Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.