MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.

Museus sob diferentes ângulos: uma proposta para as capas da MIDAS

Enquanto são afinadas as últimas questões para a publicação dos primeiros números da MIDAS e a preparação do novo website, aproveitamos para apresentar a nossa proposta para as capas do primeiro e segundo número.

Durante a pesquisa de imagens que poderiam dialogar com os objetivos e inquietações que animam a revista MIDAS, pensámos que as capas poderiam ser caracterizadas como uma espécie de sessão especial da revista, ou melhor, que poderiam ser mais que um espaço alusivo às discussões presentes em cada volume, configurando-se elas próprias como um espaço de reflexividade crítica. Porém, um outro tipo de reflexão que não a científica e textual, e sim a artística e imagética.

Assim, escolhemos para as capas da revista imagens de obras de artistas contemporâneos que incitam ou partem de um olhar crítico sobre o museu na sua relação com o mundo, trazendo para esta plataforma de discussão mais uma voz sobre os museus e suas práticas.

E é com entusiasmo que apresentamos nas capas dos dois primeiros números da revista MIDAS, imagens das obras dos artistas portugueses João Ferro Martins e Catarina Botelho, aos quais agradecemos publicamente a sua colaboração.

A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet' João Ferro Martins, Lisboa 2012 Créditos da imagem: © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'”
João Ferro Martins, Lisboa 2012
Créditos da imagem: © João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

João Ferro Martins nasceu em 1979 em Santarém. Frequentou na Escola Superior de Artes e Design (Caldas da Rainha) o curso de Artes Plásticas, dando início ao seu trabalho em pintura, desenho e fotografia. Reside em Lisboa desde 2003, onde a sua obra ganha presença tridimensional e sonora. Desenvolve também inúmeras ações que envolvem música, performance e vídeo. Participou em diversos eventos dos quais se destacam: “I wish this was a song, Music in Contemporary Art”, Nasjonalmuseet, Museet for samtidskunst, Oslo; “MNAA Olhares Contemporâneos”, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa; “Junho das Artes”, Museu Municipal de Óbidos; “A secreta vida das palavras”, Centro de Artes de Sines; “Bosch Young Talent Show (BYTS)”, Academy for Art and Design AKV s-Hertogenbosch, the Netherlands; “Correspondência #1”, Luísa Cunha/João Ferro Martins, Arte Contempo, Lisboa; “7 Artistas ao 10º Mês”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; entre outros (cf. http://joaoferromartins.blogspot.pt).

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

Catarina Botelho licencia-se em pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa em 2004 e, em 2008, integra o curso de Fotografia do Programa de Criatividade e Criação Artística da Fundação Calouste Gulbenkian. Vence o prémio BESrevelação em 2007 e em 2011 é nomeada para o prémio EDP Novos Artistas. Em 2012 é selecionada para o European Photo Exhibition Award e vence a convocatória aberta da Galeria espanhola Elba Benitez para a photoespanha. Expôs, entre outros locais, na Casa de Serralves, no Porto; Haus der Photographie em Hamburgo; Galeria Elba Benitez, em Madrid. (cf. http://catarina-botelho.blogspot.pt)

***

Post de Elisa Noronha