Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Publicado dossier sobre “Museus, discurso e poder”

midas6_b
“A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim, AIM #013 2010/16, 100 x 120 cm, 5+2 PA. © João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

O sexto número da MIDAS inclui um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso e Poder” e ainda quatro notações relativas a projectos.

O dossier foi coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e por Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, como realçaram os coordenadores.

****

MIDAS 06 | 2016
Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.