Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Publicação de Varia e dossier temático “Museus e Participação Biográfica”

Capa do 3.º número da MIDAS
Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils. Arranjo gráfico da capa, por Elisa Noronha Nascimento

O terceiro número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Este número incorpora a secção Varia e o dossier temático  «Museos y Participación Biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico», sob a coordenação de María Acaso e Andrea De Pascual, além das secções habituais: notações (pequenos artigos) e recensões críticas; cuja estrutura se irá manter nos próximos números.

Para a secção Varia foram selecionados cinco artigos de temáticas diversas. Os dois primeiros textos incidem sobre museus de arte contemporânea. No caso de Elisa N. Nascimento, o artigo resulta da sua tese de doutoramento, um estudo em torno de três estudos de caso: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), no Brasil. E Emília Ferreira traça o percurso e o trabalho desenvolvido pela Casa da Cerca-Centro de Arte Contemporânea, em Almada. O artigo de Teresa Azevedo também se insere no contexto dos museus de arte, ainda que a autora reflicta sobre a noção de atelier de artista e a sua musealização. Rui Mourão cruza a arte e a antropologia a partir do estudo das danças de Carnaval da ilha da Terceira, e do qual resultou uma exposição que passou por vários museus. Por fim, Irene Vaquinhas analisa o desenvolvimento dos museus da mulher no contexto internacional.

O dossier temático inclui quatro artigos e um texto introdutório das coordenadoras. Como referem María Acaso e Andrea De Pascual:

«En el conjunto de artículos de este dossier temático de la revista MIDAS se pueden encontrar otras metodologías para el diálogo y el empoderamiento, formas transformadoras de comisariado, producción cultural y del uso de la exposición como dispositivo, estrategias enfocadas a la incorporación de diferentes voces y biografías en el discurso institucional que derrumban la antigua hegemonía cultural y abren paso a nuevas identidades culturales en el museo. Ya en el 2011 Acaso lanzaba la pregunta “¿cómo cambiar el paradigma modernista en el que la educación se encuentra anclada y conectar con la realidad social posmoderna, transformando el museo de meta a micronarrativa?”» (parágrafo 10)

Em «Un quehacer cotidiano», David Lanau e Eva Morales dão a conhecer um projecto de mediação cultural em que se deu relevo e importância à incorporação e produção de conhecimento pelos participantes nas visitas guiadas da exposição homónima. Luciano Buchmann, em «Escolares nos Museus» reflecte sobre as visitas escolares nos museus brasileiros e sobre a necessidade de repensar a relação entre estudantes, museus e professores. O artigo «Ocupe o museu» de Manuelina Cândido e Nei Clara de Lima reflecte sobre a participação da população na concepção e no desenvolvimento de uma exposição no sentido de uma museologia mais participativa e inclusiva. Por último, «O projeto picar o ponto» de Roberto Leite e Célia Tavares apresentam o trabalho desenvolvido no âmbito da recolha de memórias dos antigos trabalhadores da Fábrica Robinson (Portalegre), entretanto musealizada.

A secção Notações incorpora três projectos em curso. LUPA é um projecto educativo que está a ser desenvolvido na cidade de Castelo Branco; e o projecto Do Museu ao Bairro promove a relação entre os habitantes do Bairro da Madragoa (Lisboa) e o Museu das Comunicações. Por fim, o Entroncamento de Histórias do Museu Nacional Ferroviário (Entroncamento) dá conta do processo de recolha de memórias de antigos operários ligados aos caminhos de ferro.

Na secção de recensões críticas destacam-se seis publicações ligadas à museologia e ao património no contexto nacional e internacional.

Todos os textos e artigos estão disponíveis na íntegra no website da revista: http://midas.revues.org.

Colaborações neste número: Elisa Noronha Nascimento (arranjo gráfico capa), Cristina Oliveira (conteúdos website) e Inês Fialho Brandão (revisão inglês).

Alexandre Farto aka Vhils e o “Museu em Ruínas”

Capa do 3.º número da MIDAS
Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils 

Prestes a publicar o 3.º número da MIDAS, destacamos a imagem que faz a capa desta edição. A capa inspira-se no trabalho do artista português Alexandre Farto aka Vhils. A imagem é um detalhe da intervenção do artista na exposição Museu em Ruínas realizada no Museu de Arte Contemporânea de Elvas, em 2011. No seguimento das capas anteriores, escolhemos uma imagem que sugere a problematização do museu e a sua relação com o mundo.

Agradecemos ao Alexandre Farto pela cedência da imagem e à Elisa Noronha Nascimento pelo arranjo gráfico da capa.

Sobre o artista:

Alexandre Farto (1987), tem estado a interagir visualmente com o meio urbano sob o nome de Vhils desde que se iniciou no graffiti no começo da década de 2000. Tendo crescido no subúrbio industrial do Seixal, foi fortemente influenciado pelas transformações decorrentes do intenso desenvolvimento urbano que Portugal sofreu nas décadas de 1980 e 1990. Começou a trabalhar com a técnica de stencil e suportes não convencionais por volta de 2004, assim como a expor o seu trabalho com o colectivo VSP. Em 2006, juntou-se à prestigiada Vera Cortês Agência de Arte, que levou à sua participação em várias exposições colectivas e à sua primeira exposição individual no início de 2008. Mudou-se para Londres em 2007 para estudar na University of the Arts (Central St Martins College of Art and Design). Em 2008, participou no Cans Festival, em Londres, onde a sua inovadora técnica de escavação – que forma a base da série “Scratching the Surface” – foi exposta a um público internacional pela primeira vez, tendo sido aclamada pela crítica. Tem estado a apresentar o seu trabalho em festivais de arte urbana, exposições individuais e colectivas e intervenções site-specific à volta do mundo desde então. Um ávido experimentalista, tem desenvolvido a sua estética do vandalismo numa multiplicidade de suportes – da pintura stencil à escavação de paredes, de explosões pirotécnicas à modelação 3D – expandindo os limites da expressão visual. Vhils trabalha actualmente com a Lazarides Gallery (Reino Unido), Vera Cortês Agência de Arte (Portugal), e Magda Danysz Gallery (França e China). www.alexandrefarto.com