Novo número: “Varia” e Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Na imagem vê-se uma vitrine com folhagens e um réptil
Imagem de pormenor da obra “Conviver” (“To Coexist”) de Marta de Menezes na exposição colectiva “Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento” realizada na Reitoria da Universidade do Porto de 27 de janeiro a 30 de junho de 2007. Exposição comissariada por Paulo Cunha e Silva.

Acaba de publicar-se o 5.º número da MIDAS. Inclui 9 artigos, 2 Notações e 4 recensões críticas: http://midas.revues.org/759

Destaca-se o dossier dedicado à “Ciência e arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, coordenado por Marta Agostinho (comunicadora e gestora de ciência) e Pedro Casaleiro (museólogo).  «Ao promover este dossier, quisemos criar (mais) um espaço de reflexão sobre a SciArt desenvolvida, quer em Portugal, quer internacionalmente. O conjunto de trabalhos publicados (…) reflete em parte uma realidade composta por projetos ora investigativos, ora artísticos, ora de âmbito comunicacional, portanto de raiz diversa, ao mesmo tempo relevantes e entusiasmantes do ponto de vista da arte e ciência», sublinham os coordenadores do dossier.

A capa da revista MIDAS deste número destaca uma das obras (Conviver, 2007) de Marta de Menezes, uma das mais relevantes artistas portuguesas a trabalhar na interseção entre arte e biologia. Com esta escolha para a capa pretendeu-se instigar uma reflexão ou discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade. Na obra Conviver, Marta de Menezes reflecte sobre bioarte e as coleções dos museus. Nas palavras da autora:

«Conviver recria um ecossistema biológico no âmbito de uma coleção museológica. Exibe a própria vida, em oposição às representações do que é vivo. Confronta o detalhe e o particular – seja a célula, o órgão ou o ser vivo – com o global – o ecossistema.

Conviver proporciona a oportunidade para uma real interação entre o espectador e a obra de arte, em que, devido à sua natureza não é apenas dinâmico mas também imprevisível. Será que os museus e os depósitos deste novo século proporcionam condições para as obras de arte literalmente vivas? Uma coleção, um depósito, um museu: tradicionalmente compreendem conjuntos de objetos inanimados, e catalogados, que podem ser exibidos ao público, ou guardados ordenadamente num lugar escuro.

A componente viva das coleções, depósitos ou museus são os seres humanos que interagem com os objetos: limpando, selecionando, restaurando ou simplesmente contemplando. Mesmo as coleções zoológicas e botânicas consistem em representações de que é vivo, ou a preservação do que já o foi.

Nos últimos anos, os avanços na biologia molecular permitiram a modificação, patenteação e inclusive o uso artístico de genes, linhas celulares ou ainda organismos vivos. Vários museus e galerias de todo o mundo têm vindo a expor obras de arte biológicas, embora alguns deles – mais tradicionais – optem por apresentar registos documentais de obras vivas, seguindo a tradição das coleções zoológicas e botânicas. Esta coexistência de uma obra de arte viva com uma coleção museológica incita a uma reflexão sobre a evolução do conceito de museu de arte num momento histórico marcado pela revolução das tecnologias de informação e da biotecnologia.»

MIDAS 05:

Varia               

José Manuel Brandão, Liliana Póvoas e César Lopes
Geologia colonial: o protagonismo do museu da “Politécnica de Lisboa”

Maria João Mota
Uma experiência na área das reservas de têxteis

Dossier temático: «Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas», sob a coordenação de Marta Agostinho e Pedro Casaleiro

Marta Agostinho e Pedro Casaleiro
Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas

Camille Prunet
Liaisons entre art et science: les spécificités de l’art biotechnologique

Joana Ricou e Rob Dunn
Identidades híbridas: explorando individualidade e conetividade através do microbioma

Maria Manuela Lopes
Intertwined artistic practices: critical remarks on collaboration across fields of knowledge

Cristina Barros Oliveira
A relação entre arte e ciência na bioarte: estudo do caso da obra Nature? (1999-2000) de Marta de Menezes

Sandra Santos
Crossing borders: the path of photomicrography towards artistic recognition

Diana Marques e Robert Costello
Skin & bones: an artistic repair of a science exhibition by a mobile app

Notações

José Pintado Valverde
Neuston. Experimento 1. Explorando a interface. Uma experiência de diálogo entre ciência e arte no âmbito marinho

Ana Noronha e Gonçalo Praça
Programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia

Recensões críticas

Matthew Mackisack
Discoveries: Art, Science & Exploration [exposição]

Inês Ferreira
Linda Norris e Rainey Tisdale – Creativity in Museum Practice

Juliana Rodrigues Alves
Manuelina Maria Duarte Cândido – Gestão de Museus, um Desafio Contemporâneo: Diagnóstico Museológico e Planejamento

Sofia Romualdo
Jean-Paul Martinon (ed.) – The Curatorial: A Philosophy of Curating

Call for papers MIDAS#N5: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Installation view, “TURN AND WIDEN”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 Herwig Turk
Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

 

Encontra-se aberto o call for papers para o 5.º número da revista MIDAS a ser publicado na primavera de 2015. Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas e Notações (pequenos artigos, projetos) este número vai incluir um dossier sobre o tema: “Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas”, coordenado por Marta Agostinho, Pedro Casaleiro e Herwig Turk.

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2014 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

DOSSIER TEMÁTICO: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

TEMAS A DESENVOLVER

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

– as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

– o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

– o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

EDITORES convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

***

MIDAS – Museum Interdisciplinary Studies is launching a call for papers for issue 5 for publication in Spring 2015. This issue will include a thematic dossier under the theme “Science and Art, SciArt: Museums, Laboratories, Scientists and Artists” with Marta Agostinho, Pedro Casaleiro and Herwig Turk as guest editors.

All accepted articles will undergo a double peer-review. Articles should not exceed 6 000 words (without bibliography) or ca. 40 000 characters (with spaces). It must follow the classical structure of an academic paper. Articles should include abstract, keywords and the biography of the author(s). More information at: http://midas.revues.org/390?lang=en

Deadline: October 31, 2014. Send your text to: revistamidas@gmail.com

Science and Art, SciArt: Museums, Laboratories, Scientists and Artists

The partnership between scientists and artists in a project to produce a work of art that may communicate science is called SciART. “The meeting between two forms of [production] of knowledge, by the humanities more related to qualitative research, and by science more linked to quantitative research, seeks to reconcile opposing views, leading to transcend their differences, from which results in a mutual enrichment.” One could say that it creates a new dimension, framed on a basis of co-production.

After a phase when art was limited to a representation of science, in a relationship, which despite critical and poetic was essentially based on the form, we switched to the fusion of science and art. Are we dealing with artists who become scientists using scientific knowledge as a creation media, or before scientists who become artists while creating art using science? This collaboration involves sharing and often the need for facilitation and mediation.

With this challenge we aim at the production of articles that cast a critical eye on the creative path of the interaction of science with art to create a media as a co-production process.

Themes

We highlight three preferred approaches for analysis:

– the working relationships between artists, scientists and mediators of science in the process of artistic creation;

– the museum, the gallery of science and art, the centre for research, the laboratory as venues where the works find their specific place and significance;

– the significance of these works in the museum context of science communication.

Brief CVs of guest editors:

Marta Agostinho is a science communicator. She has expertise in coordinating national and international projects of outreach, public dialogue with science, SciArt, strategic communication and research management. Marta has a PhD in Biomedical Sciences (Universidade de Lisboa, Portugal) and a post graduation in Science Communication (Open University, UK). She has been involved in the creation of the Communications and Advanced Training Unit of Instituto de Medicina Molecular (IMM) in Lisbon, acting as Unit Director and leading the Science In Society and Strategic Communication programmes (2007-2012). Currently at the coordination of a wide European consortia and teacher of advanced training modules in Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Nova de Lisboa, Marta Agostinho is also expert evaluator for the European Commission (FP7; H2020). Marta got involved with SciArt at IMM as tutor of an artistic residency and has not stopped since then, having collaborated with the artist Herwig Turk in projects such as “The conversation that never took place”, “Tacit Knowledge #1/2” and “Hands-on”.

Herwig Turk is a SciArt artist and Lecturer at University of Applied Arts Vienna, Austria. His projects probe the interconnectivity of the fields of art, technology and science. From 2010 to 2013 he has been artist in residence at the Instituto da Medicina Molecular (IMM), Lisbon. From 2003 to 2009, Turk worked together with Paulo Pereira, head of the Department of Ophthalmology at Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI) at the Universidade de Coimbra. In recent years, his work has been shown at venues such as the Museum of Applied Arts, Vienna, the Seoul Museum of Art, South Corea, the Neues Museum Weserburg in Bremen, the Media Art Laboratory TESLA Berlin, the Galerie Georg Kargl in Vienna and the Transmediale in Berlin, to mention only these. Herwig Turk is currently working on a monographic exhibition for the Carinthian Museum of Modern Art (MMKK), in Klagenfurt, Austria.

Pedro Casaleiro is a museologist of the Science Museum, Coimbra University, Professor of museology in the Faculty of Arts of the same university, and co-editor of MIDAS. He has expertise in coordinating projects of new museums, developing work in the areas of collections management, visitor studies, contents and exhibition development. Holds a PhD in Museum Studies (University of Leicester, UK), an MSc also in Museums in the same University, his first degree is in Biology at Lisbon University. Pedro Casaleiro worked in the National Museum of Natural History and Science in Lisbon, Lisbon Expo’98 Pavilion of the Future, Pavilion of Knowledge Ciência Viva, and since 2003 while involved in the project of the Science Museum that started with the Laboratorio Chimico, he has been dedicated to the issues of science communication and science and art. He participated in several international projects including the Portuguese Pavilion at Expo Zaragoza 2008, as a member of the scientific council, and contents advisor of the Portuguese Pavilion in Shanghai, Expo 2010.

***

La revista MIDAS – Museos y Estudios Interdisciplinarios invita a colaborar en el quinto número, que incluye un dossier temático: “Ciencia y Arte, SciArt: Museos, Laboratorios, Científicos y Artistas”, coordinado por Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa), Pedro Casaleiro (Museu da Ciência da Universidade de Coimbra) e Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Los artículos sometidos pasan por un riguroso proceso de selección, basado en la revisión por pares de carácter independiente (blind review). Los artículos no deben exceder las 6000 palabras (sin incluir bibliografía), o aproximadamente 40.000 caracteres (incluyendo espacios). Se debe seguir la estructura clásica de un artículo académico. Los artículos incluyen resumen y abstract, palabras clave y la nota biográfica del autor(s).

El call for papers se encuentra abierto hasta al día 31 de Octubre de 2014. Para la presentación de propuestas escribir para: revistamidas@gmail.com

Más información: http://midas.revues.org/395

Ciencia y Arte, SciArt: Museos, Laboratorios, Científicos y Artistas

La colaboración entre científicos y artistas en un proyecto para producir una obra de arte que puede comunicar ciencia se llama SciArt. “Este encuentro entre dos formas de [producción] de conocimiento, las ciencias humanas relacionadas con la investigación cualitativa y la ciencia relacionada con la investigación cuantitativa, trata de conciliar puntos de vista opuestos, lo que lleva a superar sus diferencias y resulta en un enriquecimiento mutuo.” Diríamos incluso la creación de una nueva dimensión, integrada en una lógica de coproducción.

Superada la fase de representación de la ciencia por el arte, aunque a través de una relación crítica y poética se basaba esencialmente en la forma, se pasó a la fusión de la ciencia y el arte. ¿Seran los artistas que se hacen los científicos al utilizar el conocimiento científico como media de creación, o los científicos que se convierten en artistas al crear arte usando la ciencia? Esta colaboración implica compartir, e implica a menudo la necesidad de facilitación y mediación.

Con este reto queremos impulsar la producción de artículos que echen una mirada crítica sobre la trayectoria creativa de la interacción de la ciencia con el arte, para crear un media mientras proceso de co-producción.

Temáticas

Se destacan tres líneas preferentes de análisis:

– las relaciones de trabajo entre artistas, científicos y mediadores de la ciencia en el proceso de creación artística;

– el museo, la galería de la ciencia y el arte, el centro de investigación, el laboratorio como espacios donde estas obras encuentran su lugar y su significado específico;

– El significado de estas obras en el contexto de la comunicación de la ciencia en el museo.

Editores invitados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.

1.ª Chamada de artigos da revista MIDAS

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares convida todos os que trabalham em museus e sobre museus a colaborar no primeiro número.

MIDAS é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro (Ler mais)

A revista é editada por Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA -Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

O primeiro número da revista não é temático, sendo possível submeter artigos que se situem nas mais diversas áreas da museologia.

Submissão de artigos:

  • Artigos até 6 000 palavras ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Recensões (livros ou exposições) até 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Artigos em Português, Inglês, Espanhol e Francês
  • Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style

Ler mais sobre as normas de publicação aqui

Data limite para a submissão de artigos e recensões: 31 de Março de 2012

Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: revistamidas@gmail.com

Para mais informações sobre a revista e sobre a submissão de artigos pode consultar as várias secções deste blogue, que apresentam informação mais detalhada. Para qualquer esclarecimento pode sempre contactar-nos através de e-mail.

revistamidas

Este é o blogue da revista MIDAS, uma revista dedicada aos museus, enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar. Trata-se de uma publicação com arbitragem científica, de carácter semestral e de livre acesso. Este blogue publica informações sobre a revista (ex. chamadas para artigos, lançamento de novos números e outros eventos.

Este es el blog de la revista MIDAS, una revista dedicada a los museos, como campo de trabajo y reflexión interdisciplinar. Se trata de una publicación científica semestral con sistema de peer-review y en forma electrónica. Este blog publica información sobre la revista (por ejemplo, las llamadas de artículos, nuevos números y otros eventos.

This is MIDAS journal blog, a journal dedicated to museums, as a field of interdisciplinary work and reflection. This is a peer reviewed academic journal and is open access, published two times a year. The blog publishes information about the journal (ex. Call for papers; new issues and other events.