9.º número da MIDAS online

Imagem da capa: “Panorama” (2001) de Carla Zaccagnini. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos, 3 artigos breves e 4 recensões críticas de livros. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1319

As imagens que fazem a capa do 9.º número da MIDAS integram a obra Panorama, 2001, de Carla Zaccagnini. São ampliações fotográficas de negativos em vidro pertencentes ao Museu de Aeronáutica da Fundação Santos Dumont (MAFSD) no Brasil. A obra foi desenvolvida para o Panorama da Arte Brasileira 2001 e originalmente apresentado no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), situado em frente à antiga sede do Museu de Aeronáutica. Panorama recupera um fragmento da coleção retirada dessa sede para apontar alguns indícios dos interesses políticos e pessoais que permearam a sua remoção do Parque Ibirapuera. O caso específico serve como exemplo para pensar a estrutura política por trás das decisões que regem os campos da cultura e do património. Além das fotografias ampliadas a partir de negativos pertencentes ao MAFSD, o trabalho consistia de uma janela nos painéis do MAM com vista para o pavilhão que o abrigava até 2000; um ensaio fotográfico de Alice Vergueiro que mostra a atual condição da coleção, no Centro Municipal de Campismo, publicados no livro “Panorama da Arte Brasileira” (2001, pp. 32 a 41); um fac-símile de uma página de jornal com um artigo que denuncia as negociações por trás dessa decisão (caderno Ilustrada, do jornal “Folha de S. Paulo” de 24 de maio de 2000); sete entrevistas a respeito da não publicação desse artigo no livro que acompanhou a mostra no MAM, publicadas na revista “item-5” (janeiro de 2002, pp. 118 a 125). Foram feitas duas cópias de cada negativo ampliado, tendo sido uma doada ao MAFSD.

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 09 – Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Ana Rita Costa
Análise da utilização de coleções digitais: o caso do Museu Nacional de Machado de Castro

Simão Mateus e Cristiana Vieira
Life canvas: biological illustration as biographical evidence of illustrators’ and researchers’ careers

Ana Mehnert Pascoal
Breve reflexão sobre o património artístico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Olaia Fontal Merillas, Inmaculada Sánchez-Macías e Jesús Cepeda Ortega
Personas y patrimonios: análisis del contenido de textos que abordan los vínculos identitarios

Notações

Conceição Serôdio
Contributos para uma gestão integrada dos acervos nos museus portugueses

Joana d’Oliva Monteiro e Emília Ferreira
Dicionário biográfico de museólogos: contributos para a história dos museus e da museologia portuguesa

Ana Carvalho, Alexandre Matos e Manuel Morais Sarmento Pizarro
Competências para a transformação digital nos museus: o projecto Mu.Sa 

Recensões críticas

Cesar Agenor Fernandes da Silva
Rodrigo Christofoletti, org. – Bens Culturais e Relações Internacionais: O Patrimônio como Espelho do Soft Power

Inês Lourenço
Ana Carvalho – Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos

Joana d’Oliva Monteiro
Duarte Manuel Freitas – Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965)

Ana Carvalho
Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm e Viv Golding, eds. – Museums and Innovations

MIDAS n.º 1 e n.º 2 online

Anunciamos que os dois primeiros números da MIDAS já foram publicados online. Esta dupla edição resulta de um apelo a artigos lançado em março de 2012. Atendendo ao número elevado de textos recebidos, a equipa decidiu organizar dois números que reúnem artigos de diversas temáticas e geografias (varia).

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012 © João Ferro Martins Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

No primeiro número, da constante reinvenção do museu dão notícia Joana Ganilho Marques, com os Museus Contemporâneos, e Carmen Pérez Almagro, em Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares.

Maria Lúcia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro (Documento e musealização: entretecendo conceitos), assim como Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos (Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos) colocam o enfoque na transdisciplinaridade dos museus, quer em relação à definição de conteúdos, quer no que concerne aos critérios de conservação.

Com Joana d’Oliva Monteiro retoma-se a noção do museu enquanto exposição – A Natureza-Morta na EuropaSegunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955), que esteve patente no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian em 2010.

A Museologia enquanto objeto de estudo e a literatura museológica são também motivo de reflexão, designadamente para Irene Vaquinhas (A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade) e Jesús Pedro Lorente (Revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global).

Nas recensões críticas merecem destaque os livros: Museu Etnográfico da Madeira (2009), por Luís Pequito Antunes, Expositions universelles, musées techniques et societé industrielle (2010), por João Paulo Martins, Coleções científicas luso-braileiras: património a ser descoberto (2010), por Pedro Casaleiro, e, finalmente, Le musée: entre la recherche et l’enseignment (2012), por João Pedro Fróis.

Pode ler os diferentes textos aqui: http://midas.revues.org/71 ( 1- 2013 Varia)

"Modo de Emprego #1", Catarina Botelho, Lisboa, 2012 Créditos da imagem:  © Catarina Botelho Créditos fotográficos:  Amélia Julio, 2012 Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha
“Modo de Emprego #1”, Catarina Botelho, Lisboa, 2012
Créditos da imagem: © Catarina Botelho
Créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Conceção gráfica da capa: Elisa Noronha

Identidade, comunidade e património fazem os destaques do segundo número da MIDAS. Abre com uma reflexão sobre o envolvimento dos públicos na construção museal e a problemática social da mediação, por Genoveva Oliveira, a que se segue a contribuição de Celina B. Pinto sobre o património cultural imaterial no Museu das Terras de Miranda, que procura estreitar laços com a comunidade, fazendo a ponte entre a cultura material e imaterial. Este tema é reforçado pelas três recensões na mesma temática que representam a tendência crescente a nível internacional deste novo enfoque: Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation, por Ana Carvalho, Património cultural imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos, por Elsa Peralta, e Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas“, por Ana Botas. Acresce a recensão de Irene Vaquinhas sobre o livro de Amado Mendes, que articula as questões do património (num contexto mais alargado) com a museologia e a educação.

No campo da identidade e da relação com a comunidade, Renata R. dos Santos, reflete sobre o Museu de Arte de Espírito Santo, em Vitória (Brasil), o último museu de arte das capitais brasileiras,  abordando os aspetos da programação e da ação educativa. Ainda do Brasil, Bianca G. de Souza e Eduardo I. Murguia, trazem uma reflexão sobre a cultura material, os objetos votivos do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Estado de São Paulo), e o significado social e simbólico que adquirem na sua passagem pela sala das promessas.

Este número inclui ainda uma análise do impacto da “nova museologia” nos museus argentinos, tendo como base o Museo Itinerante del Barrio de la Refineria, na cidade de Rosário (Santa Fé), por Horacio Zapata, Leonardo C. Simonetta e María L. Mansilla.

Outro tema sobre acessibilidade de grupos minoritários aos museus é abordado por Patrícia R. Martins, a inclusão social e os públicos com deficiência.

Noutro registo destaca-se a história da museografia em torno dos Painéis de S. Vicente no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e novas formas de interpretação na sua condição de ícone da Portugalidade, por Paula André e outros autores.

Em Notações, um espaço da revista dedicado a textos diversos menos extensos, inclui-se o monstro “bicorpóreo Eborense”, uma biografia de um “objecto” do séc. XVIII, por Luís Ceríaco, e notícias sobre o projeto de “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (por Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira), que atualmente já se encontra em fase de conclusão, com livro a ser editado pelo IHA.

Todos os textos estão disponíveis aqui: http://midas.revues.org/192 ( 1- 2013 Varia)

A revista terá ISSN. O pedido está em curso.