Publicado novo número da MIDAS

A imagem mostra um chão escuro e no topo da imagem um par de sapatos, pretos, cortados nas extremidades.
Detalhes das obras “de joelhos” (2011-2018) e “quinto dedo” (2018) de Armanda Duarte © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – n.º 12 –  acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.2312

Agradecemos a todos aqueles que nos enviaram as suas propostas de artigos e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial à artista portuguesa Armanda Duarte por nos ceder uma imagem das obras: “de joelhos” (2011-2018) e “quinto dedo” (2018) para a capa deste número e à Elisa Noronha Nascimento pela conceção e arranjo final da capa.

****

MIDAS 12 – “Varia”

Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Filipa Coimbra
A Coleção Moderna do Museu Calouste Gulbenkian durante o PREC

Ana Mehnert Pascoal
Encenação do Estado Novo na exposição Quinze Anos de Obras Públicas (Lisboa, 1948)

Maria Elvira Callapez, Raquel Ferreira Coimbra, Sara Marques da Cruz, Vânia Carvalho e Susana França de Sá
A exposição Plasticidade – Uma História dos Plásticos em Portugal: um processo participativo no Museu de Leiria

Notações

António Meireles e Joana Baião
Laboratório de Artes na Montanha – Graça Morais: um projeto em construção

Elementos para a história da museologia

Ana Carvalho
Building the field of museum studies in Portugal: The role of publications

Recensões críticas

Vanessa Henriques Antunes
Carmina Montezuma – Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte

Daniel Barroca
Albano Mendes, Ramon Sarró e Ana Temudo – O Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau: Imagens para uma História

Maria Alice Samara
Alexandre Oliveira – Herança de António Ferro. O Museu de Arte Popular

Margarida Melo Sampaio
Tula Giannini e Jonathan P. Bowen (ed.) – Museums and Digital Culture: New Perspectives and Research

 

Call for papers número “Varia”, 2021

na imagem uma exposição
Imagem: Museu de Quioto, Japão, 2019, de Ana Carvalho

Encontra-se aberto call for papers para número “Varia” (número não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2021. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras

– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Os textos devem ser enviados até 19 de fevereiro de 2021 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações: https://journals.openedition.org/midas/2371

Novo número temático da MIDAS: Perspetivas sobre o museu eclético

No centro da imagem vê-se um cubo de pedra
Imagem da capa: “Maqueta de Museu” (2009) de Francisco Tropa © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

Acaba de ser publicado o mais recente número da revista MIDAS, o dossier temático “Perspetivas sobre o Museu Eclético”, coordenado por Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1586

Agradecemos o empenho das coordenadoras do dossier, aos autores e autoras, e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial ao artista português Francisco Tropa por nos ceder uma imagem da sua obra “Maqueta de Museu” (2009) para a capa deste número e à Elisa Noronha Nascimento pela conceção e arranjo final da capa.

****

MIDAS 11 – Perspetivas sobre o museu eclético – Coordenação de Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro
Caixas de tesouros. Um dossier sobre o museu ecléctico

Artigos

Paula Mesquita Leite Santos
Jean Pillement (Lyon, 1728-1808) e os colecionadores do Porto. Pintura nos Museus Nacionais de Soares dos Reis e de Arte Antiga

Marize Malta
Gostos ecléticos em coleções, repercussões em museus nacionais e o caso da coleção Ferreira das Neves

Maria de Fátima Lambert
Viagens ecléticas, residências e obras: Maria Graham artista-autora-viajante

Ramiro A. Gonçalves
Para além da Pintura. Alguns apontamentos sobre as outras coleções do conde Daupias

Ana Cristina Martins
Páginas da vida de um jovem arqueólogo: Francisco Tavares Proença Júnior (1883-1916)

Duarte Manuel Freitas
Para uma árvore genealógica museológica: o caso singular do Museu Machado de Castro

Raquel Henriques da Silva
A Casa-Museu Fernando de Castro: das colecções e das fantasmagorias

Recensões críticas

Paulo Simões Rodrigues
Hugo Xavier – O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa

João Luís Cardoso
Elisabete J. Santos Pereira – Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930)

Vera Mariz
Maria João Vilhena de Carvalho – A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena

Susana S. Martins
The Art of Collecting [exposição]

Call for papers: Políticas culturais e museus

Acropolis Museum, Grécia, 2016 © Ana Carvalho

Encontra-se aberto o call for papers para dossier temático da revista MIDAS sobre “Políticas Culturais e Museus”, a ser publicado em 2021. O dossier é coordenado por Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades, Universidade de Évora), Clara Frayão Camacho (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa) e Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelas editoras convidadas. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 30 de janeiro de 2021 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Políticas culturais e museus

O desenvolvimento dos museus é, em grande medida, influenciado pelas políticas culturais de cada país. Por política cultural entendemos a definição e promoção de um conjunto de valores e de ações na esfera da cultura, cujos objetivos podem ser explícitos ou implícitos, mais ou menos estruturados ou consistentes, que num dado momento ou contexto procuram responder às necessidades e preocupações na sociedade onde se inscrevem, atendendo aos recursos disponíveis. O seu desenvolvimento é por isso mutável, variando conforme as mudanças que se operam nas sociedades, refletindo em cada momento aspetos que são mais valorizados em detrimento de outros.

O desenvolvimento e a implementação de políticas culturais é uma responsabilidade dos Estados, refletida na atuação de múltiplos actores na esfera pública e a vários níveis de governação: central, regional e local. No domínio das políticas culturais destaca-se igualmente a influência e o agenciamento de outros enquadramentos, atores, instrumentos e orientações (ex. cartas, convenções, recomendações, relatórios) a escalas supranacionais, nomeadamente ao nível da União Europeia, de forma mais direta ou indireta (Höglund 2012), ou a uma escala mais global (ex. UNESCO).

A formulação de políticas culturais varia também em função do contexto histórico, cultural, social, económico e filosófico ou ideológico em que se produzem, que difere de país para país. Por essa razão também não é raro identificarem-se diferentes abordagens na forma como se definem, desenvolvem e se implementam políticas culturais, cujos aspetos comuns e diferenciadores são também objeto de comparabilidade (Anico 2009; Poirrier 2011; Lill e Arne 2012).

O enquadramento em que se definem políticas culturais é ainda condicionado por eventos ou fenómenos de escala mais global, que podem introduzir mudanças significativas e aportar impactos para as políticas culturais nacionais. Esse é o caso da globalização, mas também de crises diversas, de que é exemplo a pandemia Covid-19, exemplo de uma crise de saúde pública que tem afetado todos os setores da sociedade. Mas poderiam ainda ser citadas outras crises, como as de origem económica (ex. crise financeira internacional pós-2008; ou a crise da dívida soberana portuguesa a partir de 2011), política (ex. movimentos de contestação social antirracismo, entre outros), social (ex. movimentos migratórios e crise de refugiados) ou ambiental (ex. Antropoceno), entre outras.

O impacto das políticas culturais pode ser determinante para potenciar (ou não) o lugar dos museus na sociedade, o seu desenvolvimento, alcance e relevância. Enquanto beneficiários das políticas culturais de cada país, os museus são influenciados pelo pensamento gizador dessas políticas, dos seus objetivos e estratégias, das prioridades, dos mecanismos e instrumentos de gestão, controle e regulação implementados, assim como dos recursos alocados (financeiros e humanos). A reorganização de museus, seja por via da criação de novos museus, encerramento/extinção, fusão ou investimento na sua expansão ou requalificação, a distribuição de recursos, incluindo o seu aumento e/ou redução, a diversificação de fontes de financiamento, a descentralização, a desconcentração, a criação de redes e a credenciação de museus, a regionalização, a privatização de museus ou de parte da sua atividade, a diversificação de modelos de gestão, e a produção e regulação legislativa são alguns dos aspetos geralmente explorados e desenvolvidos sob a alçada das políticas públicas. Também inerentes às políticas públicas são as formas como se estruturam as instituições de enquadramento, compreendendo a (re)organização de organismos do Estado, assim como as suas divisões orgânicas ou fusões.

Outros aspetos igualmente relevantes nas políticas culturais dizem respeito à noção de nação, identidade(s) e diversidade cultural, assim como a abordagens assentes na democratização da cultura ou na democracia cultural, que baseando-se em paradigmas distintos (Lopes 2009), por vezes sobrepondo-se em coexistência (Négrier 2020), evocam perceções sobre como deve ser entendida a cultura e as condições em que se promove o seu acesso e levantam interrogações. Que cultura? Com quem, para quem e como? Também tópico da participação, enquanto mecanismo potenciador de novas formas de envolvimento e de melhoria da ação pública, tem constituído objeto de interesse crescente na concretização de políticas públicas (Négrier 2020).

Na contemporaneidade espera-se cada vez mais que os museus desempenhem múltiplas funções e que contribuam para a concretização de objetivos de políticas que não são estritamente do domínio da cultura (Legget 2017a; Camacho 2020), nomeadamente nas áreas da educação, da ciência e da investigação, da saúde e do bem estar, da integração social, da coesão territorial, do desenvolvimento turístico, da promoção do desenvolvimento sustentável, da igualdade e da diversidade, da criatividade e do empreendedorismo, entre outras. Neste contexto sobressai a ideia de abordagens integradas e de políticas de convergência e de cooperação que atravessam as várias áreas governamentais numa visão menos compartimentalizada da cultura e das políticas públicas e de distribuição de responsabilidades. Por outro lado, no domínio do próprio setor cultural também se observa, não raras vezes, uma tendência para a separação das várias áreas (artes, museus, património, arquivos, bibliotecas), fazendo corresponder organismos específicos de atuação, mas nem sempre comunicantes entre si.

A reflexão sobre a relação e o impacto das políticas públicas, seja de forma mais específica no setor museológico, seja no setor cultural de forma mais global, não é um tema novo e tem sido objeto de análise, a partir de diferentes ângulos (Vinson 2006; Lang, Reeve, e Woollard 2006; Gilabert González 2011; Bonet e Négrier 2011; Lill e Arne 2012; Camacho 2015; Poulot 2016; Garcia et al. 2016; Legget 2017b, entre outros). Todavia, o tema continua a suscitar novos olhares, investigação e perspetivas em função das mudanças diversas e multifacetadas que se têm operado nas últimas décadas e em especial nos últimos anos, não ignorando o impacto de diferentes e subsequentes crises no panorama museológico.

Por outro lado, vivemos um tempo de maior escrutínio público e de maior demanda quanto à necessidade de um planeamento mais estratégico, em termos de pensamento e de ação, e de uma maior racionalização ou otimização de meios, preocupações que se atribuem à esfera das políticas públicas, mas que também emanam do próprio setor museológico. E se, por um lado, se verifica a necessidade de um pensamento estratégico num tempo mais dilatado, com frequência o setor dos museus se confronta com a alternância dos ciclos políticos nos governos e a consequente oscilação e mudança de prioridades, mas também de investimento, que daí resulta para o mundo dos museus, assim como para o setor cultural de forma mais alargada.

Temas a desenvolver

Este número temático pretende contribuir para uma reflexão crítica sobre o papel das políticas culturais dirigidas a museus, recolhendo perspetivas e experiências que estimulem a disseminação de conhecimento a partir deste campo de análise e de interação. Não há uma delimitação predefinida quanto a um período em particular, aceitando-se propostas que foquem uma abordagem histórica ou que contribuam para um entendimento contemporâneo sobre a relação e o impacto das políticas públicas no setor dos museus. São igualmente bem-vindas propostas que, tendo como objeto de análise o terreno dos museus, permitam o confronto e a fertilização de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e o cruzamento de olhares interdisciplinares. Neste contexto, podem incluir-se visões mais abrangentes ou de comparação entre políticas públicas nacionais na área dos museus, assim como estudos de caso referentes a contextos mais específicos de uma política museológica.

No âmbito do papel do Estado na definição de políticas museológicas destacamos quatro linhas de análise, ainda que não se pretendam exaustivas, cuja estruturação serve o propósito de sugerir perspetivas, uma vez que poderão sobrepor-se ou articular-se entre si.

Estado como legislador e regulador

Uma das formas de enquadrar o setor é através de produção legislativa, seja por via da elaboração de leis específicas de referência (ex. Lei-Quadro dos Museus Portugueses), seja de forma mais indireta, através da influência de outros enquadramentos legais aplicáveis (ex. conservação, património, ciência, entre outras), incluindo os enquadramentos supranacionais (ex. por via do Conselho da Europa ou da UNESCO). Os artigos podem explorar a relação entre a produção legislativa e o seu impacto no setor dos museus, assim como a distância (ou não) entre as normas e a sua aplicação. Que inovações, continuidades ou disrupções? Que transformações, evoluções ou retrocessos? Que resultados e efeitos? Que lacunas ou insuficiências?

Estado e os contextos institucionais da sua ação

A organização dos serviços do Estado na área dos museus e do património é também indicativa da construção e da concretização de políticas públicas para o setor. Estas formas de organização podem seguir modelos distintos de intervenção, seja optando por um modelo de maior especialização, seja adotando um modelo mais generalista, e são variáveis ao longo do tempo, quer nas intenções e objetivos como nos recursos disponíveis. Esta é uma dimensão que permite perspetivar conhecimento sobre a evolução da arquitetura administrativa do Estado, as abordagens implementadas (ex. centralização/descentralização, desconcentração; redes), o perfil das competências atribuídas, os desafios e as limitações, e o seu efeito no setor museológico.

Estado como administrador

Se, por um lado, o Estado financia alguns museus diretamente, por outro, também pode influenciar a forma como os museus são geridos. Neste campo estão implícitas questões relativas à (re)organização dos museus (ex. novos museus, encerramento/extinção, fusão ou investimento na sua expansão ou requalificação), à fixação de objetivos de desenvolvimento, ao financiamento e à sustentabilidade, aos modelos de gestão e autonomia, à privatização, à transferência de competências (ex. municipalização), às parcerias e às redes. Além das políticas na esfera da administração central, são igualmente relevantes as implementadas ao nível regional (ex. regiões autónomas) e local, nomeadamente o papel crescente dos municípios na organização e criação de museus.

Estado e os novos desafios contemporâneos

A contemporaneidade traz novos cenários e realça tendências, entre estas, uma visão mais sistémica das políticas públicas promovidas pelos Estados, alargando o foco de intervenção das políticas culturais no sentido de maior convergência e cooperação com outros domínios da ação política; abordagens mais centradas no paradigma da democracia cultural e o contributo de novas reconceptualizações da “participação” como mecanismo facilitador da construção de novas formas de envolvimento e a partilha da responsabilidades com vista à melhoria da ação pública. Neste contexto podem ser exploradas várias questões, da retórica à prática: que atores, usos, mecanismos e implicações, que obstáculos, potencialidades e limites?

Editoras convidadas

Ana Carvalho

Investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Doutoramento e mestrado em Museologia. Membro do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020), uma iniciativa do Ministério da Cultura, com o objectivo de propor recomendações de política pública, considerando a sustentabilidade, acessibilidade, inovação e relevância dos museus na sociedade. Colaborou como investigadora no projeto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Coordenou o Boletim do ICOM Portugal (2014-2018). A sua investigação tem-se centrado nos museus e património cultural imaterial, diversidade cultural, participação, tecnologias digitais e nas políticas públicas para os museus e o património cultural.

Clara Frayão Camacho

Técnica superior da Direção-Geral do Património Cultural, coordenadora do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020) e investigadora do Instituto de História de Arte (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – FCSH, Universidade Nova – NOVA). Doutorada em História (Universidade de Évora) e mestre em Museologia e Património (FCSH – NOVA). Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1983-1999), foi coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000-2005) e subdiretora do Instituto Português de Museus/Instituto dos Museus e da Conservação (2005-2009). Docente de disciplinas de museologia em cursos de pós-graduação e mestrado de várias universidades, autora de artigos sobre temas da museologia contemporânea e da monografia Redes de Museus e Credenciação. Uma Panorâmica Europeia (2015). Tem participado em grupos de trabalho da Comissão Europeia e da UNESCO e exerce funções de representação institucional em organismos europeus e ibero-americanos.

Raquel Henriques da Silva

Professora associada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Departamento de História da Arte de que é coordenadora executiva desde 2015. Leciona seminários do mestrado em História da Arte do século XIX e do mestrado em Museologia; é coordenadora do curso de doutoramento em História da Arte. Autora de estudos de investigação e divulgação nas áreas do urbanismo e arquitetura (século XIX-XX), artes plásticas e museologia. Comissária de exposições de arte. Foi diretora do Museu do Chiado (1994-1997) e do Instituto Português de Museus (1997-2002). Integrou o Conselho de Administração da Fundação de Serralves (2000-2006) e, atualmente, integra o Conselho de Administração da Fundação Arpad-Szenes-Vieira da Silva. É diretora científica do Museu do Neo-Realismo desde 2018.

Referências

Anico, Marta. 2009. “Políticas da Cultura em Portugal e Espanha.” PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural 7 (1): 57–71.

Bonet, Lluis, e Emmanuel Négrier. 2011. “The End(s) of National Cultures? Cultural Policy in the Face of Diversity.” International Journal of Cultural Policy 17 (5): 574–89.

Camacho, Clara Frayão, coord. 2020. Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final. [s.l]: Grupo de Projeto Museus no Futuro, Direção-Geral do Património Cultural.

Camacho, Clara Frayão. 2015. Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Vol. 2. Coleção Estudos de Museus. Casal de Cambra: Caleidoscópio e Direção-Geral do Património Cultural.

Carvalho, Ana, coord. 2017. “Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (out.). http://hdl.handle.net/10174/21432

Eilertsen, Lill, e Bugge Amundsen Arne, eds. 2012. Museum Policies in Europe 1990 – 2010: Negotiating Professional and Political Utopia. Linköping: Linköping University Electronic Press.

Garcia, José Luís, João Teixeira Lopes, Teresa Duarte Martinho, José Soares Neves, Rui Telmo Gomes, e Vera Borges. 2016. “Mapping Cultural Policy in Portugal: From Incentives to Crisis.” International Journal of Cultural Policy 24 (5): 577–93.

Gilabert González, Luz María. 2011. “La Gestión de Museos: Análisis de las Políticas Museísticas en la Peninsula Ibérica.” Tese de Doutoramento, Universidad de Murcia.

Höglund, Maria. 2012. “European Union Approaches to Museums 1993-2010.” In Museum Policies in Europe 1990 – 2010: Negotiating Professional and Political Utopia, editado por Lill Eilertsen e Bugge Amundsen Arne, 157–88. Linköping: Linköping University Electronic Press.

Lang, Caroline, John Reeve, e Vicky Woollard. 2006. “The Impact of Government Policy.” In The Responsive Museum: Working with Audiences in the Twenty-first Century, 19–28. Hampshire: Ashgate e Burlington.

Legget, Jane, ed. 2017b. “Museums and Public Policy.” Museum International 69 (275–276).

Legget, Jane. 2017a. “Museums and Public Policy: An Introduction.” Museum International 69 (275–276): 6-9.

Lopes, João Teixeira. 2009. “Da Democratização da Cultura a um Conceito e Prática Alternativos de Democracia Cultural.” Saber & Educar, n.º 14: 1–13.

Négrier, Emmanuel. 2020. “Introduction.” In Cultural Policies in Europe: a Participatory Turn?, ed. Félix Dupin-Meynard e Emmanuel Négrier, 11–27. Toulouse: Éditions de l’Attribut.

Poirrier, Philippe, ed. 2011. Pour une Histoire des Politiques Culturelles dans le Monde. Paris: La Documentation Française.

Poulot, Dominique, dir. 2016. “Le Musée et le Politique.” Culture & Musées (28).

Vinson, Isabelle, ed. 2006. “Museums and Cultural Policy.” Museum International Vol. LVIII (4/232).

Call for papers revista MIDAS n.º 12

Na imagem vê-se uma parede totalmente coberta com post-it e vê-se uma pessoa de costas atenta à parede
Imagem: Museo Diffuso, 2018, de Ana Carvalho

Encontra-se aberto call for papers para o 12.º número (Varia) da revista MIDAS, a publicar no primeiro semestre de 2020. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras
– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 10 de outubro de 2019 para: revistamidas@gmail.com

10.º número da MIDAS online

Imagem da capa: “Spice Sculpture (Curry)” (2009) de João Pedro Vale ©. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos e 5 recensões críticas. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1498

Agradecemos a todos aqueles que nos enviaram as suas propostas de artigos e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial ao artista português João Pedro Vale por nos ceder uma imagem da sua obra “Spice Sculpture (Curry)” (2009) para a capa deste número e à Elisa Noronha Nascimento pela conceção e arranjo final da capa.

****

MIDAS 10 – “Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Elisabete J. Santos Pereira e Maria de Fátima Nunes, A (in)visibilidade de um objeto romano do Museu Nacional de Arqueologia. Leituras de história da ciência

Maria Aparecida de Menezes Borrego, Perspectivas sobre a representação das monções no Museu Paulista e no Museu Republicano de Itu

María Marta Reca, Ana Inés Canzani e María Cecilia Luz Domínguez, Colecciones etnográficas y sus potencialidades educativas: una experiencia de activación patrimonial

Ivo Renato Giroto, Arquitetura de museus no Brasil contemporâneo: diálogos entre tempos e lugares

Recensões críticas

Graça Filipe 

François Mairesse (ed.) – Nouvelles Tendances de la Muséologie

Viviane Panelli Sarraf

Patrícia Roque Martins  – Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte

Paulo Oliveira Ramos

Emília Ferreira – Lisboa em Festa: A Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu

Ana Paula Pires

Maria da Luz Sampaio – Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial

Maria Manuela Restivo

Anthony Shelton e Nicola Levell – Do Carnaval à Luta Livre: Máscaras e Devoções Mexicanas [exposição]

Call for papers revista MIDAS n.º 10

Imagem: Musée Royaux des Beaus-Arts, 2018, de Ana Carvalho

Encontra-se aberto call for papers para o 10.º número (Varia) da revista MIDAS, a publicar no segundo semestre de 2018. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 27 de Julho de 2018 para: revistamidas@gmail.com

9.º número da MIDAS online

Imagem da capa: “Panorama” (2001) de Carla Zaccagnini. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos, 3 artigos breves e 4 recensões críticas de livros. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1319

As imagens que fazem a capa do 9.º número da MIDAS integram a obra Panorama, 2001, de Carla Zaccagnini. São ampliações fotográficas de negativos em vidro pertencentes ao Museu de Aeronáutica da Fundação Santos Dumont (MAFSD) no Brasil. A obra foi desenvolvida para o Panorama da Arte Brasileira 2001 e originalmente apresentado no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), situado em frente à antiga sede do Museu de Aeronáutica. Panorama recupera um fragmento da coleção retirada dessa sede para apontar alguns indícios dos interesses políticos e pessoais que permearam a sua remoção do Parque Ibirapuera. O caso específico serve como exemplo para pensar a estrutura política por trás das decisões que regem os campos da cultura e do património. Além das fotografias ampliadas a partir de negativos pertencentes ao MAFSD, o trabalho consistia de uma janela nos painéis do MAM com vista para o pavilhão que o abrigava até 2000; um ensaio fotográfico de Alice Vergueiro que mostra a atual condição da coleção, no Centro Municipal de Campismo, publicados no livro “Panorama da Arte Brasileira” (2001, pp. 32 a 41); um fac-símile de uma página de jornal com um artigo que denuncia as negociações por trás dessa decisão (caderno Ilustrada, do jornal “Folha de S. Paulo” de 24 de maio de 2000); sete entrevistas a respeito da não publicação desse artigo no livro que acompanhou a mostra no MAM, publicadas na revista “item-5” (janeiro de 2002, pp. 118 a 125). Foram feitas duas cópias de cada negativo ampliado, tendo sido uma doada ao MAFSD.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 09 – Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Ana Rita Costa
Análise da utilização de coleções digitais: o caso do Museu Nacional de Machado de Castro

Simão Mateus e Cristiana Vieira
Life canvas: biological illustration as biographical evidence of illustrators’ and researchers’ careers

Ana Mehnert Pascoal
Breve reflexão sobre o património artístico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Olaia Fontal Merillas, Inmaculada Sánchez-Macías e Jesús Cepeda Ortega
Personas y patrimonios: análisis del contenido de textos que abordan los vínculos identitarios

Notações

Conceição Serôdio
Contributos para uma gestão integrada dos acervos nos museus portugueses

Joana d’Oliva Monteiro e Emília Ferreira
Dicionário biográfico de museólogos: contributos para a história dos museus e da museologia portuguesa

Ana Carvalho, Alexandre Matos e Manuel Morais Sarmento Pizarro
Competências para a transformação digital nos museus: o projecto Mu.Sa 

Recensões críticas

Cesar Agenor Fernandes da Silva
Rodrigo Christofoletti, org. – Bens Culturais e Relações Internacionais: O Patrimônio como Espelho do Soft Power

Inês Lourenço
Ana Carvalho – Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos

Joana d’Oliva Monteiro
Duarte Manuel Freitas – Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965)

Ana Carvalho
Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm e Viv Golding, eds. – Museums and Innovations

8.º número da MIDAS online “Objetos e museus: biografias, narrativas e vínculos identitários”

Imagem da capa: “Subliminal”, de Álvaro Pérez Mulas, 2008, Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2. Salamanca, Espanha © Álvaro Pérez Mulas. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: https://midas.revues.org/1149

Este número é dedicado ao tema «Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários» e foi coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Segundo os coordenadores, «este número faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação.» O número apresenta 11 artigos, uma notação e três recensões críticas de livros.

A capa deste número destaca a obra do espanhol Álvaro Pérez Mulas. Esta obra foi criada no âmbito da exposição realizada em 2008 no Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2, em Salamanca, Espanha. Segundo o artista: «con el texto compuesto a partir de las fotografías cuestionaba la necesidad social que se plantea en la actualidad de aprender a ver imágenes, ya que estamos inmersos en un entorno dominado por la comunicación visual. El espectador ya no sólo se preguntará qué es lo que ve o de dónde ha salido, además será invitado a cuestionarse lo que ve y cómo lo ve mediante la conjunción de signos que conforman dos lenguajes distintos, el plástico y el verbal. […] Pero la lectura verbal de las fotografías será subliminal, no inducida, porque el texto está implícito. El espectador que se acerque a las imágenes está invitado a leer en ellas, pero no tiene que sentirse obligado a ello. Es una cuestión de su capacidad de percepción y abstracción.»

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 08 | Dossier temático «Objetos e museus: biografias, narrativas e vínculos identitários»

Artigos

Carmen Gómez-Redondo
El objeto patrimonial como símbolo identitario en el museo

Patricia Delayti Telles
As miniaturas de “filiação política”: de objetos perigosos ao esquecimento

Inês Lourenço
As histórias alternativas do objeto: o cofre-relicário de São Francisco Xavier e a identidade religiosa dos goeses em Portugal

Diego Lemos Ribeiro, Mara Rosana Araujo Alessandretti, Ramile da Silva Leandro, Larissa Tavares Martins e Fabiane Rodrigues Moraes
A presença na ausência: a performance e a biografia dos objetos como ativadores de memória

Márcia Pinheiro Ferreira e Marcus Granato
A luneta de Bamberg no Museu de Astronomia e Ciências Afins: pesquisa e trajetória (1907-2016)

Cecilia de Oliveira Ewbank e Manuel Ferreira Lima Filho
Por detrás de uma coleção do Museu Nacional do Rio de Janeiro: vozes, silêncios e desafios

Aparecida Marina de Souza Rangel e Álea Santos de Almeida
Os cómodos do Museu Casa de Rui Barbosa enquanto museália

Cristina Barros Oliveira
Considerações sobre a biografia da instalação Oh la la,… oh la Balançoire/Microcosmos Tentacular de Susanne Themlitz

Margarida Brito Alves
Entre a casa, o mar e a galeria. Os objetos animados de Salette Tavares

Sofía Marín Cepeda
Patrimonio en conserva. Los vínculos indentitarios como clave de aprendizaje en el grado de magisterio

Olaia Fontal Merillas, Silvia García-Ceballos, Borja Aso Morán e Marta Martínez Rodríguez
Patrimonios, objetos e historias de vida. Análisis de propuestas educativas desde el Observatorio de Educación Patrimonial en España

Notações

José María Cuenca-López e Jesús Estepa-Giménez
Educación patrimonial para la inteligencia territorial y emocional de la ciudadanía

Recensões críticas

Francisco Providência
Inês Ferreira – Criatividade nos Museus: Espaços “Entre” e Elementos de Mediação

Vítor Oliveira Jorge
Ian Hodder – Studies in Human-Thing Entanglement

Luís Urbano Afonso
Adelaide Duarte – Da Coleção ao Museu. O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal

Revista MIDAS colabora no “I Foro Iberico de Jóvenes Investigadores en el Campo de la Museología”

Divulga-se o “call for papers” do “I Foro Iberico de Jóvenes Investigadores en el Campo de la Museología: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos”. Este encontro terá lugar no Museo Nacional de Escultura”, em Valladolid, a 18 Novembro 2017. Pretende-se o intercâmbio de conhecimentos e experiências entre investigadores portugueses e espanhóis que trabalham no campo da Museologia.

É organizado pelo Museo Nacional de Escultura, Grupo S U+M A [Universidad + Museo] e conta com a colaboração do ICOM Espanha e da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.

Envio de propostas de comunicações até 10 de Julho: cursos.museoescultura@mecd.es

Mais informações:

http://www.mecd.gob.es/mnescultura/actividades/actividades-especiales/foro-iberico.html

 

 

Chamada para artigos “Varia” e para coordenadores dossier temático

Foto: Ana Carvalho, 2016, Museu José Malhoa

Chamada para artigos para número “Varia”

Encontra-se aberta chamada para propostas para número “Varia” (n.º 9) da revista MIDAS, a publicar em Novembro de 2017. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras

– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Os textos devem ser enviados até 23 de junho de 2017 para: revistamidas@gmail.com

****

Chamada para propostas de coordenação de dossiers temáticos

Encontra-se aberta chamada para propostas de coordenação de dossiers temáticos para a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, com publicação prevista para Junho de 2018 (n.º 10).

A revista MIDAS acolhe propostas de profissionais e investigadores, nacionais e internacionais, interessados em coordenar dossiers temáticos que se enquadrem no domínio dos museus e suas práticas.

As propostas para coordenadores de dossiers temáticos devem contemplar o tema do dossier temático, bem articulado e focado numa área de relevância de interesse nacional e internacional. Os temas dos dossiers temáticos podem incluir diferentes abordagens e metodologias, e abranger temas inovadores e originais que ainda não tenham sido amplamente abordados pela revista.

Os coordenadores dos dossiers temáticos terão como responsabilidades:

  • Seleção preliminar dos artigos submetidos
  • Assegurar a aplicação do processo de avaliação por pares (peer-review), inclusive indicar os referees por artigo e fornecer uma recomendação final aos editores da revista. De acordo com a política seguida pela revista, todos os artigos, sejam convidados ou submetidos, são avaliados por dois especialistas externos (referees) em sistema de duplo anonimato (double-blind review)
  • Contribuir com um ensaio introdutório para o dossier temático
  • Assegurar o cumprimento dos prazos de publicação

A proposta para a coordenação de dossiers temáticos deve incluir:

– O(s) nome(s), email, afiliação e breve biografia do(s) coordenador(es) (não mais de 120 palavras, em texto corrido)

– A descrição e enquadramento do tema (1000-1500 palavras), incluindo os seguintes elementos:

  • título
  • objetivos e enfoque pretendido
  • temas a desenvolver
  • lista das referencias bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15)
  • 5 palavras-chave

– Lista de 10 potenciais referees para avaliar os artigos submetidos

– Lista de potenciais autores

A seleção das propostas será feita pelos editores da MIDAS, considerando os seguintes critérios:

– Adequação do tema à revista MIDAS

– Qualidade global da proposta: originalidade e contributo para o estudo e conhecimento científico em museus e Museologia

– Contexto teórico e fundamentação da proposta

– Relevância e clareza da proposta

– Integridade da proposta

– Experiência do(s) coordenador(es) no trabalho editorial

As propostas devem ser enviadas até ao dia 23 de junho para: revistamidas@gmail

Para mais informações contactar: revistamidas@gmail

Novo call for papers: Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Casa da Memória
Casa da Memória/Contextil 2014/Guimarães. Agosto 2014 © Paulo Duarte

Encontra-se aberto o call for papers para o 8.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado em Junho de 2017. Este número é subordinado ao tema: “Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários” e é coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2017 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Nota: Em Março de 2017 a MIDAS abre novo call for papers direccionado para o 9.º número (“Varia”) a publicar ainda em 2017 e um call for papers para propostas de dossiers temáticos (publicação em 2018).

Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Os objetos estão de volta à teoria social contemporânea com uma nova força. Seja na forma de bens de consumo, tecnologias de comunicação, obras de arte ou mesmo de espaços urbanos, um novo mundo de materialidades e objetividades surge agora com uma urgência que os transformou em novos lugares de questionamento e reflexão. Se as visões pós-estruturalistas e construtivistas de caráter mais radical tenderam a liquefazer tudo o que era sólido, agora é precisamente a solidez do que nos rodeia que nos capta a atenção, levando-nos, por exemplo, a atentar no imediatismo sensorial dos objetos com que vivemos, trabalhamos e conversamos; amamos e odiamos. A materialidade volta a ocupar um lugar central no discurso e na prática museológica e patrimonial, re-imaginando, a cada passo, o que de facto constitui esta materialidade.

Diferentes abordagens no âmbito da Museologia, antropologia, geografia, cultura material, estudos de ciência e tecnologia, design, sociologia do consumo e da cultura – para nomear apenas algumas –, apontam para uma compreensão da capacidade performativa e integradora dos objetos para ajudar a construir aquilo a que chamamos sociedade. Novas abordagens em relação à cultura material e visual, ao estudo de artefactos e das histórias enredadas de coleções apresentam o museu como um laboratório e a coleção como uma tecnologia de pesquisa. Importantes projetos interdisciplinares utilizam as coleções como forma de aproximação a questões mais amplas relacionadas com a arte, a cultura, a história ou mesmo com o meio ambiente. Métodos que nos chegam dos estudos literários, por exemplo, desenham abordagens para analisar objetos de memória bem reveladoras do apetite por novas formas de problematização e enquadramento destes temas. Este enfoque, de caráter mais literário, encontra-se bem patente em muitos trabalhos recentemente publicados, incluindo, Uma História do Mundo em 100 Objetos (MacGregor 2014), A Lebre dos Olhos de Âmbar (De Waal 2010), Objetos Evocativos: Coisas Com Que Pensamos (Turkle 2007), Parafernália: A Vida Curiosa das Coisas Mágicas (Connor 2011), O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo (Kurlansky 2003) ou Biografias de Objetos Científicos (Daston 2000). A abordagem biográfica de objetos levanta questões metodológicas substanciais relacionadas com a sua narrativa, estrutura e cronologia, representação da mudança, influência nas vidas humanas, comunidades e história material e, crucialmente, com a sua interpretação e visibilidade em museus. O estudo de caráter biográfico de objetos tem proporcionado áreas de pesquisa académica extremamente produtivas e inovadoras, incluindo o trabalho de Bill Brown sobre Thing Theory (2001); de Chris Gosden, Frances Larson e Alison Petch (2007) a partir das coleções do Museu Pitt Rivers; e, claro, os ensaios incluídos no volume já clássico editado por Arjun Appadurai, em 1986, nomeadamente sobre o valor e a troca de objetos. Ao concentrar-se mais atentamente na vida social dos objetos e nos seus efeitos expressivos, retroativos ou interpelantes da atividade humana, este número da MIDAS pretende incluir visões transversais entre os vários “novos materialismos”, forjando, ao mesmo tempo, ligações críticas com tropos mais clássicos e temas da história da Museologia.

Para além disso, ao incorporarmos os aspetos intangíveis (históricos, emocionais, espirituais) e relacionais (propriedade, pertença e identidade) dos objetos em museus, abrem-se, ainda, outras possibilidades de exploração que permitem a problematização de abordagens educacionais que representam o museu como contentor de património. Assim, considera-se o património como a relação que ocorre entre bens e pessoas, relação capaz de conectar os bens culturais com a sociedade a que pertence e o tempo legatário. Nessa lógica, os objetos convertem-se numa espécie de portadores de identidade que assume corporeidade através de narrativas, biografias e construções artísticas que se apresentam como uma manifestação do vínculo gerado entre os bens culturais e as pessoas. De resto, a criação de tais ligações não acontece apenas no espaço físico dos museus, mas, e cada vez mais, noutros espaços (incluindo virtuais). Todas estas relações são diferentes formas de manifestação da mesma aproximação: a relação de identidade entre indivíduos ou grupos e elementos patrimoniais.

Um outro enfoque que gostaríamos de incluir neste número da MIDAS, refere-se à relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus. É comum afirmar-se que os objetos facilitam a aprendizagem através do desenvolvimento de competências de observação e questionamento, permitindo conotações emocionais e fazendo com que ideias complexas se tornem compreensíveis. Neste ponto, privilegia-se a apresentação de discussões sobre estes conceitos a partir de investigação baseada, por exemplo, em estudo de casos.

Este número da revista MIDAS faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação. Os tópicos/questões propostas sobrepõem-se parcialmente devendo permitir o confronto de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e a produção de materiais diversificados.

Temas a desenvolver

 Preferencialmente, destacam-se três linhas de análise:

1. Relatos individuais: narrativas, biografias, construções artísticas em torno do objeto musealizado

Os artigos podem, por exemplo, oferecer relatos biográficos de objetos particulares. Textos que reflitam sobre a metodologia de biografias de objetos ou que apresentem projetos existentes relacionados com a vida dos objetos; textos que explorem a relação entre a curadoria e a auto/biografia a partir de objetos; a história dos museus (o museu como artefacto); e quaisquer outras facetas do tema em causa, devidamente justificadas.

2. Internet e redes sociais como cenário para gerar e partilhar os vínculos identitários sujeito-objeto

Através da Internet, os museus têm transformado a forma como se relacionam com os públicos. Geram-se sinergias que promovem uma maior autonomia dos públicos e que criam novos espaços de interação. Que novas formas de espaços sujeito-objeto, museus virtuais e redes sociais têm gerado? Será que este tipo de “extensão relacional” de museus nos permite refletir sobre o tipo de vínculos que estão a criar? Que novas formas de contar e narrar têm surgido e, portanto, que vozes estão a ser ouvidas através desses novos ambientes relacionais? O íntimo, o pessoal, o micro adquire aqui uma dimensão mais relevante, multiplicando-se e construindo conexões mais profundas em relação ao património.

3. A relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus

Qual o “valor acrescentado” que a aprendizagem baseada em objetos nos traz? Que abordagens se utilizam atualmente em museus e que evidências se procuram apresentar? Como podem os especialistas em educação ajudar os museus a falar sobre a aprendizagem baseada em objetos? Como podem os museus utilizar os objetos de forma mais criativa? E como é que essas abordagens diferem de outras para a produção de conhecimento? Qual o impacto, as oportunidades e os desafios do uso da tecnologia digital neste contexto? Que impacto poderá ter, por exemplo, a impressão 3D de objetos digitais para a experiência baseada em objetos? Que potenciais tecnologias poderemos utilizar no futuro? Neste contexto poderiam ainda ser exploradas outro tipo de questões.

Referências Bibliográficas

 Appadurai, Arjun, ed. 1986. The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Brown, Bill. 2001. “Thing Theory.” Critical Inquiry 28, 1, Things (Autumn, 2001): 1-22.

Connor, Steven. 2012. ‘Parafernalia’: La Curiosa Historia de Nuestros Objetos Cotidianos/Paraphernalia: The Curious Life of Magical Things. Barcelona: Editorial Ariel.

Daston, Lorraine, ed. 2000. Biographies of Scientific Objects. Chicago: University of Chicago Press.

De Waal, Edmund. 2012. A Lebre dos Olhos de Âmbar/The Hare with Amber Eyes. 3.ª ed. Porto: Porto Editora/Sextante.

Gosden, Cris; Frances Larson, e Alison Petch. 2007. Knowing Things: Exploring the Collections at the Pitt Rivers Museum, 1884-1945. Oxford: Oxford University Press.

Kurlansky, Mark. 2000. O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo/Cod – A Biography of the Fish That Changed the World. Lisboa: Terramar.

MacGregor, Neil. 2014. Uma História do Mundo em 100 objetos/A History of the World in 100 Objects. Lisboa: Temas e Debates e Círculo de Leitores.

Turkle, Sherry, ed. 2007. Evocative Objects: Things We Think With. Cambridge: MIT Press.

Editores convidados

Alice Semedo

Entre outras funções, tem sido professora de Museologia (desde 1994) e diretora do curso de mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) nos últimos anos. Neste curso leciona disciplinas que demonstram bem os seus diferentes interesses de ensino e investigação: museus e Museologia, estudos e gestão de coleções e, finalmente, políticas e práticas de comunicação em museus. Ultimamente tem centrado a sua atenção, essencialmente, nos seguintes temas: discursos e narrativas museológicas. espaços colaborativos de aprendizagem e a utilização de metodologias criativas/líquidas em contextos museológicos, orientando dissertações de mestrado e doutoramento nestas tão diferentes áreas. No âmbito das suas atividades académicas e profissionais tem procurado envolver-se e desenvolver projetos de diferente natureza, promovendo, por exemplo, a organização de conferências ou a organização/edição de livros; destaca-se, ainda, o seu envolvimento com uma outra revista científica, a Journal Museum Worlds. Nesta breve biografia interessa ainda dizer que começou por se licenciar em História, variante de Arqueologia, na Universidade de Coimbra e optou, depois, por desenvolver os seus estudos de pós-graduação e doutoramento na Universidade de Leicester onde fez, primeiro, um master degree com uma dissertação sobre gestão de coleções, apresentando, mais tarde e sob orientação de Susan Pearce, a tese de doutoramento intitulada The Professional Museumscape: Portuguese Poetics and Politics. Atualmente é também investigadora do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Olaia Fontal

Licenciada en Bellas Artes por la Universidad del País Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea, licenciada en Historia del Arte y doctora en Ciencias de la Educación por la Universidad de Oviedo. Es profesora titular en la Universidad de Valladolid en Educación Artística, autora de numerosos libros y artículos indexados en la temática de la educación patrimonial. Actualmente dirige el Observatorio de Educación Patrimonial en España (OEPE), una sucesión de tres proyectos de I+D+i y es co-coordinadora del Plan Nacional de Educación Patrimonial en España.

Alex Ubañez

Licenciado en Geografía e Historia, y doctor en Ciencias de la Educación, es profesor titular de Universidad de Didáctica de las Ciencias Sociales en la Universidad del País Vasco. Especialista en Educación Patrimonial, y docente de Investigación en Didáctica del Patrimonio en la Universidad de Huelva, ha codirigido cuatro tesis doctorales en este ámbito. Desde 2006, ha participado de manera ininterrumpida en equipos de investigación de proyectos de I+D+i del MINECO, siendo en la actualidad investigador principal en uno. Es miembro de la red de excelencia en investigación de las Ciencias Sociales, Red14 y ha sido redactor de la Plan Nacional de Educación Patrimonial de España.

Novo número da MIDAS online

Revista MIDAS 7
Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: http://midas.revues.org/1042

A capa deste número destaca a obra de Pedro Portugal a partir da exposição Gabinete da Politécnica – O Importantário Estetoscópio (2011), que é o resultado de uma expedição dirigida por Pedro Portugal aos arquivos, coleções, caves, sótãos, reservas, bibliotecas e arrecadações dos antigos Colégio dos Nobres e Escola Politécnica de Lisboa, hoje Museu de Ciência e Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. A experiência consistiu em obrigar os objetos naturais e não naturais das coleções a um diferente procedimento taxonómico e a resultados essencialmente visuais, com o objetivo de condicionar toda a história a ser contemporânea da forma como a arte contemporânea o faz. Os ossos, instrumentos, fósseis, plantas, animais naturalizados, foto-grafias e livros apresentados no “Gabinete da Politécnica” foram arrumados acientificamente. Todos os objetos foram submetidos à indução artificial da abstração, em que o seu significado é desvitalizado. Imagina-se que assim possam ser aceites como pertencendo a uma nova ordem do conhecimento, evidenciando outra eficácia e utilidade.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas portugueses para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

MIDAS 07 | Varia

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Publicado dossier sobre “Museus, discurso e poder”

midas6_b
“A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim, AIM #013 2010/16, 100 x 120 cm, 5+2 PA. © João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

O sexto número da MIDAS inclui um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso e Poder” e ainda quatro notações relativas a projectos.

O dossier foi coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e por Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, como realçaram os coordenadores.

****

MIDAS 06 | 2016
Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Novo número: “Varia” e Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Na imagem vê-se uma vitrine com folhagens e um réptil
Imagem de pormenor da obra “Conviver” (“To Coexist”) de Marta de Menezes na exposição colectiva “Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento” realizada na Reitoria da Universidade do Porto de 27 de janeiro a 30 de junho de 2007. Exposição comissariada por Paulo Cunha e Silva.

Acaba de publicar-se o 5.º número da MIDAS. Inclui 9 artigos, 2 Notações e 4 recensões críticas: http://midas.revues.org/759

Destaca-se o dossier dedicado à “Ciência e arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, coordenado por Marta Agostinho (comunicadora e gestora de ciência) e Pedro Casaleiro (museólogo).  «Ao promover este dossier, quisemos criar (mais) um espaço de reflexão sobre a SciArt desenvolvida, quer em Portugal, quer internacionalmente. O conjunto de trabalhos publicados (…) reflete em parte uma realidade composta por projetos ora investigativos, ora artísticos, ora de âmbito comunicacional, portanto de raiz diversa, ao mesmo tempo relevantes e entusiasmantes do ponto de vista da arte e ciência», sublinham os coordenadores do dossier.

A capa da revista MIDAS deste número destaca uma das obras (Conviver, 2007) de Marta de Menezes, uma das mais relevantes artistas portuguesas a trabalhar na interseção entre arte e biologia. Com esta escolha para a capa pretendeu-se instigar uma reflexão ou discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade. Na obra Conviver, Marta de Menezes reflecte sobre bioarte e as coleções dos museus. Nas palavras da autora:

«Conviver recria um ecossistema biológico no âmbito de uma coleção museológica. Exibe a própria vida, em oposição às representações do que é vivo. Confronta o detalhe e o particular – seja a célula, o órgão ou o ser vivo – com o global – o ecossistema.

Conviver proporciona a oportunidade para uma real interação entre o espectador e a obra de arte, em que, devido à sua natureza não é apenas dinâmico mas também imprevisível. Será que os museus e os depósitos deste novo século proporcionam condições para as obras de arte literalmente vivas? Uma coleção, um depósito, um museu: tradicionalmente compreendem conjuntos de objetos inanimados, e catalogados, que podem ser exibidos ao público, ou guardados ordenadamente num lugar escuro.

A componente viva das coleções, depósitos ou museus são os seres humanos que interagem com os objetos: limpando, selecionando, restaurando ou simplesmente contemplando. Mesmo as coleções zoológicas e botânicas consistem em representações de que é vivo, ou a preservação do que já o foi.

Nos últimos anos, os avanços na biologia molecular permitiram a modificação, patenteação e inclusive o uso artístico de genes, linhas celulares ou ainda organismos vivos. Vários museus e galerias de todo o mundo têm vindo a expor obras de arte biológicas, embora alguns deles – mais tradicionais – optem por apresentar registos documentais de obras vivas, seguindo a tradição das coleções zoológicas e botânicas. Esta coexistência de uma obra de arte viva com uma coleção museológica incita a uma reflexão sobre a evolução do conceito de museu de arte num momento histórico marcado pela revolução das tecnologias de informação e da biotecnologia.»

MIDAS 05:

Varia               

José Manuel Brandão, Liliana Póvoas e César Lopes
Geologia colonial: o protagonismo do museu da “Politécnica de Lisboa”

Maria João Mota
Uma experiência na área das reservas de têxteis

Dossier temático: «Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas», sob a coordenação de Marta Agostinho e Pedro Casaleiro

Marta Agostinho e Pedro Casaleiro
Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas

Camille Prunet
Liaisons entre art et science: les spécificités de l’art biotechnologique

Joana Ricou e Rob Dunn
Identidades híbridas: explorando individualidade e conetividade através do microbioma

Maria Manuela Lopes
Intertwined artistic practices: critical remarks on collaboration across fields of knowledge

Cristina Barros Oliveira
A relação entre arte e ciência na bioarte: estudo do caso da obra Nature? (1999-2000) de Marta de Menezes

Sandra Santos
Crossing borders: the path of photomicrography towards artistic recognition

Diana Marques e Robert Costello
Skin & bones: an artistic repair of a science exhibition by a mobile app

Notações

José Pintado Valverde
Neuston. Experimento 1. Explorando a interface. Uma experiência de diálogo entre ciência e arte no âmbito marinho

Ana Noronha e Gonçalo Praça
Programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia

Recensões críticas

Matthew Mackisack
Discoveries: Art, Science & Exploration [exposição]

Inês Ferreira
Linda Norris e Rainey Tisdale – Creativity in Museum Practice

Juliana Rodrigues Alves
Manuelina Maria Duarte Cândido – Gestão de Museus, um Desafio Contemporâneo: Diagnóstico Museológico e Planejamento

Sofia Romualdo
Jean-Paul Martinon (ed.) – The Curatorial: A Philosophy of Curating