9.º número da MIDAS online

Imagem da capa: “Panorama” (2001) de Carla Zaccagnini. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos, 3 artigos breves e 4 recensões críticas de livros. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1319

As imagens que fazem a capa do 9.º número da MIDAS integram a obra Panorama, 2001, de Carla Zaccagnini. São ampliações fotográficas de negativos em vidro pertencentes ao Museu de Aeronáutica da Fundação Santos Dumont (MAFSD) no Brasil. A obra foi desenvolvida para o Panorama da Arte Brasileira 2001 e originalmente apresentado no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), situado em frente à antiga sede do Museu de Aeronáutica. Panorama recupera um fragmento da coleção retirada dessa sede para apontar alguns indícios dos interesses políticos e pessoais que permearam a sua remoção do Parque Ibirapuera. O caso específico serve como exemplo para pensar a estrutura política por trás das decisões que regem os campos da cultura e do património. Além das fotografias ampliadas a partir de negativos pertencentes ao MAFSD, o trabalho consistia de uma janela nos painéis do MAM com vista para o pavilhão que o abrigava até 2000; um ensaio fotográfico de Alice Vergueiro que mostra a atual condição da coleção, no Centro Municipal de Campismo, publicados no livro “Panorama da Arte Brasileira” (2001, pp. 32 a 41); um fac-símile de uma página de jornal com um artigo que denuncia as negociações por trás dessa decisão (caderno Ilustrada, do jornal “Folha de S. Paulo” de 24 de maio de 2000); sete entrevistas a respeito da não publicação desse artigo no livro que acompanhou a mostra no MAM, publicadas na revista “item-5” (janeiro de 2002, pp. 118 a 125). Foram feitas duas cópias de cada negativo ampliado, tendo sido uma doada ao MAFSD.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 09 – Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Ana Rita Costa
Análise da utilização de coleções digitais: o caso do Museu Nacional de Machado de Castro

Simão Mateus e Cristiana Vieira
Life canvas: biological illustration as biographical evidence of illustrators’ and researchers’ careers

Ana Mehnert Pascoal
Breve reflexão sobre o património artístico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Olaia Fontal Merillas, Inmaculada Sánchez-Macías e Jesús Cepeda Ortega
Personas y patrimonios: análisis del contenido de textos que abordan los vínculos identitarios

Notações

Conceição Serôdio
Contributos para uma gestão integrada dos acervos nos museus portugueses

Joana d’Oliva Monteiro e Emília Ferreira
Dicionário biográfico de museólogos: contributos para a história dos museus e da museologia portuguesa

Ana Carvalho, Alexandre Matos e Manuel Morais Sarmento Pizarro
Competências para a transformação digital nos museus: o projecto Mu.Sa 

Recensões críticas

Cesar Agenor Fernandes da Silva
Rodrigo Christofoletti, org. – Bens Culturais e Relações Internacionais: O Patrimônio como Espelho do Soft Power

Inês Lourenço
Ana Carvalho – Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos

Joana d’Oliva Monteiro
Duarte Manuel Freitas – Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965)

Ana Carvalho
Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm e Viv Golding, eds. – Museums and Innovations

Publicação de Varia e dossier temático “Museus e Participação Biográfica”

Capa do 3.º número da MIDAS
Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils. Arranjo gráfico da capa, por Elisa Noronha Nascimento

O terceiro número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Este número incorpora a secção Varia e o dossier temático  «Museos y Participación Biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico», sob a coordenação de María Acaso e Andrea De Pascual, além das secções habituais: notações (pequenos artigos) e recensões críticas; cuja estrutura se irá manter nos próximos números.

Para a secção Varia foram selecionados cinco artigos de temáticas diversas. Os dois primeiros textos incidem sobre museus de arte contemporânea. No caso de Elisa N. Nascimento, o artigo resulta da sua tese de doutoramento, um estudo em torno de três estudos de caso: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), no Brasil. E Emília Ferreira traça o percurso e o trabalho desenvolvido pela Casa da Cerca-Centro de Arte Contemporânea, em Almada. O artigo de Teresa Azevedo também se insere no contexto dos museus de arte, ainda que a autora reflicta sobre a noção de atelier de artista e a sua musealização. Rui Mourão cruza a arte e a antropologia a partir do estudo das danças de Carnaval da ilha da Terceira, e do qual resultou uma exposição que passou por vários museus. Por fim, Irene Vaquinhas analisa o desenvolvimento dos museus da mulher no contexto internacional.

O dossier temático inclui quatro artigos e um texto introdutório das coordenadoras. Como referem María Acaso e Andrea De Pascual:

«En el conjunto de artículos de este dossier temático de la revista MIDAS se pueden encontrar otras metodologías para el diálogo y el empoderamiento, formas transformadoras de comisariado, producción cultural y del uso de la exposición como dispositivo, estrategias enfocadas a la incorporación de diferentes voces y biografías en el discurso institucional que derrumban la antigua hegemonía cultural y abren paso a nuevas identidades culturales en el museo. Ya en el 2011 Acaso lanzaba la pregunta “¿cómo cambiar el paradigma modernista en el que la educación se encuentra anclada y conectar con la realidad social posmoderna, transformando el museo de meta a micronarrativa?”» (parágrafo 10)

Em «Un quehacer cotidiano», David Lanau e Eva Morales dão a conhecer um projecto de mediação cultural em que se deu relevo e importância à incorporação e produção de conhecimento pelos participantes nas visitas guiadas da exposição homónima. Luciano Buchmann, em «Escolares nos Museus» reflecte sobre as visitas escolares nos museus brasileiros e sobre a necessidade de repensar a relação entre estudantes, museus e professores. O artigo «Ocupe o museu» de Manuelina Cândido e Nei Clara de Lima reflecte sobre a participação da população na concepção e no desenvolvimento de uma exposição no sentido de uma museologia mais participativa e inclusiva. Por último, «O projeto picar o ponto» de Roberto Leite e Célia Tavares apresentam o trabalho desenvolvido no âmbito da recolha de memórias dos antigos trabalhadores da Fábrica Robinson (Portalegre), entretanto musealizada.

A secção Notações incorpora três projectos em curso. LUPA é um projecto educativo que está a ser desenvolvido na cidade de Castelo Branco; e o projecto Do Museu ao Bairro promove a relação entre os habitantes do Bairro da Madragoa (Lisboa) e o Museu das Comunicações. Por fim, o Entroncamento de Histórias do Museu Nacional Ferroviário (Entroncamento) dá conta do processo de recolha de memórias de antigos operários ligados aos caminhos de ferro.

Na secção de recensões críticas destacam-se seis publicações ligadas à museologia e ao património no contexto nacional e internacional.

Todos os textos e artigos estão disponíveis na íntegra no website da revista: http://midas.revues.org.

Colaborações neste número: Elisa Noronha Nascimento (arranjo gráfico capa), Cristina Oliveira (conteúdos website) e Inês Fialho Brandão (revisão inglês).