CFP: Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social

A MIDAS tem chamada aberta para contributos para número temático “Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social”, a ser publicado em 2025. O dossier é coordenado por Elisa Noronha (CITCEM, Universidade do Porto) e María del Mar Flórez Crespo (Universidad de León). 

As propostas de artigos devem ser enviadas até 16 de setembro de 2024 para revistamidas@gmail.com

Mais informações sobre as normas de publicação da MIDAS: https://journals.openedition.org/midas/361

Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social

Nas últimas décadas, temos assistido a um impulso significativo na criação de instituições e espaços dedicados à arte moderna/contemporânea, tanto na Península Ibérica como para além destas fronteiras (Rolland e Murauskaya 2008). No que diz respeito aos museus espanhóis e portugueses, estes têm sido objeto de estudo em diferentes projetos de investigação (Lomba 2001; Layuno 2004; Barranha 2008; Grande 2009; Marzo e Mayayo 2015; Roigé 2016; Noronha 2017; Gilabert 2018) onde foi possível observar certas dinâmicas nas relações estabelecidas entre estas instituições especializadas em arte contemporânea e o contexto artístico, social ou cultural urbano.

No final do século passado, grandes cidades ibéricas, como Madrid e Barcelona, mas também outras de menor escala urbana, como Porto, Bilbau ou Valência, tornaram-se sedes de museus, sobretudo de arte moderna/contemporânea, que serviram de modelo para as novas infraestruturas construídas em Espanha e Portugal durante as primeiras décadas do século XXI. Da sua análise, derivaram estudos mais delimitados sobre o tema, principalmente dos casos paradigmáticos. Entre eles, o chamado “efeito Guggenheim” (Baudelle, Krauss e Polo 2015) é bem conhecido e tem sido um dos exemplos representativos, recentemente abordado em Espanha (Lorente e Juan 2022), que demonstrou a relação particular entre a criação de instituições museológicas e a gestação de distritos culturais.

Os museus têm sido considerados, com alguma frequência, no contexto de operações mediáticas e como agentes de revitalização económica do território, alinhando-se com a noção de “cidade criativa” proposta por teóricos como Charles Landry (2000) e Richard Florida (2009). Neste contexto, os museus e os centros culturais dedicados à arte contemporânea surgiram como elementos-chave, reflexo dessa criatividade humana e pedra angular do desenvolvimento económico e social, promovendo a renovação e a reabilitação do tecido urbano. Embora alguns casos possam ser mais bem-sucedidos do que outros, e as suas consequências mais ou menos positivas, os museus e centros culturais converteram-se numa parte, se não no epicentro, de tais campanhas de recuperação de bairros e, ao mesmo tempo, de influência na estrutura económica das cidades. Além disso, estas experiências estão também a ser realizadas em zonas periféricas para fazer face ao desafio do despovoamento, especialmente nos meios rurais.

É neste domínio que consideramos que os museus de arte moderna/contemporânea estão a demonstrar, especialmente, a sua capacidade de produzir efeitos no meio envolvente imediato, enquanto espaços de transformação, a partir do potencial criativo dos profissionais que trabalham na ou para a instituição, desenvolvendo práticas contextualizadas e situadas. Isto engloba diferentes facetas, como já demonstraram outros estudos de modelos museológicos internacionais que se desenvolveram paralelamente a esta situação, tanto numa perspetiva arquitetónica (Mack e Szeemann 1999), como na sua relação com o meio envolvente (Costanzo 2007; Gómez de la Iglesia 2007; Weibel e Buddensieg 2007; Zuliani 2009) ou na sua maior abertura ao contexto social (Domingues et al. 2003; Bonito Oliva et al. 2004). Este fenómeno não é isolado e está interligado com as mudanças na forma como os museus têm sido entendidos nas últimas décadas, que levaram à recente atualização da definição de museu pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM):

Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos e ao serviço da sociedade, que pesquisa, coleciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial. Abertos ao público, acessíveis e inclusivos, os museus fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Com a participação das comunidades, os museus funcionam e comunicam de forma ética e profissional, proporcionando experiências diversas para educação, fruição, reflexão e partilha de conhecimento. (ICOM 2022)

É neste contexto dinâmico que os museus de arte moderna/contemporânea se revelam como locais de incerteza, como instituições sensíveis não só às transformações nos modos de produção artística, mas também às mudanças sociais, económicas e culturais. Têm de equilibrar as suas funções tradicionais de colecionar, preservar, interpretar ou expor com uma capacidade de adaptação às mudanças, se pretendem participar plenamente no presente, facilitando zonas de negociação. É a partir deste contexto que valorizamos o facto de poderem surgir modelos alternativos através de práticas culturais e artísticas contemporâneas.

Temas a desenvolver

Assim, consideramos necessário dar maior visibilidade a estes museus de onde emanam diferentes formas de investigar, colecionar, conservar, interpretar ou expor o património. Não esquecendo também que os museus são centros de reflexão, de troca de conhecimento, de socialização e de entretenimento, procurando ser acessíveis, inclusivos e promover a participação das comunidades.

À luz destas circunstâncias, consideramos oportuno compreender melhor o panorama dos museus de arte moderna/contemporânea nas primeiras décadas do séc. XXI, considerando o crescimento particular dos últimos 25 anos. Esse enfoque permitir-nos-á explorar a forma como estas instituições estão a influenciar a vitalidade do ecossistema cultural a partir de perspetivas disciplinares heterogéneas. Com este dossier temático, procuramos também dar maior visibilidade ao trabalho, muitas vezes subvalorizado e insuficientemente conhecido, tanto pela sociedade como pelas diferentes esferas profissionais do sistema artístico, de museus localizados fora das grandes cidades.

Assim, interessam-nos estudos que abordem estas questões em museus de arte moderna/contemporânea com coleção própria e vocação museológica, independentemente da sua localização, privilegiando propostas com uma abordagem comparativa entre diferentes exemplos à escala internacional, com especial consideração pelos museus espanhóis e portugueses. Valorizamos a análise de modelos que marcaram tendências ou criaram um cânone, incluindo contra-modelos ou exemplos inovadores. São também bem-vindos estudos de caso significativos pelas suas boas práticas, estudos comparativos sobre as questões enunciadas, incluindo os elaborados na perspetiva do género, das comunidades LGTBIQ e de grupos minoritários, com base nas seguintes linhas temáticas:

  • O impacto urbano e territorial do museu, estudo dos aspetos arquitetónicos, incluindo a localização ao ar livre ou ambiente natural;
  • Modelos de gestão, política de coleções e/ou exposições, nomeadamente a construção de outras narrativas e imaginários ligados ao território;
  • Agência e responsabilidade social, seu valor e impacto positivo na comunidade, educação e ação cultural, educomunicação, políticas de acesso e/ou inclusão através de práticas artísticas contemporâneas.

Com base nas ideias enunciadas, podem ser desenvolvidas novas investigações originais e necessárias para documentar e analisar a situação a partir de múltiplos pontos de vista, incentivando o debate sobre a evolução histórica do atual contexto museológico ligado à arte contemporânea.

Organizadoras

Elisa Noronha
Investigadora Auxiliar Contratada no Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM) da Universidade do Porto (Portugal). Professora Auxiliar Convidada na área da Museologia na mesma Universidade. Doutora em Museologia pela Universidade de Porto. Membro do projeto de I+D+i “Museos de Arte Contemporáneo en España: su Engarce Territorial e Internacional” financiado pelo Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha (2023-2026). Os seus interesses atuais de investigação centram-se na relação entre arte contemporânea, património e envolvimento comunitário; e as suas implicações nas narrativas e discursos museológicos. Desenvolve também um trabalho mais autoral, que se concretiza com a curadoria de exposições e outras produções artísticas/culturais.

María del Mar Flórez Crespo
Professora Contratada no Departamento de Patrimonio Artístico y Documental da Universidad de León (Espanha). Doutora em História da Arte pela Universidad de León. Membro do projeto de I+D+i “Museos de Arte Contemporáneo en España: su Engarce Territorial e Internacional” financiado pelo Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha (2023-2026). Os seus interesses de investigação incluem a proteção do património cultural, a museologia, os estudos de cultura visual e a inovação educativa e pedagógica.

Referências

Barranha, Helena. 2008. “Arquitectura de Museus de Arte Contemporânea em Portugal: Da Intervenção Urbana ao Desenho do Espaço Expositivo.” Tese de doutoramento em Arquitetura, Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

Baudell, Guy, Gerhard Krauss e Jean-François Polo, eds. 2015. Musées d’art et Développement Territorial. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Bonito Oliva, Paolo Balmas Achille e Luigi Centola. 2004. Musei che Reclamano Attenzione. I fuochi dello sguardo. Roma: Gangemi Editore.

Costanzo, Michele. 2007. Museo Fuori dal Museo. Nuovi Luoghi e Nuovi Spazi per l’Arte Contemporánea. Milán: FrancoAngeli.

Domingues, Álvaro, Isabel Silva, João Teixeira Lopes e Alice Semedo, orgs. 2003. A Cultura em Acção. Impactos Sociais e Território. Porto: Ediçoes Afrontamento.

Florida, Richard. 2009. Who’s your City? How the Creative Economy is Making Where to Live the most Important Decision of your Life. New York: Basic Books.

Gilabert González, Luz María. 2018. “Génesis y Evolución del Sistema Español de Museos y la Red de Museos de España (1987-2011).” Revista de Museología 71 (8): 18-29.

Gómez de La Iglesia, Roberto, ed. 2007. Los Nuevos Centros Culturales en Europa. Vitoria-Gasteiz: Editorial Xabide.

Grande, Nuno. 2009. “Arquitecturas da Cultura: Política, Debate, Espaço – Génese dos Grandes Equipamentos Culturais da Contemporaneidade Portuguesa.” Tese de doutoramento em Arquitectura (Teoria e História da Arquitectura), Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

ICOM. 2022. “Definição: Museu.” ICOM (Conselho Internacional de Museus). Tradução portuguesa do ICOM Brasil, ICOM Portugal. https://icom-portugal.org/recursos/definicoes/

Landry, Charles. 2000. The Creative City. A Toolkit for Urban Innovation. London: Earthscan.

Layuno Rosas, María Ángeles. 2004. Museos de Arte Contemporáneo en España. Del “palacio de las artes” a la Arquitectura como Arte. Gijón: Trea.

Lomba Serrano, Concepción. 2001. “En el Comienzo del Milenio: Los Museos y Centros de Arte Contemporáneo en España.” En El Arte Español del Siglo XX. Su Perspectiva al Final del Milenio, coord. Miguel Cabañas, 497-509. Madrid: CSIC.

Lorente, Jesús Pedro e Natalia Juan García, coords. 2022. “El Efecto Guggenheim, en su 25 Aniversario.” Espacio Tiempo y Forma, serie VII, Historia del Arte 10: 249-254.

Lorente, Jesús Pedro. 1998. “Los Nuevos Museos de Arte Moderno y Contemporáneo bajo el Franquismo.” Artigrama. Revista del Depto. de Historia del Arte de la Univ. de Zaragoza 13: 295-313.

Mack, Gerhard e Harald Szeemann. 1999. Art Museums into the 21st Century. Basilea-Boston-Berlín: Birkhauser.

Marzo, Jorge Luis e Patricia Mayayo. 2015. Arte en España, 1939-2015: Ideas, Prácticas, Políticas. Madrid: Cátedra.

Noronha, Elisa. 2017. Discursos e Reflexividade: Um Estudo sobre a Musealização da Arte Contemporânea. Porto: Edições Afrontamento.

Roigé, Xavier. 2016. “Museos, Identidades Territoriales y Evolución de las Políticas Culturales en España.” En Treinta años de Políticas Culturales en España. Participación Cultural, Gobernanza Territorial e Industrias Culturales, coord. Joaquim Rius y Juan Arturo Rubio, 265-283. Valencia: Universitat de València.

Rolland, Anne-Solène y Hanna Murauskaya, eds. 2008. De Nouveaux Modèles de Musées? Formes et Enjeux de Créations et Rénovations de Musées en Europe, XIXe-XXIe Siècles. Paris: L’Harmattan.

Weibel, Peter e Andrea Buddensieg, eds. 2007. Contemporary Art and the Museum. A Global Perspective. Karlsruhe: ZKM.

Zuliani, Stefania. 2009. Effetto Museo: Arte, Critica, Educazione. Milán-Turín: Bruno Mondadori.

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.

Museus sob diferentes ângulos: uma proposta para as capas da MIDAS

Enquanto são afinadas as últimas questões para a publicação dos primeiros números da MIDAS e a preparação do novo website, aproveitamos para apresentar a nossa proposta para as capas do primeiro e segundo número.

Durante a pesquisa de imagens que poderiam dialogar com os objetivos e inquietações que animam a revista MIDAS, pensámos que as capas poderiam ser caracterizadas como uma espécie de sessão especial da revista, ou melhor, que poderiam ser mais que um espaço alusivo às discussões presentes em cada volume, configurando-se elas próprias como um espaço de reflexividade crítica. Porém, um outro tipo de reflexão que não a científica e textual, e sim a artística e imagética.

Assim, escolhemos para as capas da revista imagens de obras de artistas contemporâneos que incitam ou partem de um olhar crítico sobre o museu na sua relação com o mundo, trazendo para esta plataforma de discussão mais uma voz sobre os museus e suas práticas.

E é com entusiasmo que apresentamos nas capas dos dois primeiros números da revista MIDAS, imagens das obras dos artistas portugueses João Ferro Martins e Catarina Botelho, aos quais agradecemos publicamente a sua colaboração.

A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet' João Ferro Martins, Lisboa 2012 Créditos da imagem: © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'”
João Ferro Martins, Lisboa 2012
Créditos da imagem: © João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

João Ferro Martins nasceu em 1979 em Santarém. Frequentou na Escola Superior de Artes e Design (Caldas da Rainha) o curso de Artes Plásticas, dando início ao seu trabalho em pintura, desenho e fotografia. Reside em Lisboa desde 2003, onde a sua obra ganha presença tridimensional e sonora. Desenvolve também inúmeras ações que envolvem música, performance e vídeo. Participou em diversos eventos dos quais se destacam: “I wish this was a song, Music in Contemporary Art”, Nasjonalmuseet, Museet for samtidskunst, Oslo; “MNAA Olhares Contemporâneos”, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa; “Junho das Artes”, Museu Municipal de Óbidos; “A secreta vida das palavras”, Centro de Artes de Sines; “Bosch Young Talent Show (BYTS)”, Academy for Art and Design AKV s-Hertogenbosch, the Netherlands; “Correspondência #1”, Luísa Cunha/João Ferro Martins, Arte Contempo, Lisboa; “7 Artistas ao 10º Mês”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; entre outros (cf. http://joaoferromartins.blogspot.pt).

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

Catarina Botelho licencia-se em pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa em 2004 e, em 2008, integra o curso de Fotografia do Programa de Criatividade e Criação Artística da Fundação Calouste Gulbenkian. Vence o prémio BESrevelação em 2007 e em 2011 é nomeada para o prémio EDP Novos Artistas. Em 2012 é selecionada para o European Photo Exhibition Award e vence a convocatória aberta da Galeria espanhola Elba Benitez para a photoespanha. Expôs, entre outros locais, na Casa de Serralves, no Porto; Haus der Photographie em Hamburgo; Galeria Elba Benitez, em Madrid. (cf. http://catarina-botelho.blogspot.pt)

***

Post de Elisa Noronha

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search