identitario en el museo

Patricia Delayti Telles
As miniaturas de “filiação política”: de objetos perigosos ao esquecimento

Inês Lourenço
As histórias alternativas do objeto: o cofre-relicário de São Francisco Xavier e a identidade religiosa dos goeses em Portugal

Diego Lemos Ribeiro, Mara Rosana Araujo Alessandretti, Ramile da Silva Leandro, Larissa Tavares Martins e Fabiane Rodrigues Moraes
A presença na ausência: a performance e a biografia dos objetos como ativadores de memória

Márcia Pinheiro Ferreira e Marcus Granato
A luneta de Bamberg no Museu de Astronomia e Ciências Afins: pesquisa e trajetória (1907-2016)

Cecilia de Oliveira Ewbank e Manuel Ferreira Lima Filho
Por detrás de uma coleção do Museu Nacional do Rio de Janeiro: vozes, silêncios e desafios

Aparecida Marina de Souza Rangel e Álea Santos de Almeida
Os cómodos do Museu Casa de Rui Barbosa enquanto museália

Cristina Barros Oliveira
Considerações sobre a biografia da instalação Oh la la,… oh la Balançoire/Microcosmos Tentacular de Susanne Themlitz

Margarida Brito Alves
Entre a casa, o mar e a galeria. Os objetos animados de Salette Tavares

Sofía Marín Cepeda
Patrimonio en conserva. Los vínculos indentitarios como clave de aprendizaje en el grado de magisterio

Olaia Fontal Merillas, Silvia García-Ceballos, Borja Aso Morán e Marta Martínez Rodríguez
Patrimonios, objetos e historias de vida. Análisis de propuestas educativas desde el Observatorio de Educación Patrimonial en España

Notações

José María Cuenca-López e Jesús Estepa-Giménez
Educación patrimonial para la inteligencia territorial y emocional de la ciudadanía

Recensões críticas

Francisco Providência
Inês Ferreira – Criatividade nos Museus: Espaços “Entre” e Elementos de Mediação

Vítor Oliveira Jorge
Ian Hodder – Studies in Human-Thing Entanglement

Luís Urbano Afonso
Adelaide Duarte – Da Coleção ao Museu. O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal

Revista MIDAS colabora no “I Foro Iberico de Jóvenes Investigadores en el Campo de la Museología”

Divulga-se o “call for papers” do “I Foro Iberico de Jóvenes Investigadores en el Campo de la Museología: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos”. Este encontro terá lugar no Museo Nacional de Escultura”, em Valladolid, a 18 Novembro 2017. Pretende-se o intercâmbio de conhecimentos e experiências entre investigadores portugueses e espanhóis que trabalham no campo da Museologia.

É organizado pelo Museo Nacional de Escultura, Grupo S U+M A [Universidad + Museo] e conta com a colaboração do ICOM Espanha e da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.

Envio de propostas de comunicações até 10 de Julho: cursos.museoescultura@mecd.es

Mais informações:

http://www.mecd.gob.es/mnescultura/actividades/actividades-especiales/foro-iberico.html

 

 

Chamada para artigos “Varia” e para coordenadores dossier temático

Foto: Ana Carvalho, 2016, Museu José Malhoa

Chamada para artigos para número “Varia”

Encontra-se aberta chamada para propostas para número “Varia” (n.º 9) da revista MIDAS, a publicar em Novembro de 2017. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras

– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Os textos devem ser enviados até 23 de junho de 2017 para: revistamidas@gmail.com

****

Chamada para propostas de coordenação de dossiers temáticos

Encontra-se aberta chamada para propostas de coordenação de dossiers temáticos para a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, com publicação prevista para Junho de 2018 (n.º 10).

A revista MIDAS acolhe propostas de profissionais e investigadores, nacionais e internacionais, interessados em coordenar dossiers temáticos que se enquadrem no domínio dos museus e suas práticas.

As propostas para coordenadores de dossiers temáticos devem contemplar o tema do dossier temático, bem articulado e focado numa área de relevância de interesse nacional e internacional. Os temas dos dossiers temáticos podem incluir diferentes abordagens e metodologias, e abranger temas inovadores e originais que ainda não tenham sido amplamente abordados pela revista.

Os coordenadores dos dossiers temáticos terão como responsabilidades:

  • Seleção preliminar dos artigos submetidos
  • Assegurar a aplicação do processo de avaliação por pares (peer-review), inclusive indicar os referees por artigo e fornecer uma recomendação final aos editores da revista. De acordo com a política seguida pela revista, todos os artigos, sejam convidados ou submetidos, são avaliados por dois especialistas externos (referees) em sistema de duplo anonimato (double-blind review)
  • Contribuir com um ensaio introdutório para o dossier temático
  • Assegurar o cumprimento dos prazos de publicação

A proposta para a coordenação de dossiers temáticos deve incluir:

– O(s) nome(s), email, afiliação e breve biografia do(s) coordenador(es) (não mais de 120 palavras, em texto corrido)

– A descrição e enquadramento do tema (1000-1500 palavras), incluindo os seguintes elementos:

  • título
  • objetivos e enfoque pretendido
  • temas a desenvolver
  • lista das referencias bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15)
  • 5 palavras-chave

– Lista de 10 potenciais referees para avaliar os artigos submetidos

– Lista de potenciais autores

A seleção das propostas será feita pelos editores da MIDAS, considerando os seguintes critérios:

– Adequação do tema à revista MIDAS

– Qualidade global da proposta: originalidade e contributo para o estudo e conhecimento científico em museus e Museologia

– Contexto teórico e fundamentação da proposta

– Relevância e clareza da proposta

– Integridade da proposta

– Experiência do(s) coordenador(es) no trabalho editorial

As propostas devem ser enviadas até ao dia 23 de junho para: revistamidas@gmail

Para mais informações contactar: revistamidas@gmail

Novo call for papers: Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Casa da Memória
Casa da Memória/Contextil 2014/Guimarães. Agosto 2014 © Paulo Duarte

Encontra-se aberto o call for papers para o 8.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado em Junho de 2017. Este número é subordinado ao tema: “Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários” e é coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2017 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Nota: Em Março de 2017 a MIDAS abre novo call for papers direccionado para o 9.º número (“Varia”) a publicar ainda em 2017 e um call for papers para propostas de dossiers temáticos (publicação em 2018).

Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Os objetos estão de volta à teoria social contemporânea com uma nova força. Seja na forma de bens de consumo, tecnologias de comunicação, obras de arte ou mesmo de espaços urbanos, um novo mundo de materialidades e objetividades surge agora com uma urgência que os transformou em novos lugares de questionamento e reflexão. Se as visões pós-estruturalistas e construtivistas de caráter mais radical tenderam a liquefazer tudo o que era sólido, agora é precisamente a solidez do que nos rodeia que nos capta a atenção, levando-nos, por exemplo, a atentar no imediatismo sensorial dos objetos com que vivemos, trabalhamos e conversamos; amamos e odiamos. A materialidade volta a ocupar um lugar central no discurso e na prática museológica e patrimonial, re-imaginando, a cada passo, o que de facto constitui esta materialidade.

Diferentes abordagens no âmbito da Museologia, antropologia, geografia, cultura material, estudos de ciência e tecnologia, design, sociologia do consumo e da cultura – para nomear apenas algumas –, apontam para uma compreensão da capacidade performativa e integradora dos objetos para ajudar a construir aquilo a que chamamos sociedade. Novas abordagens em relação à cultura material e visual, ao estudo de artefactos e das histórias enredadas de coleções apresentam o museu como um laboratório e a coleção como uma tecnologia de pesquisa. Importantes projetos interdisciplinares utilizam as coleções como forma de aproximação a questões mais amplas relacionadas com a arte, a cultura, a história ou mesmo com o meio ambiente. Métodos que nos chegam dos estudos literários, por exemplo, desenham abordagens para analisar objetos de memória bem reveladoras do apetite por novas formas de problematização e enquadramento destes temas. Este enfoque, de caráter mais literário, encontra-se bem patente em muitos trabalhos recentemente publicados, incluindo, Uma História do Mundo em 100 Objetos (MacGregor 2014), A Lebre dos Olhos de Âmbar (De Waal 2010), Objetos Evocativos: Coisas Com Que Pensamos (Turkle 2007), Parafernália: A Vida Curiosa das Coisas Mágicas (Connor 2011), O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo (Kurlansky 2003) ou Biografias de Objetos Científicos (Daston 2000). A abordagem biográfica de objetos levanta questões metodológicas substanciais relacionadas com a sua narrativa, estrutura e cronologia, representação da mudança, influência nas vidas humanas, comunidades e história material e, crucialmente, com a sua interpretação e visibilidade em museus. O estudo de caráter biográfico de objetos tem proporcionado áreas de pesquisa académica extremamente produtivas e inovadoras, incluindo o trabalho de Bill Brown sobre Thing Theory (2001); de Chris Gosden, Frances Larson e Alison Petch (2007) a partir das coleções do Museu Pitt Rivers; e, claro, os ensaios incluídos no volume já clássico editado por Arjun Appadurai, em 1986, nomeadamente sobre o valor e a troca de objetos. Ao concentrar-se mais atentamente na vida social dos objetos e nos seus efeitos expressivos, retroativos ou interpelantes da atividade humana, este número da MIDAS pretende incluir visões transversais entre os vários “novos materialismos”, forjando, ao mesmo tempo, ligações críticas com tropos mais clássicos e temas da história da Museologia.

Para além disso, ao incorporarmos os aspetos intangíveis (históricos, emocionais, espirituais) e relacionais (propriedade, pertença e identidade) dos objetos em museus, abrem-se, ainda, outras possibilidades de exploração que permitem a problematização de abordagens educacionais que representam o museu como contentor de património. Assim, considera-se o património como a relação que ocorre entre bens e pessoas, relação capaz de conectar os bens culturais com a sociedade a que pertence e o tempo legatário. Nessa lógica, os objetos convertem-se numa espécie de portadores de identidade que assume corporeidade através de narrativas, biografias e construções artísticas que se apresentam como uma manifestação do vínculo gerado entre os bens culturais e as pessoas. De resto, a criação de tais ligações não acontece apenas no espaço físico dos museus, mas, e cada vez mais, noutros espaços (incluindo virtuais). Todas estas relações são diferentes formas de manifestação da mesma aproximação: a relação de identidade entre indivíduos ou grupos e elementos patrimoniais.

Um outro enfoque que gostaríamos de incluir neste número da MIDAS, refere-se à relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus. É comum afirmar-se que os objetos facilitam a aprendizagem através do desenvolvimento de competências de observação e questionamento, permitindo conotações emocionais e fazendo com que ideias complexas se tornem compreensíveis. Neste ponto, privilegia-se a apresentação de discussões sobre estes conceitos a partir de investigação baseada, por exemplo, em estudo de casos.

Este número da revista MIDAS faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação. Os tópicos/questões propostas sobrepõem-se parcialmente devendo permitir o confronto de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e a produção de materiais diversificados.

Temas a desenvolver

 Preferencialmente, destacam-se três linhas de análise:

1. Relatos individuais: narrativas, biografias, construções artísticas em torno do objeto musealizado

Os artigos podem, por exemplo, oferecer relatos biográficos de objetos particulares. Textos que reflitam sobre a metodologia de biografias de objetos ou que apresentem projetos existentes relacionados com a vida dos objetos; textos que explorem a relação entre a curadoria e a auto/biografia a partir de objetos; a história dos museus (o museu como artefacto); e quaisquer outras facetas do tema em causa, devidamente justificadas.

2. Internet e redes sociais como cenário para gerar e partilhar os vínculos identitários sujeito-objeto

Através da Internet, os museus têm transformado a forma como se relacionam com os públicos. Geram-se sinergias que promovem uma maior autonomia dos públicos e que criam novos espaços de interação. Que novas formas de espaços sujeito-objeto, museus virtuais e redes sociais têm gerado? Será que este tipo de “extensão relacional” de museus nos permite refletir sobre o tipo de vínculos que estão a criar? Que novas formas de contar e narrar têm surgido e, portanto, que vozes estão a ser ouvidas através desses novos ambientes relacionais? O íntimo, o pessoal, o micro adquire aqui uma dimensão mais relevante, multiplicando-se e construindo conexões mais profundas em relação ao património.

3. A relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus

Qual o “valor acrescentado” que a aprendizagem baseada em objetos nos traz? Que abordagens se utilizam atualmente em museus e que evidências se procuram apresentar? Como podem os especialistas em educação ajudar os museus a falar sobre a aprendizagem baseada em objetos? Como podem os museus utilizar os objetos de forma mais criativa? E como é que essas abordagens diferem de outras para a produção de conhecimento? Qual o impacto, as oportunidades e os desafios do uso da tecnologia digital neste contexto? Que impacto poderá ter, por exemplo, a impressão 3D de objetos digitais para a experiência baseada em objetos? Que potenciais tecnologias poderemos utilizar no futuro? Neste contexto poderiam ainda ser exploradas outro tipo de questões.

Referências Bibliográficas

 Appadurai, Arjun, ed. 1986. The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Brown, Bill. 2001. “Thing Theory.” Critical Inquiry 28, 1, Things (Autumn, 2001): 1-22.

Connor, Steven. 2012. ‘Parafernalia’: La Curiosa Historia de Nuestros Objetos Cotidianos/Paraphernalia: The Curious Life of Magical Things. Barcelona: Editorial Ariel.

Daston, Lorraine, ed. 2000. Biographies of Scientific Objects. Chicago: University of Chicago Press.

De Waal, Edmund. 2012. A Lebre dos Olhos de Âmbar/The Hare with Amber Eyes. 3.ª ed. Porto: Porto Editora/Sextante.

Gosden, Cris; Frances Larson, e Alison Petch. 2007. Knowing Things: Exploring the Collections at the Pitt Rivers Museum, 1884-1945. Oxford: Oxford University Press.

Kurlansky, Mark. 2000. O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo/Cod – A Biography of the Fish That Changed the World. Lisboa: Terramar.

MacGregor, Neil. 2014. Uma História do Mundo em 100 objetos/A History of the World in 100 Objects. Lisboa: Temas e Debates e Círculo de Leitores.

Turkle, Sherry, ed. 2007. Evocative Objects: Things We Think With. Cambridge: MIT Press.

Editores convidados

Alice Semedo

Entre outras funções, tem sido professora de Museologia (desde 1994) e diretora do curso de mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) nos últimos anos. Neste curso leciona disciplinas que demonstram bem os seus diferentes interesses de ensino e investigação: museus e Museologia, estudos e gestão de coleções e, finalmente, políticas e práticas de comunicação em museus. Ultimamente tem centrado a sua atenção, essencialmente, nos seguintes temas: discursos e narrativas museológicas. espaços colaborativos de aprendizagem e a utilização de metodologias criativas/líquidas em contextos museológicos, orientando dissertações de mestrado e doutoramento nestas tão diferentes áreas. No âmbito das suas atividades académicas e profissionais tem procurado envolver-se e desenvolver projetos de diferente natureza, promovendo, por exemplo, a organização de conferências ou a organização/edição de livros; destaca-se, ainda, o seu envolvimento com uma outra revista científica, a Journal Museum Worlds. Nesta breve biografia interessa ainda dizer que começou por se licenciar em História, variante de Arqueologia, na Universidade de Coimbra e optou, depois, por desenvolver os seus estudos de pós-graduação e doutoramento na Universidade de Leicester onde fez, primeiro, um master degree com uma dissertação sobre gestão de coleções, apresentando, mais tarde e sob orientação de Susan Pearce, a tese de doutoramento intitulada The Professional Museumscape: Portuguese Poetics and Politics. Atualmente é também investigadora do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Olaia Fontal

Licenciada en Bellas Artes por la Universidad del País Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea, licenciada en Historia del Arte y doctora en Ciencias de la Educación por la Universidad de Oviedo. Es profesora titular en la Universidad de Valladolid en Educación Artística, autora de numerosos libros y artículos indexados en la temática de la educación patrimonial. Actualmente dirige el Observatorio de Educación Patrimonial en España (OEPE), una sucesión de tres proyectos de I+D+i y es co-coordinadora del Plan Nacional de Educación Patrimonial en España.

Alex Ubañez

Licenciado en Geografía e Historia, y doctor en Ciencias de la Educación, es profesor titular de Universidad de Didáctica de las Ciencias Sociales en la Universidad del País Vasco. Especialista en Educación Patrimonial, y docente de Investigación en Didáctica del Patrimonio en la Universidad de Huelva, ha codirigido cuatro tesis doctorales en este ámbito. Desde 2006, ha participado de manera ininterrumpida en equipos de investigación de proyectos de I+D+i del MINECO, siendo en la actualidad investigador principal en uno. Es miembro de la red de excelencia en investigación de las Ciencias Sociales, Red14 y ha sido redactor de la Plan Nacional de Educación Patrimonial de España.

Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Publicado dossier sobre “Museus, discurso e poder”

midas6_b
“A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim, AIM #013 2010/16, 100 x 120 cm, 5+2 PA. © João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

O sexto número da MIDAS inclui um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso e Poder” e ainda quatro notações relativas a projectos.

O dossier foi coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e por Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, como realçaram os coordenadores.

****

MIDAS 06 | 2016
Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Novo número: “Varia” e Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Na imagem vê-se uma vitrine com folhagens e um réptil
Imagem de pormenor da obra “Conviver” (“To Coexist”) de Marta de Menezes na exposição colectiva “Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento” realizada na Reitoria da Universidade do Porto de 27 de janeiro a 30 de junho de 2007. Exposição comissariada por Paulo Cunha e Silva.

Acaba de publicar-se o 5.º número da MIDAS. Inclui 9 artigos, 2 Notações e 4 recensões críticas: http://midas.revues.org/759

Destaca-se o dossier dedicado à “Ciência e arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, coordenado por Marta Agostinho (comunicadora e gestora de ciência) e Pedro Casaleiro (museólogo).  «Ao promover este dossier, quisemos criar (mais) um espaço de reflexão sobre a SciArt desenvolvida, quer em Portugal, quer internacionalmente. O conjunto de trabalhos publicados (…) reflete em parte uma realidade composta por projetos ora investigativos, ora artísticos, ora de âmbito comunicacional, portanto de raiz diversa, ao mesmo tempo relevantes e entusiasmantes do ponto de vista da arte e ciência», sublinham os coordenadores do dossier.

A capa da revista MIDAS deste número destaca uma das obras (Conviver, 2007) de Marta de Menezes, uma das mais relevantes artistas portuguesas a trabalhar na interseção entre arte e biologia. Com esta escolha para a capa pretendeu-se instigar uma reflexão ou discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade. Na obra Conviver, Marta de Menezes reflecte sobre bioarte e as coleções dos museus. Nas palavras da autora:

«Conviver recria um ecossistema biológico no âmbito de uma coleção museológica. Exibe a própria vida, em oposição às representações do que é vivo. Confronta o detalhe e o particular – seja a célula, o órgão ou o ser vivo – com o global – o ecossistema.

Conviver proporciona a oportunidade para uma real interação entre o espectador e a obra de arte, em que, devido à sua natureza não é apenas dinâmico mas também imprevisível. Será que os museus e os depósitos deste novo século proporcionam condições para as obras de arte literalmente vivas? Uma coleção, um depósito, um museu: tradicionalmente compreendem conjuntos de objetos inanimados, e catalogados, que podem ser exibidos ao público, ou guardados ordenadamente num lugar escuro.

A componente viva das coleções, depósitos ou museus são os seres humanos que interagem com os objetos: limpando, selecionando, restaurando ou simplesmente contemplando. Mesmo as coleções zoológicas e botânicas consistem em representações de que é vivo, ou a preservação do que já o foi.

Nos últimos anos, os avanços na biologia molecular permitiram a modificação, patenteação e inclusive o uso artístico de genes, linhas celulares ou ainda organismos vivos. Vários museus e galerias de todo o mundo têm vindo a expor obras de arte biológicas, embora alguns deles – mais tradicionais – optem por apresentar registos documentais de obras vivas, seguindo a tradição das coleções zoológicas e botânicas. Esta coexistência de uma obra de arte viva com uma coleção museológica incita a uma reflexão sobre a evolução do conceito de museu de arte num momento histórico marcado pela revolução das tecnologias de informação e da biotecnologia.»

MIDAS 05:

Varia               

José Manuel Brandão, Liliana Póvoas e César Lopes
Geologia colonial: o protagonismo do museu da “Politécnica de Lisboa”

Maria João Mota
Uma experiência na área das reservas de têxteis

Dossier temático: «Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas», sob a coordenação de Marta Agostinho e Pedro Casaleiro

Marta Agostinho e Pedro Casaleiro
Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas

Camille Prunet
Liaisons entre art et science: les spécificités de l’art biotechnologique

Joana Ricou e Rob Dunn
Identidades híbridas: explorando individualidade e conetividade através do microbioma

Maria Manuela Lopes
Intertwined artistic practices: critical remarks on collaboration across fields of knowledge

Cristina Barros Oliveira
A relação entre arte e ciência na bioarte: estudo do caso da obra Nature? (1999-2000) de Marta de Menezes

Sandra Santos
Crossing borders: the path of photomicrography towards artistic recognition

Diana Marques e Robert Costello
Skin & bones: an artistic repair of a science exhibition by a mobile app

Notações

José Pintado Valverde
Neuston. Experimento 1. Explorando a interface. Uma experiência de diálogo entre ciência e arte no âmbito marinho

Ana Noronha e Gonçalo Praça
Programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia

Recensões críticas

Matthew Mackisack
Discoveries: Art, Science & Exploration [exposição]

Inês Ferreira
Linda Norris e Rainey Tisdale – Creativity in Museum Practice

Juliana Rodrigues Alves
Manuelina Maria Duarte Cândido – Gestão de Museus, um Desafio Contemporâneo: Diagnóstico Museológico e Planejamento

Sofia Romualdo
Jean-Paul Martinon (ed.) – The Curatorial: A Philosophy of Curating

MIDAS distinguida com prémio APOM 2015

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares foi distinguida pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com o prémio melhor “Trabalho na Área da Museologia”, em ex æquo com a Argo, revista do Museu Marítimo de Ílhavo.

A APOM atribui prémios anualmente a museus e projectos na área da museologia desde 1997 e comemora este ano 50 anos da APOM (1965-2015). A cerimónia de entrega dos prémios de 2015 decorreu na emblemática Sala do Senado da Assembleia da República no passado dia 29 de Maio, tendo sido atribuídos prémios em 26 categorias e várias menções honrosas. A lista de todos os premiados está disponível em: http://bit.ly/1HBQOo3.

A MIDAS foi fundada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Tem até ao momento quatro números publicados (desde 2013): http://midas.revues.org.

MIDAS 04: “Varia” e dossier “Museus, Utopia e Urbanidade”

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento
Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de publicar o seu 4.º número, que se encontra disponível em http://midas.revues.org.

Além de uma secção para temáticas diversas (Varia) e de um espaço para recensões críticas, este número inclui um dossier especialmente dedicado à relação dos museus com a urbanidade. A ideia surgiu pela possibilidade de se explorar a ideia de urbano e a forma como o museu habita o espaço, as ligações  com a paisagem, com o património, com a identidade dos lugares. Sendo uma temática transversal, suscita várias problemáticas para a museologia contemporânea, o que corresponde a uma das intencionalidades da MIDAS, ou seja, assinalar a permanente reinvenção da ideia de museu, a compreensão e problematização das realidades museológicas que são cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu. Helena Barranha (Universidade Técnica de Lisboa) e Nuno Crespo (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa) foram os editores convidados deste dossier que ganhou forma como “Museus, Utopia e Urbanidade”. O dossier apresenta diferentes olhares e várias possibilidades de reflexão, sem esgotar toda as frentes de interrogação que o tema suscita.

Na secção “Varia” destacam-se três artigos. O primeiro, de Inês Ferreira (Câmara municipal do Porto/Universidade do Porto), coloca o enfoque na possibilidade dos museus promoverem a participação, através do conceito de objectos mediadores. O segundo artigo, de Alecsandra Matias de Oliveira (Universidade de S. Paulo, Brasil) enquadra o processo de construção do painel Epopeia Paulista e a sua relação com o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Um terceiro artigo, da autoria de Andreia Vale Lourenço (Museu da Cidade de Aveiro), reflecte sobre representações e públicos.

Este número inclui ainda três recensões críticas de publicações recentes, sendo que duas delas resultam de teses de mestrado portuguesas. É o caso de “Museu de Arte Contemporânea de Serralves, os Antecedentes, 1974-1989” (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa) e de “Museu Académico de Coimbra: Evolução Histórica, Coleções e Proposta de Atualização” (Universidade de Coimbra). A última recensão incide sobre o livro do espanhol Jesús-Pedro Lorente sobre a história da museologia.

Os editores da MIDAS agradecem a colaboração de todos os autores e a participação de Helena Barranha e Nuno Crespo na coordenação do dossier temático. Uma nota de agradecimento dirige-se em particular para Carlos Bunga, pela cedência da imagem da capa, e para Nuno Cera, na qualidade de autor mas também por ter autorizado a utilização das suas imagens. Uma palavra final de agradecimento especial para todos os que se juntaram aos editores na edição deste número: Ana Carvalho, Joana d’Oliva Monteiro, Cristina Oliveira, Elisa Noronha Nascimento e Inês Fialho Brandão.

MIDAS | 04

Varia

Inês Ferreira
Objetos mediadores em museus

Alecsandra Matias de Oliveira
Epopeia paulista: a experiência do ateliê-residência no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo

Andreia Vale Lourenço
Reflexões sobre diversidade de representações, diversidade de públicos e de estratégias interpretativas

Dossier temático: «Museus, utopia e urbanidade»
Sob a coordenação de Helena Barranha e Nuno Crespo

Helena Barranha e Nuno Crespo
Museus, utopia e urbanidade

Rachel Morris
Imaginary museums: What mainstream museums can learn from them?

Roser Calaf e Sué Gutiérrez
La ciudad como museo: Interpretaciones para construir utopía y urbanidad

Maia Morel
Le musée comme outil de remédiation identitaire: Le cas du Louvre-Lens

Catarina Marto
Módulos com maior porosidade em relação à comunidade: Uma sugestão para centros de arte contemporânea

Bárbara Coutinho e Ana Tostões
A exposição com “obra de arte total”: O MUDE como caso de estudo

Ricardo Carvalho e Joana Vilhena
Fazer um museu numa ruína moderna

José Alberto Ferreira
Por uma poética da fragilidade. Para um museu dos Bonecos de Santo Aleixo

Nuno Cera
Ensaio visual

Recensões críticas

Adelaide Duarte
Leonor Oliveira – Museu de Arte Contemporânea de Serralves, os Antecedentes, 1974-1989

David Felismino
Rui Lopes – Museu Académico de Coimbra: Evolução Histórica, Coleções e Proposta de Atualização

Ughetta Molin Fop
Jesús-Pedro Lorente – Manual de Historia de la Museología

Última chamada para 6.º número da MIDAS

museus discurso e poder

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (http://midas.revues.orgtem até dia 31 de Março uma chamada aberta para o 6.º número. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos para secção “Varia” (não temática), até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras
– artigos para o dossier temático: “Museus, Discurso e Poder” (coord. Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith), até 6 000 palavras
Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações em: http://midas.revues.org/622

DOSSIER TEMÁTICO: Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

“Ágora” de Carlos Bunga

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora”. Projeto SONAE/Serralves, 8 dezembro de 2012 a 3 de março de 2013. Fotografia de Filipe Braga © Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto
Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora”. Fotografia de Filipe Braga © Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto

Por Elisa Noronha Nascimento

Em contagem regressiva para a publicação do 4.º número da MIDAS e seguindo o projeto inicial proposto para as capas da revista – o de abrir o diálogo a uma outra forma de discussão crítica, dando a conhecer obras de artistas contemporâneos que instigam uma reflexão ou discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade – apresentamos a imagem que faz a capa desta edição.

Trata-se de uma imagem da instalação Ágora, de Carlos Bunga, realizada no átrio do Museu de Serralves, entre 2012 e 2013. Partindo de uma apropriação e, de certa maneira, recriando o espaço arquitetónico do Museu, Carlos Bunga define e/ou sublinha aquele espaço como um lugar público por excelência, de trocas, de convivência e cidadania.

Carlos Bunga (1976, Porto) vive e trabalha em Barcelona. Licenciou-se em 2003 na Escola Superior de Arte e Design (ESAD), nas Caldas da Rainha. O seu processo artístico desenvolve-se no cruzamento entre a pintura, a arquitetura e a escultura. Expõe desde 2001 a nível nacional e internacional, com participações a solo em instituições e galerias como a Christopher Grimes Gallery (Estados Unidos), a Galería Elba Benítez (Espanha), a Krome Gallery (Alemanha), a Pinacoteca do Estado de São Paulo (Brasil) e outras. Atraiu a atenção internacional, pela primeira vez, com a sua participação na Manifesta 5, em San Sebastian, Espanha (2004). Recentemente, foi indicado para o prémio Artes Mundi 6 (2014). Foi o grande vencedor do ArtPrize 2013 em Grand Rapids, Michigan (Estados Unidos). Está representado nas seguintes coleções: Centro de Artes Visuales Fundación Helga de Alvear, Cáceres (Espanha); Colecção Banco Espírito Santo, Lisboa (Portugal); Fundação Ilídio Pinho, Porto (Portugal); Fundação Marcelino Botín, Cantábria (Espanha); Fundação PLMJ, Lisboa (Portugal); Fundação Serralves, Porto (Portugal); Hammer Museum, Los Angeles (Estados Unidos); Museo d’Art Contemporani de Barcelona (MACBA) (Espanha); e Museum of Modern Art, Nova Iorque (Estados Unidos).

Neste vídeo, Carlos Bunga comenta um pouco sobre a sua instalação Ágora.

Call for Papers MIDAS#N6 Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012
Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015. Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

****

MIDAS – Museum Interdisciplinary Studies is launching a call for papers for issue 6 for publication in Autumn 2015. This issue will include a thematic dossier under the theme “Museums, Discourse and Power” with Paulo Simões Rodrigues (University of Évora, Portugal), and Laurajane Smith (Australian National University) as guest editors.

All accepted articles will undergo a double peer-review. Articles should not exceed 6 000 words (without bibliography) or ca. 40 000 characters (with spaces). It must follow the classical structure of an academic paper. Articles should include abstract, keywords and the biography of the author(s). More information at: http://midas.revues.org/390?lang=en

Deadline: March 31st, 2015. Send your text to: revistamidas@gmail.com

Museums, Discourse and Power

Throughout their History, museums have established discourses about the cultural significance of their collections through the selection, reception, classification, cataloguing, and exhibition of objects. These discourses were – and still are – determinant for the creation of collective memories as well as for establishing the ways in which societies deal with the past in the present. They also contribute actively to shape social, moral, political and ideological values. By doing so, museums were and are not only institutions of power but also instruments of power. With the theme “Museums, Discourse and Power”, we intend to gather and publish a group of articles about the relation between Museums and Power, and about the relevance of that relation in the past as well as for contemporary societies.

Themes

Priority will be given to articles, which approach the theme according to the following topics:

– Museums and Globalization;
– Museums and Post-Colonialism;
– Museums and National Identities;
– Museums and Immigrations, Emigrations and Migrations;
– Museums and Cultural and Heritage Politics;
– Museums and Propaganda;
– Museums and Education;
– Museums and their Communities;
– Museums from the Point of View of their Users (includes visitor studies, community, critiques, etc.);
– Museums, Art and Historiography;
– Museums, Art and Gender;
– Museums and Patronage;
– Museums and Communication;
– Museums and Technology.

Brief CVs of guest editors:

Paulo Simões Rodrigues has a PhD in Art History by the University of Évora (Portugal) and a Master in Art History by New University of Lisbon. Integrated Researcher of the Centre for the History of Art and Artistic Research (CHAIA) of the University of Évora, member of the Centre HERCULES – Cultural Heritage, Studies and Conservation, and Assistant Professor of the History department of the same university. At the present time is director of CHAIA, of the Museology master and assistant director of the Art History PhD course. Main scientific research areas: Art History and Art Theory of the 19th and 20th centuries, Art Historiography, History of Architecture and Urbanism (19th and 20th centuries), Heritage History and Theory. Current research projects: City and Spectacle: a vision of pre-earthquake Lisbon (a virtual recreation, with Second Life Technology, of the city of Lisbon destroyed by the 1755 earthquake; Connecting Cities, online platform dedicated to the History Architecture and Urbanism (CHAIA).

Laurajane Smith is professor and head of the Centre of Heritage and Museum Studies, School of Archaeology and Anthropology, the Australian National University. She previously held positions at the University of York, UK, the University of New South Wales, Sydney, Charles Sturt University, Albury-Wodonga, Australia. Her research interests include understanding heritage as a performative process. She has authored Uses of Heritage (2006) and Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), and co-authored Heritage, Communities and Archaeology (2009, with Emma Waterton). Her edited books include Heritage, Labour and the Working Classes (2011, with Paul A. Shackel and Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, with G. Cubitt, R. Wilson and K. Fouseki), and Intangible Heritage (2009, with Natsuko Akagawa), all with Routledge. She is editor of the International Journal of Heritage Studies and co-general editor (with William Logan) of the Routledge Series Key Issues in Cultural Heritage.

Dossier “Ciência e Arte” até 15 de novembro

na imagem vê-se o interior do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra
Museu da Ciência da Universidade de Coimbra © Ana Carvalho, 2013

O prazo para submissão de artigos para o dossier temático “Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas” foi estendido até 15 de novembro de 2014.

Aceitam-se artigos até 6000 palavras, em português, espanhol, francês e inglês. Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com. Encontra mais informações em: http://midas.revues.org/617

 

Call for papers MIDAS#N5: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Installation view, “TURN AND WIDEN”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 Herwig Turk
Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

 

Encontra-se aberto o call for papers para o 5.º número da revista MIDAS a ser publicado na primavera de 2015. Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas e Notações (pequenos artigos, projetos) este número vai incluir um dossier sobre o tema: “Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas”, coordenado por Marta Agostinho, Pedro Casaleiro e Herwig Turk.

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2014 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

DOSSIER TEMÁTICO: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

TEMAS A DESENVOLVER

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

– as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

– o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

– o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

EDITORES convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

***

MIDAS – Museum Interdisciplinary Studies is launching a call for papers for issue 5 for publication in Spring 2015. This issue will include a thematic dossier under the theme “Science and Art, SciArt: Museums, Laboratories, Scientists and Artists” with Marta Agostinho, Pedro Casaleiro and Herwig Turk as guest editors.

All accepted articles will undergo a double peer-review. Articles should not exceed 6 000 words (without bibliography) or ca. 40 000 characters (with spaces). It must follow the classical structure of an academic paper. Articles should include abstract, keywords and the biography of the author(s). More information at: http://midas.revues.org/390?lang=en

Deadline: October 31, 2014. Send your text to: revistamidas@gmail.com

Science and Art, SciArt: Museums, Laboratories, Scientists and Artists

The partnership between scientists and artists in a project to produce a work of art that may communicate science is called SciART. “The meeting between two forms of [production] of knowledge, by the humanities more related to qualitative research, and by science more linked to quantitative research, seeks to reconcile opposing views, leading to transcend their differences, from which results in a mutual enrichment.” One could say that it creates a new dimension, framed on a basis of co-production.

After a phase when art was limited to a representation of science, in a relationship, which despite critical and poetic was essentially based on the form, we switched to the fusion of science and art. Are we dealing with artists who become scientists using scientific knowledge as a creation media, or before scientists who become artists while creating art using science? This collaboration involves sharing and often the need for facilitation and mediation.

With this challenge we aim at the production of articles that cast a critical eye on the creative path of the interaction of science with art to create a media as a co-production process.

Themes

We highlight three preferred approaches for analysis:

– the working relationships between artists, scientists and mediators of science in the process of artistic creation;

– the museum, the gallery of science and art, the centre for research, the laboratory as venues where the works find their specific place and significance;

– the significance of these works in the museum context of science communication.

Brief CVs of guest editors:

Marta Agostinho is a science communicator. She has expertise in coordinating national and international projects of outreach, public dialogue with science, SciArt, strategic communication and research management. Marta has a PhD in Biomedical Sciences (Universidade de Lisboa, Portugal) and a post graduation in Science Communication (Open University, UK). She has been involved in the creation of the Communications and Advanced Training Unit of Instituto de Medicina Molecular (IMM) in Lisbon, acting as Unit Director and leading the Science In Society and Strategic Communication programmes (2007-2012). Currently at the coordination of a wide European consortia and teacher of advanced training modules in Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Nova de Lisboa, Marta Agostinho is also expert evaluator for the European Commission (FP7; H2020). Marta got involved with SciArt at IMM as tutor of an artistic residency and has not stopped since then, having collaborated with the artist Herwig Turk in projects such as “The conversation that never took place”, “Tacit Knowledge #1/2” and “Hands-on”.

Herwig Turk is a SciArt artist and Lecturer at University of Applied Arts Vienna, Austria. His projects probe the interconnectivity of the fields of art, technology and science. From 2010 to 2013 he has been artist in residence at the Instituto da Medicina Molecular (IMM), Lisbon. From 2003 to 2009, Turk worked together with Paulo Pereira, head of the Department of Ophthalmology at Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI) at the Universidade de Coimbra. In recent years, his work has been shown at venues such as the Museum of Applied Arts, Vienna, the Seoul Museum of Art, South Corea, the Neues Museum Weserburg in Bremen, the Media Art Laboratory TESLA Berlin, the Galerie Georg Kargl in Vienna and the Transmediale in Berlin, to mention only these. Herwig Turk is currently working on a monographic exhibition for the Carinthian Museum of Modern Art (MMKK), in Klagenfurt, Austria.

Pedro Casaleiro is a museologist of the Science Museum, Coimbra University, Professor of museology in the Faculty of Arts of the same university, and co-editor of MIDAS. He has expertise in coordinating projects of new museums, developing work in the areas of collections management, visitor studies, contents and exhibition development. Holds a PhD in Museum Studies (University of Leicester, UK), an MSc also in Museums in the same University, his first degree is in Biology at Lisbon University. Pedro Casaleiro worked in the National Museum of Natural History and Science in Lisbon, Lisbon Expo’98 Pavilion of the Future, Pavilion of Knowledge Ciência Viva, and since 2003 while involved in the project of the Science Museum that started with the Laboratorio Chimico, he has been dedicated to the issues of science communication and science and art. He participated in several international projects including the Portuguese Pavilion at Expo Zaragoza 2008, as a member of the scientific council, and contents advisor of the Portuguese Pavilion in Shanghai, Expo 2010.

***

La revista MIDAS – Museos y Estudios Interdisciplinarios invita a colaborar en el quinto número, que incluye un dossier temático: “Ciencia y Arte, SciArt: Museos, Laboratorios, Científicos y Artistas”, coordinado por Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa), Pedro Casaleiro (Museu da Ciência da Universidade de Coimbra) e Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Los artículos sometidos pasan por un riguroso proceso de selección, basado en la revisión por pares de carácter independiente (blind review). Los artículos no deben exceder las 6000 palabras (sin incluir bibliografía), o aproximadamente 40.000 caracteres (incluyendo espacios). Se debe seguir la estructura clásica de un artículo académico. Los artículos incluyen resumen y abstract, palabras clave y la nota biográfica del autor(s).

El call for papers se encuentra abierto hasta al día 31 de Octubre de 2014. Para la presentación de propuestas escribir para: revistamidas@gmail.com

Más información: http://midas.revues.org/395

Ciencia y Arte, SciArt: Museos, Laboratorios, Científicos y Artistas

La colaboración entre científicos y artistas en un proyecto para producir una obra de arte que puede comunicar ciencia se llama SciArt. “Este encuentro entre dos formas de [producción] de conocimiento, las ciencias humanas relacionadas con la investigación cualitativa y la ciencia relacionada con la investigación cuantitativa, trata de conciliar puntos de vista opuestos, lo que lleva a superar sus diferencias y resulta en un enriquecimiento mutuo.” Diríamos incluso la creación de una nueva dimensión, integrada en una lógica de coproducción.

Superada la fase de representación de la ciencia por el arte, aunque a través de una relación crítica y poética se basaba esencialmente en la forma, se pasó a la fusión de la ciencia y el arte. ¿Seran los artistas que se hacen los científicos al utilizar el conocimiento científico como media de creación, o los científicos que se convierten en artistas al crear arte usando la ciencia? Esta colaboración implica compartir, e implica a menudo la necesidad de facilitación y mediación.

Con este reto queremos impulsar la producción de artículos que echen una mirada crítica sobre la trayectoria creativa de la interacción de la ciencia con el arte, para crear un media mientras proceso de co-producción.

Temáticas

Se destacan tres líneas preferentes de análisis:

– las relaciones de trabajo entre artistas, científicos y mediadores de la ciencia en el proceso de creación artística;

– el museo, la galería de la ciencia y el arte, el centro de investigación, el laboratorio como espacios donde estas obras encuentran su lugar y su significado específico;

– El significado de estas obras en el contexto de la comunicación de la ciencia en el museo.

Editores invitados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.