Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Publicado dossier sobre “Museus, discurso e poder”

midas6_b
“A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim, AIM #013 2010/16, 100 x 120 cm, 5+2 PA. © João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

O sexto número da MIDAS inclui um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso e Poder” e ainda quatro notações relativas a projectos.

O dossier foi coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e por Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, como realçaram os coordenadores.

****

MIDAS 06 | 2016
Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Última chamada para 6.º número da MIDAS

museus discurso e poder

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (http://midas.revues.orgtem até dia 31 de Março uma chamada aberta para o 6.º número. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos para secção “Varia” (não temática), até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras
– artigos para o dossier temático: “Museus, Discurso e Poder” (coord. Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith), até 6 000 palavras
Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações em: http://midas.revues.org/622

DOSSIER TEMÁTICO: Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.