Publicado dossier sobre “Museus, discurso e poder”

midas6_b
“A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim, AIM #013 2010/16, 100 x 120 cm, 5+2 PA. © João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

O sexto número da MIDAS inclui um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso e Poder” e ainda quatro notações relativas a projectos.

O dossier foi coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e por Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, como realçaram os coordenadores.

****

MIDAS 06 | 2016
Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Call for Papers MIDAS#N6 Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012
Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015. Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

****

MIDAS – Museum Interdisciplinary Studies is launching a call for papers for issue 6 for publication in Autumn 2015. This issue will include a thematic dossier under the theme “Museums, Discourse and Power” with Paulo Simões Rodrigues (University of Évora, Portugal), and Laurajane Smith (Australian National University) as guest editors.

All accepted articles will undergo a double peer-review. Articles should not exceed 6 000 words (without bibliography) or ca. 40 000 characters (with spaces). It must follow the classical structure of an academic paper. Articles should include abstract, keywords and the biography of the author(s). More information at: http://midas.revues.org/390?lang=en

Deadline: March 31st, 2015. Send your text to: revistamidas@gmail.com

Museums, Discourse and Power

Throughout their History, museums have established discourses about the cultural significance of their collections through the selection, reception, classification, cataloguing, and exhibition of objects. These discourses were – and still are – determinant for the creation of collective memories as well as for establishing the ways in which societies deal with the past in the present. They also contribute actively to shape social, moral, political and ideological values. By doing so, museums were and are not only institutions of power but also instruments of power. With the theme “Museums, Discourse and Power”, we intend to gather and publish a group of articles about the relation between Museums and Power, and about the relevance of that relation in the past as well as for contemporary societies.

Themes

Priority will be given to articles, which approach the theme according to the following topics:

– Museums and Globalization;
– Museums and Post-Colonialism;
– Museums and National Identities;
– Museums and Immigrations, Emigrations and Migrations;
– Museums and Cultural and Heritage Politics;
– Museums and Propaganda;
– Museums and Education;
– Museums and their Communities;
– Museums from the Point of View of their Users (includes visitor studies, community, critiques, etc.);
– Museums, Art and Historiography;
– Museums, Art and Gender;
– Museums and Patronage;
– Museums and Communication;
– Museums and Technology.

Brief CVs of guest editors:

Paulo Simões Rodrigues has a PhD in Art History by the University of Évora (Portugal) and a Master in Art History by New University of Lisbon. Integrated Researcher of the Centre for the History of Art and Artistic Research (CHAIA) of the University of Évora, member of the Centre HERCULES – Cultural Heritage, Studies and Conservation, and Assistant Professor of the History department of the same university. At the present time is director of CHAIA, of the Museology master and assistant director of the Art History PhD course. Main scientific research areas: Art History and Art Theory of the 19th and 20th centuries, Art Historiography, History of Architecture and Urbanism (19th and 20th centuries), Heritage History and Theory. Current research projects: City and Spectacle: a vision of pre-earthquake Lisbon (a virtual recreation, with Second Life Technology, of the city of Lisbon destroyed by the 1755 earthquake; Connecting Cities, online platform dedicated to the History Architecture and Urbanism (CHAIA).

Laurajane Smith is professor and head of the Centre of Heritage and Museum Studies, School of Archaeology and Anthropology, the Australian National University. She previously held positions at the University of York, UK, the University of New South Wales, Sydney, Charles Sturt University, Albury-Wodonga, Australia. Her research interests include understanding heritage as a performative process. She has authored Uses of Heritage (2006) and Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), and co-authored Heritage, Communities and Archaeology (2009, with Emma Waterton). Her edited books include Heritage, Labour and the Working Classes (2011, with Paul A. Shackel and Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, with G. Cubitt, R. Wilson and K. Fouseki), and Intangible Heritage (2009, with Natsuko Akagawa), all with Routledge. She is editor of the International Journal of Heritage Studies and co-general editor (with William Logan) of the Routledge Series Key Issues in Cultural Heritage.

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.

Um logótipo para a MIDAS

Logótipo MIDAS. Créditos: Ana Sofia Margarido
© Ana Sofia Margarido

 

Na recta final da apresentação pública dos primeiros números da revista aproveitamos para divulgar o logótipo da revista MIDAS. Após um concurso de ideias realizado com os alunos do curso de Design da Universidade de Évora apurou-se uma proposta vencedora. A escolha recaiu sobre o logótipo apresentado por Ana Sofia Margarido, que receberá um prémio da Universidade.

Ficam os devidos gradecimentos a todos os alunos que colaboraram: Patrícia Patão, Inês Soares, Inês Nico, Inês Ambrósio, Cristina Brazio, Carina Morgado, Ana Trindade, Ana Garcia e Ana Catita. Um agradecimento especial a Tiago Navarro Marques (Director do Mestrado em Design da Escola de Artes da Universidade de Évora) que acompanhou todo o processo de criação com os alunos e a Paulo Simões Rodrigues (Director do CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística) que tornou possível esta colaboração.

1.ª Chamada de artigos da revista MIDAS

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares convida todos os que trabalham em museus e sobre museus a colaborar no primeiro número.

MIDAS é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro (Ler mais)

A revista é editada por Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA -Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

O primeiro número da revista não é temático, sendo possível submeter artigos que se situem nas mais diversas áreas da museologia.

Submissão de artigos:

  • Artigos até 6 000 palavras ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Recensões (livros ou exposições) até 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Artigos em Português, Inglês, Espanhol e Francês
  • Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style

Ler mais sobre as normas de publicação aqui

Data limite para a submissão de artigos e recensões: 31 de Março de 2012

Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: revistamidas@gmail.com

Para mais informações sobre a revista e sobre a submissão de artigos pode consultar as várias secções deste blogue, que apresentam informação mais detalhada. Para qualquer esclarecimento pode sempre contactar-nos através de e-mail.

revistamidas

Este é o blogue da revista MIDAS, uma revista dedicada aos museus, enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar. Trata-se de uma publicação com arbitragem científica, de carácter semestral e de livre acesso. Este blogue publica informações sobre a revista (ex. chamadas para artigos, lançamento de novos números e outros eventos.

Este es el blog de la revista MIDAS, una revista dedicada a los museos, como campo de trabajo y reflexión interdisciplinar. Se trata de una publicación científica semestral con sistema de peer-review y en forma electrónica. Este blog publica información sobre la revista (por ejemplo, las llamadas de artículos, nuevos números y otros eventos.

This is MIDAS journal blog, a journal dedicated to museums, as a field of interdisciplinary work and reflection. This is a peer reviewed academic journal and is open access, published two times a year. The blog publishes information about the journal (ex. Call for papers; new issues and other events.