Novo call for papers: Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Casa da Memória
Casa da Memória/Contextil 2014/Guimarães. Agosto 2014 © Paulo Duarte

Encontra-se aberto o call for papers para o 8.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado em Junho de 2017. Este número é subordinado ao tema: “Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários” e é coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2017 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Nota: Em Março de 2017 a MIDAS abre novo call for papers direccionado para o 9.º número (“Varia”) a publicar ainda em 2017 e um call for papers para propostas de dossiers temáticos (publicação em 2018).

Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Os objetos estão de volta à teoria social contemporânea com uma nova força. Seja na forma de bens de consumo, tecnologias de comunicação, obras de arte ou mesmo de espaços urbanos, um novo mundo de materialidades e objetividades surge agora com uma urgência que os transformou em novos lugares de questionamento e reflexão. Se as visões pós-estruturalistas e construtivistas de caráter mais radical tenderam a liquefazer tudo o que era sólido, agora é precisamente a solidez do que nos rodeia que nos capta a atenção, levando-nos, por exemplo, a atentar no imediatismo sensorial dos objetos com que vivemos, trabalhamos e conversamos; amamos e odiamos. A materialidade volta a ocupar um lugar central no discurso e na prática museológica e patrimonial, re-imaginando, a cada passo, o que de facto constitui esta materialidade.

Diferentes abordagens no âmbito da Museologia, antropologia, geografia, cultura material, estudos de ciência e tecnologia, design, sociologia do consumo e da cultura – para nomear apenas algumas –, apontam para uma compreensão da capacidade performativa e integradora dos objetos para ajudar a construir aquilo a que chamamos sociedade. Novas abordagens em relação à cultura material e visual, ao estudo de artefactos e das histórias enredadas de coleções apresentam o museu como um laboratório e a coleção como uma tecnologia de pesquisa. Importantes projetos interdisciplinares utilizam as coleções como forma de aproximação a questões mais amplas relacionadas com a arte, a cultura, a história ou mesmo com o meio ambiente. Métodos que nos chegam dos estudos literários, por exemplo, desenham abordagens para analisar objetos de memória bem reveladoras do apetite por novas formas de problematização e enquadramento destes temas. Este enfoque, de caráter mais literário, encontra-se bem patente em muitos trabalhos recentemente publicados, incluindo, Uma História do Mundo em 100 Objetos (MacGregor 2014), A Lebre dos Olhos de Âmbar (De Waal 2010), Objetos Evocativos: Coisas Com Que Pensamos (Turkle 2007), Parafernália: A Vida Curiosa das Coisas Mágicas (Connor 2011), O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo (Kurlansky 2003) ou Biografias de Objetos Científicos (Daston 2000). A abordagem biográfica de objetos levanta questões metodológicas substanciais relacionadas com a sua narrativa, estrutura e cronologia, representação da mudança, influência nas vidas humanas, comunidades e história material e, crucialmente, com a sua interpretação e visibilidade em museus. O estudo de caráter biográfico de objetos tem proporcionado áreas de pesquisa académica extremamente produtivas e inovadoras, incluindo o trabalho de Bill Brown sobre Thing Theory (2001); de Chris Gosden, Frances Larson e Alison Petch (2007) a partir das coleções do Museu Pitt Rivers; e, claro, os ensaios incluídos no volume já clássico editado por Arjun Appadurai, em 1986, nomeadamente sobre o valor e a troca de objetos. Ao concentrar-se mais atentamente na vida social dos objetos e nos seus efeitos expressivos, retroativos ou interpelantes da atividade humana, este número da MIDAS pretende incluir visões transversais entre os vários “novos materialismos”, forjando, ao mesmo tempo, ligações críticas com tropos mais clássicos e temas da história da Museologia.

Para além disso, ao incorporarmos os aspetos intangíveis (históricos, emocionais, espirituais) e relacionais (propriedade, pertença e identidade) dos objetos em museus, abrem-se, ainda, outras possibilidades de exploração que permitem a problematização de abordagens educacionais que representam o museu como contentor de património. Assim, considera-se o património como a relação que ocorre entre bens e pessoas, relação capaz de conectar os bens culturais com a sociedade a que pertence e o tempo legatário. Nessa lógica, os objetos convertem-se numa espécie de portadores de identidade que assume corporeidade através de narrativas, biografias e construções artísticas que se apresentam como uma manifestação do vínculo gerado entre os bens culturais e as pessoas. De resto, a criação de tais ligações não acontece apenas no espaço físico dos museus, mas, e cada vez mais, noutros espaços (incluindo virtuais). Todas estas relações são diferentes formas de manifestação da mesma aproximação: a relação de identidade entre indivíduos ou grupos e elementos patrimoniais.

Um outro enfoque que gostaríamos de incluir neste número da MIDAS, refere-se à relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus. É comum afirmar-se que os objetos facilitam a aprendizagem através do desenvolvimento de competências de observação e questionamento, permitindo conotações emocionais e fazendo com que ideias complexas se tornem compreensíveis. Neste ponto, privilegia-se a apresentação de discussões sobre estes conceitos a partir de investigação baseada, por exemplo, em estudo de casos.

Este número da revista MIDAS faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação. Os tópicos/questões propostas sobrepõem-se parcialmente devendo permitir o confronto de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e a produção de materiais diversificados.

Temas a desenvolver

 Preferencialmente, destacam-se três linhas de análise:

1. Relatos individuais: narrativas, biografias, construções artísticas em torno do objeto musealizado

Os artigos podem, por exemplo, oferecer relatos biográficos de objetos particulares. Textos que reflitam sobre a metodologia de biografias de objetos ou que apresentem projetos existentes relacionados com a vida dos objetos; textos que explorem a relação entre a curadoria e a auto/biografia a partir de objetos; a história dos museus (o museu como artefacto); e quaisquer outras facetas do tema em causa, devidamente justificadas.

2. Internet e redes sociais como cenário para gerar e partilhar os vínculos identitários sujeito-objeto

Através da Internet, os museus têm transformado a forma como se relacionam com os públicos. Geram-se sinergias que promovem uma maior autonomia dos públicos e que criam novos espaços de interação. Que novas formas de espaços sujeito-objeto, museus virtuais e redes sociais têm gerado? Será que este tipo de “extensão relacional” de museus nos permite refletir sobre o tipo de vínculos que estão a criar? Que novas formas de contar e narrar têm surgido e, portanto, que vozes estão a ser ouvidas através desses novos ambientes relacionais? O íntimo, o pessoal, o micro adquire aqui uma dimensão mais relevante, multiplicando-se e construindo conexões mais profundas em relação ao património.

3. A relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus

Qual o “valor acrescentado” que a aprendizagem baseada em objetos nos traz? Que abordagens se utilizam atualmente em museus e que evidências se procuram apresentar? Como podem os especialistas em educação ajudar os museus a falar sobre a aprendizagem baseada em objetos? Como podem os museus utilizar os objetos de forma mais criativa? E como é que essas abordagens diferem de outras para a produção de conhecimento? Qual o impacto, as oportunidades e os desafios do uso da tecnologia digital neste contexto? Que impacto poderá ter, por exemplo, a impressão 3D de objetos digitais para a experiência baseada em objetos? Que potenciais tecnologias poderemos utilizar no futuro? Neste contexto poderiam ainda ser exploradas outro tipo de questões.

Referências Bibliográficas

 Appadurai, Arjun, ed. 1986. The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Brown, Bill. 2001. “Thing Theory.” Critical Inquiry 28, 1, Things (Autumn, 2001): 1-22.

Connor, Steven. 2012. ‘Parafernalia’: La Curiosa Historia de Nuestros Objetos Cotidianos/Paraphernalia: The Curious Life of Magical Things. Barcelona: Editorial Ariel.

Daston, Lorraine, ed. 2000. Biographies of Scientific Objects. Chicago: University of Chicago Press.

De Waal, Edmund. 2012. A Lebre dos Olhos de Âmbar/The Hare with Amber Eyes. 3.ª ed. Porto: Porto Editora/Sextante.

Gosden, Cris; Frances Larson, e Alison Petch. 2007. Knowing Things: Exploring the Collections at the Pitt Rivers Museum, 1884-1945. Oxford: Oxford University Press.

Kurlansky, Mark. 2000. O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo/Cod – A Biography of the Fish That Changed the World. Lisboa: Terramar.

MacGregor, Neil. 2014. Uma História do Mundo em 100 objetos/A History of the World in 100 Objects. Lisboa: Temas e Debates e Círculo de Leitores.

Turkle, Sherry, ed. 2007. Evocative Objects: Things We Think With. Cambridge: MIT Press.

Editores convidados

Alice Semedo

Entre outras funções, tem sido professora de Museologia (desde 1994) e diretora do curso de mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) nos últimos anos. Neste curso leciona disciplinas que demonstram bem os seus diferentes interesses de ensino e investigação: museus e Museologia, estudos e gestão de coleções e, finalmente, políticas e práticas de comunicação em museus. Ultimamente tem centrado a sua atenção, essencialmente, nos seguintes temas: discursos e narrativas museológicas. espaços colaborativos de aprendizagem e a utilização de metodologias criativas/líquidas em contextos museológicos, orientando dissertações de mestrado e doutoramento nestas tão diferentes áreas. No âmbito das suas atividades académicas e profissionais tem procurado envolver-se e desenvolver projetos de diferente natureza, promovendo, por exemplo, a organização de conferências ou a organização/edição de livros; destaca-se, ainda, o seu envolvimento com uma outra revista científica, a Journal Museum Worlds. Nesta breve biografia interessa ainda dizer que começou por se licenciar em História, variante de Arqueologia, na Universidade de Coimbra e optou, depois, por desenvolver os seus estudos de pós-graduação e doutoramento na Universidade de Leicester onde fez, primeiro, um master degree com uma dissertação sobre gestão de coleções, apresentando, mais tarde e sob orientação de Susan Pearce, a tese de doutoramento intitulada The Professional Museumscape: Portuguese Poetics and Politics. Atualmente é também investigadora do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Olaia Fontal

Licenciada en Bellas Artes por la Universidad del País Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea, licenciada en Historia del Arte y doctora en Ciencias de la Educación por la Universidad de Oviedo. Es profesora titular en la Universidad de Valladolid en Educación Artística, autora de numerosos libros y artículos indexados en la temática de la educación patrimonial. Actualmente dirige el Observatorio de Educación Patrimonial en España (OEPE), una sucesión de tres proyectos de I+D+i y es co-coordinadora del Plan Nacional de Educación Patrimonial en España.

Alex Ubañez

Licenciado en Geografía e Historia, y doctor en Ciencias de la Educación, es profesor titular de Universidad de Didáctica de las Ciencias Sociales en la Universidad del País Vasco. Especialista en Educación Patrimonial, y docente de Investigación en Didáctica del Patrimonio en la Universidad de Huelva, ha codirigido cuatro tesis doctorales en este ámbito. Desde 2006, ha participado de manera ininterrumpida en equipos de investigación de proyectos de I+D+i del MINECO, siendo en la actualidad investigador principal en uno. Es miembro de la red de excelencia en investigación de las Ciencias Sociales, Red14 y ha sido redactor de la Plan Nacional de Educación Patrimonial de España.

Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

MIDAS distinguida com prémio APOM 2015

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares foi distinguida pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com o prémio melhor “Trabalho na Área da Museologia”, em ex æquo com a Argo, revista do Museu Marítimo de Ílhavo.

A APOM atribui prémios anualmente a museus e projectos na área da museologia desde 1997 e comemora este ano 50 anos da APOM (1965-2015). A cerimónia de entrega dos prémios de 2015 decorreu na emblemática Sala do Senado da Assembleia da República no passado dia 29 de Maio, tendo sido atribuídos prémios em 26 categorias e várias menções honrosas. A lista de todos os premiados está disponível em: http://bit.ly/1HBQOo3.

A MIDAS foi fundada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Tem até ao momento quatro números publicados (desde 2013): http://midas.revues.org.

Call for Papers MIDAS#N6 Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012
Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015. Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

****

MIDAS – Museum Interdisciplinary Studies is launching a call for papers for issue 6 for publication in Autumn 2015. This issue will include a thematic dossier under the theme “Museums, Discourse and Power” with Paulo Simões Rodrigues (University of Évora, Portugal), and Laurajane Smith (Australian National University) as guest editors.

All accepted articles will undergo a double peer-review. Articles should not exceed 6 000 words (without bibliography) or ca. 40 000 characters (with spaces). It must follow the classical structure of an academic paper. Articles should include abstract, keywords and the biography of the author(s). More information at: http://midas.revues.org/390?lang=en

Deadline: March 31st, 2015. Send your text to: revistamidas@gmail.com

Museums, Discourse and Power

Throughout their History, museums have established discourses about the cultural significance of their collections through the selection, reception, classification, cataloguing, and exhibition of objects. These discourses were – and still are – determinant for the creation of collective memories as well as for establishing the ways in which societies deal with the past in the present. They also contribute actively to shape social, moral, political and ideological values. By doing so, museums were and are not only institutions of power but also instruments of power. With the theme “Museums, Discourse and Power”, we intend to gather and publish a group of articles about the relation between Museums and Power, and about the relevance of that relation in the past as well as for contemporary societies.

Themes

Priority will be given to articles, which approach the theme according to the following topics:

– Museums and Globalization;
– Museums and Post-Colonialism;
– Museums and National Identities;
– Museums and Immigrations, Emigrations and Migrations;
– Museums and Cultural and Heritage Politics;
– Museums and Propaganda;
– Museums and Education;
– Museums and their Communities;
– Museums from the Point of View of their Users (includes visitor studies, community, critiques, etc.);
– Museums, Art and Historiography;
– Museums, Art and Gender;
– Museums and Patronage;
– Museums and Communication;
– Museums and Technology.

Brief CVs of guest editors:

Paulo Simões Rodrigues has a PhD in Art History by the University of Évora (Portugal) and a Master in Art History by New University of Lisbon. Integrated Researcher of the Centre for the History of Art and Artistic Research (CHAIA) of the University of Évora, member of the Centre HERCULES – Cultural Heritage, Studies and Conservation, and Assistant Professor of the History department of the same university. At the present time is director of CHAIA, of the Museology master and assistant director of the Art History PhD course. Main scientific research areas: Art History and Art Theory of the 19th and 20th centuries, Art Historiography, History of Architecture and Urbanism (19th and 20th centuries), Heritage History and Theory. Current research projects: City and Spectacle: a vision of pre-earthquake Lisbon (a virtual recreation, with Second Life Technology, of the city of Lisbon destroyed by the 1755 earthquake; Connecting Cities, online platform dedicated to the History Architecture and Urbanism (CHAIA).

Laurajane Smith is professor and head of the Centre of Heritage and Museum Studies, School of Archaeology and Anthropology, the Australian National University. She previously held positions at the University of York, UK, the University of New South Wales, Sydney, Charles Sturt University, Albury-Wodonga, Australia. Her research interests include understanding heritage as a performative process. She has authored Uses of Heritage (2006) and Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), and co-authored Heritage, Communities and Archaeology (2009, with Emma Waterton). Her edited books include Heritage, Labour and the Working Classes (2011, with Paul A. Shackel and Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, with G. Cubitt, R. Wilson and K. Fouseki), and Intangible Heritage (2009, with Natsuko Akagawa), all with Routledge. She is editor of the International Journal of Heritage Studies and co-general editor (with William Logan) of the Routledge Series Key Issues in Cultural Heritage.

Call for Papers MIDAS#N4 Museus, Utopia e Urbanidade

Crown-Hall-Illinois-Institute-of-Tecnology-Chicago-Illinois-EUA-1950-1956. Foto daqui.
Crown-Hall-Illinois-Institute-of-Tecnology-Chicago-Illinois-EUA-1950-1956. Foto daqui.

Encontra-se aberto o call for papers para o 4.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no final de 2014. Para além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas este número incluirá um dossier sobre o tema – “Museus, Utopia e Urbanidade”, coordenado por Helena Barranha e Nuno Crespo.

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de Março de 2014 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do (s) autor (es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

DOSSIER TEMÁTICO: “Museus, Utopia e Urbanidade” *

 As últimas décadas do século XX foram marcadas por uma inédita mobilização pública e privada, em torno da ideia de que os museus podem constituir poderosos instrumentos de renovação simbólica e funcional das cidades. Multiplicaram-se, por todo o mundo, novos espaços museológicos, ao mesmo tempo que se investia em mediáticas ampliações de instituições de referência.

Contudo, o optimismo associado ao chamado “efeito Bilbau”, amplamente difundido à escala global, depressa foi ensombrado pelo relativo ou absoluto fracasso de projectos com idêntica ambição. Paralelamente, aprofundava-se a reflexão teórica sobre o papel dos museus na sociedade e na cultura contemporânea, com importantes contributos nas áreas da história da arte e da arquitectura, da museologia ou da sociologia. No texto “Du temple de l’art au supermarché de la culture” (1994), Françoise Choay coloca mesmo a questão da inviabilidade do museu na sociedade do lazer e do consumo de massas, identificando um momento histórico paradoxal, de adiado reencontro com o tempo e o espaço, em que o apogeu mediático dos museus se confunde com o seu anunciado declínio.

Para além da inevitável ligação dos museus à cultura e ao desenvolvimento urbano das sociedades, eles possuem um papel fundamental na maneira como são usados como instâncias de reconhecimento das imagens que as comunidades produzem de si mesmas. Assim, o museu é também o lugar onde as comunidades reconhecem as suas linhas de força, as suas características, a sua identidade. E nesta ligação entre museu e identidade, as imagens da imaginação, que os museus devem guardar, são os elementos primitivos de mediação dos homens com o seu meio material e imaterial (Helena Barranha e Nuno Crespo).

TEMAS A DESENVOLVER:

As ideias de museu

  • O museu como utopia inacabada
  • A importância do museu como elemento de resistência e permanência
  • O carácter incompleto dos museus e a necessidade de retomar continuamente a sua origem: os museus e a fixação da história
  • O museu como espaço de ensaio, tentativa e erro
  • O museu como cultura
  • O espectador problemático e o utilizador genérico e deslocalizado do museu: para quem são os museus?

O museu e a cidade

O que é arquitectura de museus?

  • O papel arquitectura de museus em processos de requalificação arquitectónica e urbanística
  • Os museus como obras autorais e elementos marcantes, formadores da paisagem urbana
  • O contributo dos museus para a construção ou redefinição da imagem da cidade
  • Museus para os artistas ou museus para os arquitectos?
  • A representação dos museus, e do seu contexto urbano, nas artes visuais e na literatura
  • Os museus de arquitectura: o que deve mostrar, guardar e estudar um museu de arquitectura? Imagens? Representações? Interpretações?
  • O que é uma estética museológica?
  • O museu como aspiração e vocação urbana
  • A reutilização espacial como programa museológico: os novos espaços da arte

EDITORES convidados:

Helena Barranha é licenciada em Arquitectura (Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, 1995), tem Mestrado Europeu em Gestão do Património Cultural (Universidade do Algarve, em cooperação com a Université de Paris-8, 2001) e Doutoramento em Arquitectura (Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, 2008), com a dissertação Arquitectura de Museus de Arte Contemporânea em Portugal: da intervenção urbana ao desenho do espaço expositivo. É Professora Auxiliar na Secção de Arquitectura do Instituto Superior Técnico (IST) e Investigadora do Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e Construção (ICIST-IST), desde 2003. Colabora, desde 2007, com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do Mestrado em Museologia, onde é responsável pela disciplina de Arquitectura de Museus e Museografia. Foi docente do Departamento de História, Arqueologia e Património, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, da Universidade do Algarve, de 1999 a 2003, e Directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, entre 2009 e 2012. A sua actividade profissional e de investigação centra-se no património arquitectónico, na arte contemporânea e na arquitectura de museus, temas sobre os quais tem apresentado diversas comunicações em conferências nacionais e internacionais.

Nuno Crespo nasceu em Lisboa em 1975, cidade onde vive e trabalha. É licenciado e doutorado em filosofia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e é investigador do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Como curador foi responsável pelas exposições “Fantasmas” de Nuno Cera no CCB (Lisboa), “Corpo Impossível” com Adriana Molder, Noé Sendas, Rui Chafes e Vasco Araujo no Palácio de Queluz, “Encontro Marcado” de Adriana Molder no Museu de Belas Artes de Oviedo (Espanha), pela exposição antológica de Pires Vieira no Museu da Cidade de Lisboa, “Imponderável” Miguel Ângelo Rocha, “Involucão” de Rui Chafes na Casa-Museu Teixeira Lopes (Vila Nova de Gaia), “Serralves” de João Luis Carrilho da Graça (AppletonSquare), “Fragmentos. Arte Contemporânea na Colecção Berardo” (Museu de Arte Contemporânea de Elvas), “Aires Mateus. Voids” (AppletonSquare), “Riso” (Museu da Electricidade), entre outras. Fez parte do colectivo de comissários do Prémio EDP – Novos Artistas (2006-2011) e BESPhoto (2007-2009). É crítico de arte e membro do conselho editorial do Ípsilon (suplemento cultural do jornal Público). A sua actividade de investigação tem sido dedicada, principalmente, à crítica da arte e ao cruzamento entre arte, arquitectura e filosofia e a autores como Kant, Wittgenstein, Walter Benjamin, Peter Zumthor e Adolf Loos. Das suas publicações podem destacar-se trabalhos sobre Adriana Molder, Aires Mateus, Axel Hütte, Bernd e Hilla Becher, Candida Höffer, Carrilho da Graça, Daniel Blaufuks, Fassbinder, Gerhard Richter, Julião Sarmento, Luisa Cunha, Miguel Ângelo Rocha, Nuno Cera, Paulo David, Rui Chafes, Vasco Araújo, entre outros; e o livro “Wittgenstein e a Estética” (2012) editado pela Assírio & Alvim.

* Helena Barranha e Nuno Crespo escrevem de acordo com a velha ortografia

Novo prazo para dossier temático “Museus e Participação biográfica”

© Ana Carvalho#2013
© Ana Carvalho#2012

O prazo para submissão de artigos para o dossier temático Museus e participação biográfica: introduzindo a dimensão pessoal como alternativa à abordagem hegemónica (coordenado por Maria Acaso e Andrea de Pascual) foi alargado até 15 de Novembro de 2013.

Aceitam-se artigos até 6000 palavras, em português, espanhol, francês e inglês. Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com. Sobre as normas de publicação consulte o website da revista: http://midas.revues.org/361

Lembramos que as restantes secções previstas para o 3.º número já se encontram fechadas, ou seja a secção “Varia” e “Notações” (pequenos artigos, experiências, projectos, etc.) subordinadas a textos noutras áreas temáticas, bem como a secção das “Recensões críticas”.

Sobre o enquadramento temático do dossier temático que nos propõem as coordenadoras Maria Acaso e Andrea de Pascual veja-se em baixo:

***

“Museus e participação biográfica: introduzindo a dimensão pessoal como alternativa à abordagem hegemónica”

“A arte pode ser uma ferramenta para compreender o mundo e o museu um lugar que proporcione experiências através das quais o público cria conexões com a vida. Para o conseguir, a dimensão biográfica deve participar na construção de conteúdos do museu. Através deste call for papers pretendemos que se materializem experiências que estão a ser desenvolvidas neste terreno e que, embora ainda incipientes, consideramos de grande valor para o museu do futuro. Experiências nas quais o museu acolhe novos sistemas de participação através de outros métodos pedagógicos e políticos baseados na introdução da abordagem pessoal como uma alternativa a uma abordagem hegemónica.” (Maria Acaso e Andrea de Pascual)

Temáticas a considerar:

CONTEÚDOS BIOGRÁFICOS DE CURADORIA DE CIDADANIA
– As biografias do público como conteúdo
– As biografias das educadoras como conteúdos
– Qualquer relato biográfico como conteúdo

METODOLOGIAS DE PARTICIPAÇÃO BIOGRÁFICA
– Pedagogias críticas
– Pedagogias regenerativas
– Pedagogias inclusivas
– Pedagogias feministas
– Pedagogias baseadas nos discursos transformativo
– Outras pedagogias por formular

EXPERIÊNCIAS PARA A PARTICIPAÇÃO BIOGRÁFICA
– Compreendendo o público como produtor cultural. Teorias
– Exemplos de introdução do público como construtor de conteúdos do museu
– Formatos biográficos da visita guiada
– Formatos baseados na aprendizagem intergeracional a partir do biográfico

OS DEPARTAMENTOS DE EDUCAÇÃO COMO AGENTES DA PARTICIPAÇÃO BIOGRÁFICA
– A educadora como possibilitadora da mudança entre o hegemónico e o biográfico

Sobre as coordenadores do tema:

Maria Acaso (mariacacaso.es) é professora titular de Educação Artística e directora da linha de investigação sobre Educação em Museus de Artes Visuais na Faculdade de Belas Artes da Universidade Complutense de Madrid. Na qualidade de especialista neste tema tem participado como investigadora convidada no Museu Getty, desenvolveu projectos em diversas organizações culturais como Matadero Madrid e desenhou programas de formação de educadoras para Manifesta 8 e Fundación Telefónica España. Tem sido conferencista convidada em diferentes instituições na Colômbia, Noruega e Portugal. Coordenou o livro Perspectivas. Situación actual de la educación en los museos de artes visuales en España (Ariel, 2011).

Andrea De Pascual é licenciada em Pedagogia e especializada em educação artística. Trabalhou como educadora no Museo Thyssen Bornemisza (Madrid) e coordenou projectos educativos no Círculo de Bellas Artes de Madrid. Colabora em diversos projectos educativos em instituições culturais e museus como o Centro Cultural Matadero Madrid ou o Brooklyn Museum (NYC). Publicou artigos no campo da arte e da educação e é membro activo do grupo Pedagogías Invisibles (pedagogiasinvisibles.com). É atualmente bolseira Fulbrigth na New York University, departamento de Art Education de Steinhardt School of Culture, Education, and Human Development e está a escrever a tese intitulada El museo rizomático: estrategias para la resignificación del público como productor cultural.

****

ES

“Museos y participación biográfica: introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico”

“El arte puede ser una herramienta para entender el mundo y el museo un lugar que falicite experiencias a través de las cuales el público genere conexiones con la vida. Para logarlo lo biográfico debe participar en la contrucción de contenido dentro del museo. Mediante este call for papers pretendemos que se visualizen las experiencias que se están llevando a cabo en este terreno que, aunque incipientes, consideramos de gran valor para el museo del futuro. Experiencias en las cuales el museo acoja nuevos sistemas de participación a través de otros métodos pedagógicos y políticos basados en la introducción de lo personal como una alternativa a lo hegemónico”. (Maria Acaso y Andrea de Pascual)

CONTENIDOS BIOGRÁFICOS DE CURADURÍA CIUDANA
Las biografías del público como contenido
Las biografías de las educadoras como contenidos
Cualquier relato biografico como contenido

METODOLOGÍAS DE PARTICIPACIÓN BIOGRÁFICA
Pedagogías críticas
Pedagogías regenerativas
Pedagogías disruptivas
Pedagogías feministas
Pedagogías basadas en el discurso transformativo
Otras pedagogías por formular

EXPERENCIAS PARA LA PARTICIPACIÓN BIOGRÁFICA
Entendiendo al público como productor cultural. Teorías
Ejemplos de introducción del público como constructor del contenido del museo
Formatos biográficos de visita guiada
Formatos basados en el aprendizaje intergeneracional a partir de lo biográfico

LOS DEPARTAMENTOS DE EDUCACION COMO AGENTES DE LA PARTICIPACIÓN BIOGRÁFICA
La educadora como posibilitadora del cambio entre lo hegemónico y lo biográfico

María Acaso (mariaacaso.es) es profesora titular de Educación Artística y directora de la línea de investigación sobre Educación en Museos de Artes Visuales en la Facultad de Bellas Artes de la Universidad Complutense de Madrid. En calidad de experta en este tema ha participado como investigadora invitada en el Museo Getty, ha implementado proyectos en diversas organizaciones culturales como Matadero Madrid y ha diseñado programas de formación de educadoras para Manifesta 8 y Fundación Telefónica España. Como ponente, ha sido invitada por diferentes instituciones en Colombia, Noruega y Portugal y ha coordinado el libro Perspectivas. Situación actual de la educación en los museos de artes visuales en España (Ariel, 2011).

Andrea De Pascual es licenciada en Pedagogía y especializada en educación artística. Ha trabajado como educadora en el Museo Thyssen Bornemisza (Madrid) y como coordinadora de proyectos educativos en el Área de Talleres del Círculo de Bellas Artes de Madrid. Colabora en diversos proyectos educativos en instituciones culturales y museos como Centro Cultural Matadero Madrid o el Brooklyn Museum (NYC). Ha publicado artículos orientados al campo del arte y la educación y es miembro activo del colectivo Pedagogías Invisibles (pedagogiasinvisibles.com). En la actualidad está disfrutando de una beca Fulbright en la New York University en el departamento de Art Education de Steinhardt School of Culture, Education, and Human Development y escribe su tesis titulada El museo rizomático: estrategias para la resignificación del público como productor cultural.

 

Call for papers: “Museus e participação biográfica” (Maria Acaso e Andrea de Pascual)

Logótipo MIDAS. Créditos: Ana Sofia Margarido
© Ana Sofia Margarido

Anunciamos novo apelo a artigos para o terceiro número da revista MIDAS, que inclui um dossier temático intitulado – “Museus e participação biográfica: introduzindo a dimensão pessoal como alternativa à abordagem hegemónica”. Este dossier temático é coordenado por Maria Acaso e Andrea De Pascual, que elaboraram o call que se divulga em baixo. Lembramos que além do dossier temático, aceitam-se propostas para as secções habituais da MIDAS:

– Artigos (várias áreas) – até 6000 palavras
– Notações – pequenos artigos, notícias sobre projetos, etc. (até 3000 palavras)
– Recensões críticas: livros ou exposições (até 1500 palavras)

Data limite para o envio de propostas: 6 de setembro de 2013. Este número será publicado em 2014

Os artigos para o dossier temático serão selecionados por Maria Acaso e Andrea de Pascual e os restantes artigos (varia) pelos editores da MIDAS. Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares sob duplo anonimato. Mais informações sobre o processo de seleção aqui.

Sobre as normas de publicação consulte o website da revista: http://midas.revues.org/361

***

Museus e participação biográfica: introduzindo a dimensão pessoal como alternativa à abordagem hegemónica”

“A arte pode ser uma ferramenta para compreender o mundo e o museu um lugar que proporcione experiências através das quais o público cria conexões com a vida. Para o conseguir, a dimensão biográfica deve participar na construção de conteúdos do museu. Através deste call for papers pretendemos que se materializem experiências que estão a ser desenvolvidas neste terreno e que, embora ainda incipientes, consideramos de grande valor para o museu do futuro. Experiências nas quais o museu acolhe novos sistemas de participação através de outros métodos pedagógicos e políticos baseados na introdução da abordagem pessoal como uma alternativa a uma abordagem hegemónica.” (Maria Acaso e Andrea de Pascual)

Temáticas a considerar:

CONTEÚDOS BIOGRÁFICOS DE CURADORIA DE CIDADANIA
– As biografias do público como conteúdo
– As biografias das educadoras como conteúdos
– Qualquer relato biográfico como conteúdo

METODOLOGIAS DE PARTICIPAÇÃO BIOGRÁFICA
– Pedagogias críticas
– Pedagogias regenerativas
– Pedagogias inclusivas
– Pedagogias feministas
– Pedagogias baseadas nos discursos transformativo
– Outras pedagogias por formular

EXPERIÊNCIAS PARA A PARTICIPAÇÃO BIOGRÁFICA
– Compreendendo o público como produtor cultural. Teorias
– Exemplos de introdução do público como construtor de conteúdos do museu
– Formatos biográficos da visita guiada
– Formatos baseados na aprendizagem intergeracional a partir do biográfico

OS DEPARTAMENTOS DE EDUCAÇÃO COMO AGENTES DA PARTICIPAÇÃO BIOGRÁFICA
– A educadora como possibilitadora da mudança entre o hegemónico e o biográfico

Maria Acaso (mariacacaso.es) é professora titular de Educação Artística e directora da linha de investigação sobre Educação em Museus de Artes Visuais na Faculdade de Belas Artes da Universidade Complutense de Madrid. Na qualidade de especialista neste tema tem participado como investigadora convidada no Museu Getty, desenvolveu projectos em diversas organizações culturais como Matadero Madrid e desenhou programas de formação de educadoras para Manifesta 8 e Fundación Telefónica España. Tem sido conferencista convidada em diferentes instituições na Colômbia, Noruega e Portugal. Coordenou o livro Perspectivas. Situación actual de la educación en los museos de artes visuales en España (Ariel, 2011).

Andrea De Pascual é licenciada em Pedagogia e especializada em educação artística. Trabalhou como educadora no Museo Thyssen Bornemisza (Madrid) e coordenou projectos educativos no Círculo de Bellas Artes de Madrid. Colabora em diversos projectos educativos em instituições culturais e museus como o Centro Cultural Matadero Madrid ou o Brooklyn Museum (NYC). Publicou artigos no campo da arte e da educação e é membro activo do grupo Pedagogías Invisibles (pedagogiasinvisibles.com). É atualmente bolseira Fulbrigth na New York University, departamento de Art Education de Steinhardt School of Culture, Education, and Human Development e está a escrever a tese intitulada El museo rizomático: estrategias para la resignificación del público como productor cultural.

****

ES

La revista MIDAS – Museos y Estudios Interdisciplinarios invita a colaborar en el tercero número, que incluye un dossier temático – “Museos y participación biográfica: introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico”, coordinado por Maria Acaso y Andrea Pascual, qien definió el call for papers que se describe abajo.

“El arte puede ser una herramienta para entender el mundo y el museo un lugar que falicite experiencias a través de las cuales el público genere conexiones con la vida. Para logarlo lo biográfico debe participar en la contrucción de contenido dentro del museo. Mediante este call for papers pretendemos que se visualizen las experiencias que se están llevando a cabo en este terreno que, aunque incipientes, consideramos de gran valor para el museo del futuro. Experiencias en las cuales el museo acoja nuevos sistemas de participación a través de otros métodos pedagógicos y políticos basados en la introducción de lo personal como una alternativa a lo hegemónico”. (Maria Acaso y Andrea de Pascual)

CONTENIDOS BIOGRÁFICOS DE CURADURÍA CIUDANA
Las biografías del público como contenido
Las biografías de las educadoras como contenidos
Cualquier relato biografico como contenido

METODOLOGÍAS DE PARTICIPACIÓN BIOGRÁFICA
Pedagogías críticas
Pedagogías regenerativas
Pedagogías disruptivas
Pedagogías feministas
Pedagogías basadas en el discurso transformativo
Otras pedagogías por formular

EXPERENCIAS PARA LA PARTICIPACIÓN BIOGRÁFICA
Entendiendo al público como productor cultural. Teorías
Ejemplos de introducción del público como constructor del contenido del museo
Formatos biográficos de visita guiada
Formatos basados en el aprendizaje intergeneracional a partir de lo biográfico

LOS DEPARTAMENTOS DE EDUCACION COMO AGENTES DE LA PARTICIPACIÓN BIOGRÁFICA
La educadora como posibilitadora del cambio entre lo hegemónico y lo biográfico

María Acaso (mariaacaso.es) es profesora titular de Educación Artística y directora de la línea de investigación sobre Educación en Museos de Artes Visuales en la Facultad de Bellas Artes de la Universidad Complutense de Madrid. En calidad de experta en este tema ha participado como investigadora invitada en el Museo Getty, ha implementado proyectos en diversas organizaciones culturales como Matadero Madrid y ha diseñado programas de formación de educadoras para Manifesta 8 y Fundación Telefónica España. Como ponente, ha sido invitada por diferentes instituciones en Colombia, Noruega y Portugal y ha coordinado el libro Perspectivas. Situación actual de la educación en los museos de artes visuales en España (Ariel, 2011).

Andrea De Pascual es licenciada en Pedagogía y especializada en educación artística. Ha trabajado como educadora en el Museo Thyssen Bornemisza (Madrid) y como coordinadora de proyectos educativos en el Área de Talleres del Círculo de Bellas Artes de Madrid. Colabora en diversos proyectos educativos en instituciones culturales y museos como Centro Cultural Matadero Madrid o el Brooklyn Museum (NYC). Ha publicado artículos orientados al campo del arte y la educación y es miembro activo del colectivo Pedagogías Invisibles (pedagogiasinvisibles.com). En la actualidad está disfrutando de una beca Fulbright en la New York University en el departamento de Art Education de Steinhardt School of Culture, Education, and Human Development y escribe su tesis titulada El museo rizomático: estrategias para la resignificación del público como productor cultural.

***

La revista también acepta textos para las secciones habituales:

– Artículos (diversas áreas) – hasta 6000 palabras
– Notaciones (Textos menos extensos con enfoque en experiencias, proyectos de investigación, artículos breves, informes) – hasta 3000 palabras
– Recensiones (libros y exposiciones) – hasta 1500 palabras

El call for papers se encuentra abierto hasta al día 6 de Septiembre de 2013. El número será publicado en 2014.
Para la presentación de propuestas escribir para: revistamidas@gmail.com Más información: http://midas.revues.org/395

****

EN

 

MIDAS – Museum Interdisciplinary Studies is launching a new call for papers for issue 3. This issue includes a thematic dossier under the theme “Museums and biographic participation: introducing a personal approach as an alternative to the hegemonic one” with Maria Acaso and Andrea De Pascual as guest editors. Deadline: September 6th, 2013.

MIDAS also accepts proposals to the usual sections of the journal:

– Articles (several areas) (ca. 6000 words)
– Notações – short articles, experiences, news about museum projects, short reports, etc. (ca. 3000 words)
– Reviews (books or exhibitions) (ca. 1500 words)

All accepted articles will undergo a double peer-review. The issue is scheduled for publication in 2014.

Send your text to: revistamidas@gmail.com

For more information: http://midas.revues.org/361

Museums and biographic participation: introducing a personal approach as an alternative to the hegemonic one

“Art can be a tool to understand the world and the museum can become a place where experiences through which the public can generate connections with life are made possible. In order to achieve this, biographical aspects of the public must be part of the construction of the contents of the museum.By means of this call for papers we intend to make visible the experiences that are being carried out in this field, which, although incipient, we consider very valuable for the museum of the future. Experiences among which the museum includes new participation systems through different pedagogical and political methods based on the adoption of a personal approach as an alternative to a hegemonic one”. (Maria Acaso and Andrea de Pascual)

Themes may include the following areas:

BIOGRAPHICAL CONTENTS OF CIVIL CURATORSHIP
The public’s biographies as content
The educators’ biographies as content
Any personal story as content

METHODOLOGIES OF BIOGRAPHICAL PARTICIPATION
Critical pedagogies
Regenerative pedagogies
Disruptive pedagogies
Feminist pedagogies
Pedagogies based on the transformative discourse
Other pedagogies still to be formulated

EXPERIENCES FOR THE BIOGRAPHICAL PARTICIPATION
Considering the public as cultural producer. Theories
Examples of the inclusion of the public as constructor of the museum content

Biographic formats for guided tours
Formats based on intergenerational learning starting from a biographical approach

EDUCATION DEPARTMENTS AS AGENTS OF THE BIOGRAPHICAL PARTICIPATION
The educator as the person who makes possible a change from the hegemonic to the biographic approach

Brief CVs of guest editors:

María Acaso (mariaacaso.es) is an Art Education professor and is the Head of the Museum Education in Visual Arts research team at the Fine Arts School of the Universidad Complutense de Madrid. As an expert in the field she was invited to be a guest researcher at the Getty Museum, she has implemented projects for various cultural institutions such as Matadero Madrid and she has designed programs for educator’s training for Manifesta 8 and Fundación Telefónica España. As a lecturer she has been invited by different institutions in Colombia, Norway and Portugal and has coordinated the book Perspectives. Current situation of visual art museums in Spain (Ariel, 2011).

Andrea De Pascual has a university degree in Education, specializing in Art Education. She has worked as an educator at the Thyssen Bornemisza Museum (Madrid) and as a coordinator of the education department at the Círculo de Bellas Artes de Madrid. She collaborates with various educational projects for different cultural institutions such as Centro Cultural Matadero Madrid and the Brooklyn Museum (NYC). She has published articles in the field of art education and is an active member of the research and action-based collective Invisible Pedagogies (pedagogiasinvisibles.com). Andrea is currently a Fulbright grantee in the MA program in Art Education at NYU’s Steinhardt School of Culture, Education, and Human Development and is writing her dissertation entitled The rhizomatic museum; strategies for the assignation of a new role to the public as culture producer.

 

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.

Novo website da MIDAS

MIDAS

A revista MIDAS passa a ter novo website, onde estarão disponíveis todos os números em formato digital e em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Neste blogue continuaremos a dar notícias sobre a atividade editorial.

Para maior alcance e divulgação dos conteúdos, a MIDAS está integrada na plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas científicas no âmbito das ciências sociais e humanas, que está, por sua vez, associada ao Open Edition. Além do portal Open Edition, a MIDAS passa a fazer parte também do LusOpenEdition, que pretende dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa.

No website da MIDAS pode ainda encontrar informação sobre a revista (equipa, comité científico, processo de seleção, normas de publicação, a lista de referees de 2012, etc.). Já estão disponíveis os dois primeiros números. Em breve lançaremos novo apelo a artigos.

MIDAS na plataforma revues.org

bandeau_lusopenedition-2012-950x100

A candidatura da revista MIDAS à plataforma Revues.org foi aprovada1. Proximamente será apresentado o site oficial da revista onde estarão disponíveis os primeiros números.

Revues.org é um portal de revistas científicas online (agrega 385 revistas) que põe em prática uma conceção de edição eletrónica aberta no domínio das humanidades e das ciências sociais. Privilegia a disponibilização online de artigos em texto integral e em acesso livre. A Revues.org faz parte do portal OpenEdition do qual também fazem parte: Calenda (calendário de eventos), Hypotheses.org (plataforma de blogues de investigação) e Books (colecções de livros).

No âmbito de uma estratégia de internacionalização do OpenEdition foi criado em Portugal o LusOpenEdition para a lusofonia. O projecto em Portugal conta com a parceria do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia – Lisboa), e é co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. O portal foi inaugurado em Outubro de 2011 em Lisboa.

A revista MIDAS fará parte do portal OpenEdition bem como do LusOpenEdition, beneficiando dos sistemas de indexação internacionais. Atualmente fazem parte do portal lusófono as seguintes revistas: Cadernos de Estudos AfricanosConfiguraçõesConfins, EtnográficaForum sociológicoRevista Crítica de Ciêncais SociaisRCCS Annual ReviewTerra Brasilis, entre outras.

  1. A candidatura foi submetida ao comité científico do OpenEdition em Janeiro de 2013 []