CFP: Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social

A MIDAS tem chamada aberta para contributos para número temático “Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social”, a ser publicado em 2025. O dossier é coordenado por Elisa Noronha (CITCEM, Universidade do Porto) e María del Mar Flórez Crespo (Universidad de León). 

As propostas de artigos devem ser enviadas até 16 de setembro de 2024 para revistamidas@gmail.com

Mais informações sobre as normas de publicação da MIDAS: https://journals.openedition.org/midas/361

Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social

Nas últimas décadas, temos assistido a um impulso significativo na criação de instituições e espaços dedicados à arte moderna/contemporânea, tanto na Península Ibérica como para além destas fronteiras (Rolland e Murauskaya 2008). No que diz respeito aos museus espanhóis e portugueses, estes têm sido objeto de estudo em diferentes projetos de investigação (Lomba 2001; Layuno 2004; Barranha 2008; Grande 2009; Marzo e Mayayo 2015; Roigé 2016; Noronha 2017; Gilabert 2018) onde foi possível observar certas dinâmicas nas relações estabelecidas entre estas instituições especializadas em arte contemporânea e o contexto artístico, social ou cultural urbano.

No final do século passado, grandes cidades ibéricas, como Madrid e Barcelona, mas também outras de menor escala urbana, como Porto, Bilbau ou Valência, tornaram-se sedes de museus, sobretudo de arte moderna/contemporânea, que serviram de modelo para as novas infraestruturas construídas em Espanha e Portugal durante as primeiras décadas do século XXI. Da sua análise, derivaram estudos mais delimitados sobre o tema, principalmente dos casos paradigmáticos. Entre eles, o chamado “efeito Guggenheim” (Baudelle, Krauss e Polo 2015) é bem conhecido e tem sido um dos exemplos representativos, recentemente abordado em Espanha (Lorente e Juan 2022), que demonstrou a relação particular entre a criação de instituições museológicas e a gestação de distritos culturais.

Os museus têm sido considerados, com alguma frequência, no contexto de operações mediáticas e como agentes de revitalização económica do território, alinhando-se com a noção de “cidade criativa” proposta por teóricos como Charles Landry (2000) e Richard Florida (2009). Neste contexto, os museus e os centros culturais dedicados à arte contemporânea surgiram como elementos-chave, reflexo dessa criatividade humana e pedra angular do desenvolvimento económico e social, promovendo a renovação e a reabilitação do tecido urbano. Embora alguns casos possam ser mais bem-sucedidos do que outros, e as suas consequências mais ou menos positivas, os museus e centros culturais converteram-se numa parte, se não no epicentro, de tais campanhas de recuperação de bairros e, ao mesmo tempo, de influência na estrutura económica das cidades. Além disso, estas experiências estão também a ser realizadas em zonas periféricas para fazer face ao desafio do despovoamento, especialmente nos meios rurais.

É neste domínio que consideramos que os museus de arte moderna/contemporânea estão a demonstrar, especialmente, a sua capacidade de produzir efeitos no meio envolvente imediato, enquanto espaços de transformação, a partir do potencial criativo dos profissionais que trabalham na ou para a instituição, desenvolvendo práticas contextualizadas e situadas. Isto engloba diferentes facetas, como já demonstraram outros estudos de modelos museológicos internacionais que se desenvolveram paralelamente a esta situação, tanto numa perspetiva arquitetónica (Mack e Szeemann 1999), como na sua relação com o meio envolvente (Costanzo 2007; Gómez de la Iglesia 2007; Weibel e Buddensieg 2007; Zuliani 2009) ou na sua maior abertura ao contexto social (Domingues et al. 2003; Bonito Oliva et al. 2004). Este fenómeno não é isolado e está interligado com as mudanças na forma como os museus têm sido entendidos nas últimas décadas, que levaram à recente atualização da definição de museu pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM):

Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos e ao serviço da sociedade, que pesquisa, coleciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial. Abertos ao público, acessíveis e inclusivos, os museus fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Com a participação das comunidades, os museus funcionam e comunicam de forma ética e profissional, proporcionando experiências diversas para educação, fruição, reflexão e partilha de conhecimento. (ICOM 2022)

É neste contexto dinâmico que os museus de arte moderna/contemporânea se revelam como locais de incerteza, como instituições sensíveis não só às transformações nos modos de produção artística, mas também às mudanças sociais, económicas e culturais. Têm de equilibrar as suas funções tradicionais de colecionar, preservar, interpretar ou expor com uma capacidade de adaptação às mudanças, se pretendem participar plenamente no presente, facilitando zonas de negociação. É a partir deste contexto que valorizamos o facto de poderem surgir modelos alternativos através de práticas culturais e artísticas contemporâneas.

Temas a desenvolver

Assim, consideramos necessário dar maior visibilidade a estes museus de onde emanam diferentes formas de investigar, colecionar, conservar, interpretar ou expor o património. Não esquecendo também que os museus são centros de reflexão, de troca de conhecimento, de socialização e de entretenimento, procurando ser acessíveis, inclusivos e promover a participação das comunidades.

À luz destas circunstâncias, consideramos oportuno compreender melhor o panorama dos museus de arte moderna/contemporânea nas primeiras décadas do séc. XXI, considerando o crescimento particular dos últimos 25 anos. Esse enfoque permitir-nos-á explorar a forma como estas instituições estão a influenciar a vitalidade do ecossistema cultural a partir de perspetivas disciplinares heterogéneas. Com este dossier temático, procuramos também dar maior visibilidade ao trabalho, muitas vezes subvalorizado e insuficientemente conhecido, tanto pela sociedade como pelas diferentes esferas profissionais do sistema artístico, de museus localizados fora das grandes cidades.

Assim, interessam-nos estudos que abordem estas questões em museus de arte moderna/contemporânea com coleção própria e vocação museológica, independentemente da sua localização, privilegiando propostas com uma abordagem comparativa entre diferentes exemplos à escala internacional, com especial consideração pelos museus espanhóis e portugueses. Valorizamos a análise de modelos que marcaram tendências ou criaram um cânone, incluindo contra-modelos ou exemplos inovadores. São também bem-vindos estudos de caso significativos pelas suas boas práticas, estudos comparativos sobre as questões enunciadas, incluindo os elaborados na perspetiva do género, das comunidades LGTBIQ e de grupos minoritários, com base nas seguintes linhas temáticas:

  • O impacto urbano e territorial do museu, estudo dos aspetos arquitetónicos, incluindo a localização ao ar livre ou ambiente natural;
  • Modelos de gestão, política de coleções e/ou exposições, nomeadamente a construção de outras narrativas e imaginários ligados ao território;
  • Agência e responsabilidade social, seu valor e impacto positivo na comunidade, educação e ação cultural, educomunicação, políticas de acesso e/ou inclusão através de práticas artísticas contemporâneas.

Com base nas ideias enunciadas, podem ser desenvolvidas novas investigações originais e necessárias para documentar e analisar a situação a partir de múltiplos pontos de vista, incentivando o debate sobre a evolução histórica do atual contexto museológico ligado à arte contemporânea.

Organizadoras

Elisa Noronha
Investigadora Auxiliar Contratada no Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM) da Universidade do Porto (Portugal). Professora Auxiliar Convidada na área da Museologia na mesma Universidade. Doutora em Museologia pela Universidade de Porto. Membro do projeto de I+D+i “Museos de Arte Contemporáneo en España: su Engarce Territorial e Internacional” financiado pelo Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha (2023-2026). Os seus interesses atuais de investigação centram-se na relação entre arte contemporânea, património e envolvimento comunitário; e as suas implicações nas narrativas e discursos museológicos. Desenvolve também um trabalho mais autoral, que se concretiza com a curadoria de exposições e outras produções artísticas/culturais.

María del Mar Flórez Crespo
Professora Contratada no Departamento de Patrimonio Artístico y Documental da Universidad de León (Espanha). Doutora em História da Arte pela Universidad de León. Membro do projeto de I+D+i “Museos de Arte Contemporáneo en España: su Engarce Territorial e Internacional” financiado pelo Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha (2023-2026). Os seus interesses de investigação incluem a proteção do património cultural, a museologia, os estudos de cultura visual e a inovação educativa e pedagógica.

Referências

Barranha, Helena. 2008. “Arquitectura de Museus de Arte Contemporânea em Portugal: Da Intervenção Urbana ao Desenho do Espaço Expositivo.” Tese de doutoramento em Arquitetura, Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

Baudell, Guy, Gerhard Krauss e Jean-François Polo, eds. 2015. Musées d’art et Développement Territorial. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Bonito Oliva, Paolo Balmas Achille e Luigi Centola. 2004. Musei che Reclamano Attenzione. I fuochi dello sguardo. Roma: Gangemi Editore.

Costanzo, Michele. 2007. Museo Fuori dal Museo. Nuovi Luoghi e Nuovi Spazi per l’Arte Contemporánea. Milán: FrancoAngeli.

Domingues, Álvaro, Isabel Silva, João Teixeira Lopes e Alice Semedo, orgs. 2003. A Cultura em Acção. Impactos Sociais e Território. Porto: Ediçoes Afrontamento.

Florida, Richard. 2009. Who’s your City? How the Creative Economy is Making Where to Live the most Important Decision of your Life. New York: Basic Books.

Gilabert González, Luz María. 2018. “Génesis y Evolución del Sistema Español de Museos y la Red de Museos de España (1987-2011).” Revista de Museología 71 (8): 18-29.

Gómez de La Iglesia, Roberto, ed. 2007. Los Nuevos Centros Culturales en Europa. Vitoria-Gasteiz: Editorial Xabide.

Grande, Nuno. 2009. “Arquitecturas da Cultura: Política, Debate, Espaço – Génese dos Grandes Equipamentos Culturais da Contemporaneidade Portuguesa.” Tese de doutoramento em Arquitectura (Teoria e História da Arquitectura), Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

ICOM. 2022. “Definição: Museu.” ICOM (Conselho Internacional de Museus). Tradução portuguesa do ICOM Brasil, ICOM Portugal. https://icom-portugal.org/recursos/definicoes/

Landry, Charles. 2000. The Creative City. A Toolkit for Urban Innovation. London: Earthscan.

Layuno Rosas, María Ángeles. 2004. Museos de Arte Contemporáneo en España. Del “palacio de las artes” a la Arquitectura como Arte. Gijón: Trea.

Lomba Serrano, Concepción. 2001. “En el Comienzo del Milenio: Los Museos y Centros de Arte Contemporáneo en España.” En El Arte Español del Siglo XX. Su Perspectiva al Final del Milenio, coord. Miguel Cabañas, 497-509. Madrid: CSIC.

Lorente, Jesús Pedro e Natalia Juan García, coords. 2022. “El Efecto Guggenheim, en su 25 Aniversario.” Espacio Tiempo y Forma, serie VII, Historia del Arte 10: 249-254.

Lorente, Jesús Pedro. 1998. “Los Nuevos Museos de Arte Moderno y Contemporáneo bajo el Franquismo.” Artigrama. Revista del Depto. de Historia del Arte de la Univ. de Zaragoza 13: 295-313.

Mack, Gerhard e Harald Szeemann. 1999. Art Museums into the 21st Century. Basilea-Boston-Berlín: Birkhauser.

Marzo, Jorge Luis e Patricia Mayayo. 2015. Arte en España, 1939-2015: Ideas, Prácticas, Políticas. Madrid: Cátedra.

Noronha, Elisa. 2017. Discursos e Reflexividade: Um Estudo sobre a Musealização da Arte Contemporânea. Porto: Edições Afrontamento.

Roigé, Xavier. 2016. “Museos, Identidades Territoriales y Evolución de las Políticas Culturales en España.” En Treinta años de Políticas Culturales en España. Participación Cultural, Gobernanza Territorial e Industrias Culturales, coord. Joaquim Rius y Juan Arturo Rubio, 265-283. Valencia: Universitat de València.

Rolland, Anne-Solène y Hanna Murauskaya, eds. 2008. De Nouveaux Modèles de Musées? Formes et Enjeux de Créations et Rénovations de Musées en Europe, XIXe-XXIe Siècles. Paris: L’Harmattan.

Weibel, Peter e Andrea Buddensieg, eds. 2007. Contemporary Art and the Museum. A Global Perspective. Karlsruhe: ZKM.

Zuliani, Stefania. 2009. Effetto Museo: Arte, Critica, Educazione. Milán-Turín: Bruno Mondadori.

Chamada para artigos número “Varia”

© A. Carvalho

Encontra-se aberta chamada para contributos para número “Varia” (não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2024. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) no formato de artigos (até 6 000 palavras) e notações (artigos breves, até 3 000 palavras).

Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

As propostas devem ser enviadas até 5 de abril de 2024 para: revistamidas@gmail.com

Publicado novo número da MIDAS

 

“Cartazes para o Museu do Homem do Nordeste”, 2013, de Jonathas de Andrade. © Aurélien Mole. Conceção da capa: Elisa Noronha

Já se encontra disponível em acesso aberto um novo número da revista MIDAS: https://doi.org/10.4000/midas.4518

Este número “Varia” (17) é coordenado por Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva.

****

MIDAS 17

Editorial
Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Macarena Cuenca-Amigo, Eloísa Pérez Santos e María Jesús Monteagudo
A satisfactory visitor experience: dimensions and contextual components of Spanish museums

Leonardo Gonçalves Ferreira e Letícia Julião
Um poeta em exposição: os públicos e a expografia do museu dedicado a Augusto dos Anjos

Fabiana Dicuonzo
The liminal museum. An investigation of the socio-educational processes starting from architecture

Irene Sánchez Izquierdo
Museos y territorio en la frontera hispano-portuguesa: patrimonios para el futuro en el noreste transmontano

Ariadna Ruiz Gómez
Los debates del concepto de “museo” del Consejo Internacional de Museos en clave luso e hispanoparlante

Notações

Henrique Couto e Maria Teresa Crespo
Retrieving history: the liquid-preserved collection of the Museu do Mar – Rei D. Carlos

Cláudia Furtado
Experimente (delicadamente)! Considerações sobre a exposição de instrumentos musicais

Entrevista

Olaia Fontal, Elisa Noronha e Patrícia Roque Martins
Educação patrimonial: criar e conceptualizar vínculos. Uma entrevista com Olaia Fontal

Recensões críticas

Giulia Lamoni
Tudo o que eu quero. Artistas Portuguesas de 1900 a 2020 [Exposição e catálogo]

Bruna Toledo Gomes
Joshua Adair e Amy Levin, ed. – Museums, Sexuality, and Gender Activism

Chamada para a organização de números temáticos

© Ana Carvalho

Encontra-se aberta chamada de propostas para a organização de números temáticos sobre temas originais e inovadores no âmbito da teoria da museologia e das suas práticas.

A proposta de número temático deve incluir: título; texto de apresentação (até 2500 palavras) sobre o contexto, os objetivos e os contributos do número temático; lista das referências bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15); títulos e resumos dos artigos; nota biográfica de cada autor/a (até 150 palavras) e de cada organizador/a.

As propostas avaliadas positivamente serão publicadas em 2025.

Mais informações sobre o envio, seleção e avaliação das propostas: https://journals.openedition.org/midas/178

As propostas devem ser enviadas até 15 de fevereiro de 2024 para: revistamidas@gmail.com

Novo número da MIDAS: “Museologia: Encontros e Diálogos Ibéricos”

 

Capa da revista, em que em baixo se identifica uma imagem a preto e branco e que consiste numa estrada onde 5 camiões seguem carregando 5 letras que formam a palavra "museu"
“Museu”, 1999 © Luis Asín. Arquivo Mansilla + Tuñón Arquitectos. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado: “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos”. Conta com coordenação de Ana Carvalho e de Susana. S. Martins. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/3700

****

MIDAS 16: | “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos

Coord. de Ana Carvalho e Susana S. Martins

Editorial | Diálogos e encontros ibéricos sobre museologia.
Notas para um campo em construção

Artigos

Raquel Henriques da Silva
Memória e mitos. O touro na obra de Jorge Vieira. A exposição como campo alargado

María Bolaños
La mirada de Georges Salles

Ana Cristina Martins
A importância de estagiar em Madrid: uma nova visão sobre os museus de arqueologia em Portugal (anos 50 do séc. XX)

Filipa Coimbra
Por um “arquivo vivo”: uma abordagem decolonial à coleção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian

João Luís Fernandes
A coleção Marciano Azuaga: Gaia e Porto na segunda metade do século XIX e primeira década do século XX

Joana Miguel Almeida
Memórias e experiências para além da exposição: (re)visitar o passado no Museu do Aljube

Sara Castellano Sansón
Los museos de La Raya y sus proyectos educativos: una herramienta de diplomacia cultural

Inês Silvestre
O Centro de Arte Contemporânea e o Museu Nacional de Soares dos Reis. Análise de uma parceria institucional

Notações

Gemma Domènech i Casadevall
El impacto de la Guerra Civil española en la configuración de los museos. El caso del Museu d’Art de Girona

Diana Zárate-Zúñiga, Lourdes Prados Torreira e Francesca Romagnoli
El proyecto de investigación VEMOS: una propuesta para visibilizar a los grupos marginados en los museos arqueológicos

Ensaios

Marta Branco Guerreiro
Escrito na areia: notas para um arquivo da participação

Recensões críticas

Graça Filipe
Dóris Santos – Arte, Museus e Memória – A Imagem Marítima da Nazaré

Sara Albuquerque
Luís Ceríaco – Zoologia e Museus de História Natural em Portugal (Séculos XVIII-XIX)

Rita Salgueiro
The Perpetuation of Site-Specific Installation Artworks in Museums: Staging Contemporary Art

Helena Barranha
Visionárias [Exposição]

Ana Lúcia Luz
Topomorphias [Exposição]

Gonçalo de Amaro Carvalho
Naturaleza Observada. Arte y Patrimonio e Trabajos de Campo – Field Works [Exposições]

Novo número da MIDAS – n.º 15

Performance “Ruminar o Museu”, dos artistas André Alves, Filipa Araújo e Max Fernandes. No Centro Internacional de Arte José de Guimarães, a 18 de Maio de 2022, no âmbito do Dia Internacional dos Museus.
© Fotografia de Joana Mendonça. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – o n.º 15 – acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.3418

Agradecemos aos autores e autoras que nos enviaram as suas propostas de artigos e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial aos artistas portugueses: André Alves, Filipa Araújo e Max Fernandes por nos ceder uma imagem da performance: “Ruminar o Museu” para a capa deste número; e à Elisa Noronha Nascimento pela curadoria e arranjo final da capa.

****

MIDAS 15 – “Varia”

Sob a coordenação de Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Pedro da Silva e Inês Moreira
Curadoria em arte/arqueologia: processos de proto e pós-escavação

Sandra Silva
Arte espacial e arquiteturas espaciais: explorando ligações

Inês Azevedo
Reflexões sobre patrimonialização: a arte e a mediação no Museu Casa das Imagens

Notações

Ana Temudo
Victor Bandeira and the collections of the National Museum of Ethnology: notes from fieldwork

Sónia Faria
Visita virtual interativa ao Museu do Centro Hospitalar do Porto: uma proposta de mediação digital

Recensões críticas

Raquel Henriques da Silva
Isabel Falcão – Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte

Maria João Fonseca
Mariana Soler – Biodiversidade Musealizada – Formas que comunicam

Beatriz Medori
Quintino Lopes – Armando de Lacerda e o Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra (1936-1979)

Francisca Listopad
Harrison, Rodney et al. – Heritage Futures. Comparative Approaches to Natural and Cultural Heritage Practices

Lorea Ariadna Ruiz Gómez
Jesús Pedro Lorente – Reflections on Critical Museology: Inside and Outside Museums

Sandrine Simon
Hortas de Lisboa: Da Idade Média ao Século XXI [exposição]

Marta Branco Guerreiro
Planta Pedra [exposição]

Call for papers numero “Varia”, 2023

 

Imagem de Ian Dooley via Unsplash

Encontra-se aberto call for papers para número “Varia” (não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2023. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros e de exposições, até 1 500 palavras

– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 15 de fevereiro de 2023 para: revistamidas@gmail.com

Chamada para números temáticos

 

© Ana Carvalho

Encontra-se aberta chamada para propostas de números temáticos sobre temas originais e inovadores no âmbito da teoria da museologia e das suas práticas.

A proposta deve incluir: título; texto de apresentação (até 2500 palavras) sobre o contexto, os objetivos e os contributos do número temático; lista das referências bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15); títulos e resumos dos artigos; nota biográfica de cada autor/a (até 150 palavras) e de cada organizador/a.

As propostas avaliadas positivamente serão publicadas em 2024.

Mais informações sobre o envio, seleção e avaliação das propostas: https://journals.openedition.org/midas/178

As propostas devem ser enviadas até 15 de fevereiro de 2023 para: revistamidas@gmail.com

Publicado 14.º número da MIDAS

Trata-se da capa da revista que tem por base imagens a preto e branco de esculturas maconde
Dossiê R – Parede-espelho (estudo). Exposição “R-Humor” (2020) da artista e investigadora Catarina Simão. © Catarina Simão. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – o n.º 14 – acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/2997

Agradecemos aos autores e autoras que nos enviaram as suas propostas de artigos e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial à artista portuguesa Catarina Simão por nos ceder uma imagem da obra: “Dossiê R” para a capa deste número e à Elisa Noronha Nascimento pela curadoria e arranjo final da capa.

****

MIDAS 14 – “Varia”

Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Bruno Brulon e Leandro Guedes
Por uma etnopreservação integral do patrimônio: a biografia de quatro máscaras Waurá

António Cota Fevereiro
As singularidades da Sala Chineza no Palácio da Ajuda: contextualização histórica e contributos para a sua museografia

Notações

Ana Gago
(Re)criar o património: levantamento de tendências na programação de residências artísticas em Portugal

Rita Grácio, Nuno Cintra Torres, Célia Quico, Isabel Duarte, Rute Muchacho e Eduardo Morais Sarmento
muSEAum: branding e comunicação dos museus de mar de Portugal

Ensaios

Victor Oliveira Jorge
Máquina Museu

Recensões críticas

Maria Emanuel Albergaria
Marta Ornelas – Museus e Escolas: As Relações Pedagógicas e o Papel dos Museus

Maria de Fátima Nunes
Stefanie Gil Franco – Os Imperativos da Arte: Encontros com a Loucura em Portugal no Século XX

Rocío Raposo Camacho
José María Cuenca López, Jesús Estepa Giménez e Myriam José Martín-Cáceres (eds.) – Investigación y Buenas Prácticas en Educación Patrimonial entre la Escuela y el Museo

Leticia Pérez Castellanos
Metodologías para el Recuento de Visitantes

Sónia Duarte
Historia de dos Pintoras: Sofonisba Anguissola y Lavinia Fontana [exposição e catálogo]

Irene Sánchez Izquierdo
Exhibitions as Research. Experimental Methods in Museums

Call for papers numero “Varia”, 2022

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), Lisboa, 2022 © Ana Carvalho

Encontra-se aberto call for papers para número “Varia” da revista MIDAS, a publicar em 2022. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras

– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 9 de setembro de 2022 para: revistamidas@gmail.com

Novo número temático da MIDAS: Políticas culturais e museus

“Lição de casa: museus” (2012-2015) [fotografia criada a partir do interior do Museu Nacional de Machado de Castro, observando a sua área envolvente] © Aline Dias. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

Acaba de ser publicado o mais recente número da revista MIDAS, o dossier temático “Políticas Culturais e Museus”, coordenado por Ana Carvalho, Clara Frayão Camacho e Raquel Henriques Silva. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/2682

Agradecemos o empenho dos autores e autoras, aos referees pela colaboração e disponibilidade, e à Sofia Carvalho pelo apoio na revisão editorial.

A escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade sob o olhar dos artistas contemporâneos. Um agradecimento especial à artista brasileira Aline Dias por nos ceder uma imagem da série de fotografias “Lição de casa: museus” para a capa deste número.  A fotografia foi criada a partir do interior do Museu Nacional de Machado de Castro, em Coimbra, observando a sua área envolvente. Agradecemos também à Elisa Noronha Nascimento pela curadoria da capa e pelo arranjo gráfico final.

****

MIDAS 13 – Políticas Culturais e Museus

Sob a coordenação de Ana Carvalho, Clara Frayão Camacho e Raquel Henriques da Silva

Editorial | Políticas culturais e museus: algumas perspectivas

Artigos

José Soares Neves | Políticas culturais de museus em Portugal: ciclos e processos de reflexão estratégica participada

Graça Filipe, Conceição Serôdio, Leonor Calvão Borges e Ana Margarida Dias da Silva | Reflexão sobre políticas públicas e gestão de coleções em instituições de memória em Portugal

Ana Temudo | Current challenges to African cultural heritage: A case study of Guinea-Bissau

Carolina Silva | O impacto das políticas culturais no desenvolvimento de programas para jovens na Tate entre 1989 e 2019

Ensaios

Sara Barriga Brighenti | A cultura e a promoção da democracia: Recomendações da Carta do Porto Santo para os museus

Recensões críticas

Flora Maravalhas | Félix Dupin-Meynard e Emmanuel Négrier, ed. – Cultural Policies in Europe: a Participatory Turn?

Laura Castro | Robert R. Janes e Richard Sandell, eds. – Museum Activism

Sofia Carvalho | Alejandra Alonso Tak e Ángel Pazos-López (eds.)  – Socializing Art Museums: Rethinking the Publics’ Experience

André de Soure Dores | Luís Filipe da Silva Soares – O Palácio Nacional da Ajuda e a sua Afirmação como Museu

José Gabriel Andrade | Diana Marques – Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores

Miguel Ferrão | Sofia Ponte – Transformar Arte Funcional em Objeto Museal

Publicado novo número da MIDAS

A imagem mostra um chão escuro e no topo da imagem um par de sapatos, pretos, cortados nas extremidades.
Detalhes das obras “de joelhos” (2011-2018) e “quinto dedo” (2018) de Armanda Duarte © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – n.º 12 –  acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.2312

Agradecemos a todos aqueles que nos enviaram as suas propostas de artigos e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial à artista portuguesa Armanda Duarte por nos ceder uma imagem das obras: “de joelhos” (2011-2018) e “quinto dedo” (2018) para a capa deste número e à Elisa Noronha Nascimento pela conceção e arranjo final da capa.

****

MIDAS 12 – “Varia”

Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Filipa Coimbra
A Coleção Moderna do Museu Calouste Gulbenkian durante o PREC

Ana Mehnert Pascoal
Encenação do Estado Novo na exposição Quinze Anos de Obras Públicas (Lisboa, 1948)

Maria Elvira Callapez, Raquel Ferreira Coimbra, Sara Marques da Cruz, Vânia Carvalho e Susana França de Sá
A exposição Plasticidade – Uma História dos Plásticos em Portugal: um processo participativo no Museu de Leiria

Notações

António Meireles e Joana Baião
Laboratório de Artes na Montanha – Graça Morais: um projeto em construção

Elementos para a história da museologia

Ana Carvalho
Building the field of museum studies in Portugal: The role of publications

Recensões críticas

Vanessa Henriques Antunes
Carmina Montezuma – Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte

Daniel Barroca
Albano Mendes, Ramon Sarró e Ana Temudo – O Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau: Imagens para uma História

Maria Alice Samara
Alexandre Oliveira – Herança de António Ferro. O Museu de Arte Popular

Margarida Melo Sampaio
Tula Giannini e Jonathan P. Bowen (ed.) – Museums and Digital Culture: New Perspectives and Research

 

Call for papers número “Varia”, 2021

na imagem uma exposição
Imagem: Museu de Quioto, Japão, 2019, de Ana Carvalho

Encontra-se aberto call for papers para número “Varia” (número não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2021. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras

– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Os textos devem ser enviados até 19 de fevereiro de 2021 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações: https://journals.openedition.org/midas/2371

Novo número temático da MIDAS: Perspetivas sobre o museu eclético

No centro da imagem vê-se um cubo de pedra
Imagem da capa: “Maqueta de Museu” (2009) de Francisco Tropa © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

Acaba de ser publicado o mais recente número da revista MIDAS, o dossier temático “Perspetivas sobre o Museu Eclético”, coordenado por Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1586

Agradecemos o empenho das coordenadoras do dossier, aos autores e autoras, e aos referees pela colaboração e disponibilidade. Um agradecimento especial ao artista português Francisco Tropa por nos ceder uma imagem da sua obra “Maqueta de Museu” (2009) para a capa deste número e à Elisa Noronha Nascimento pela conceção e arranjo final da capa.

****

MIDAS 11 – Perspetivas sobre o museu eclético – Coordenação de Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro
Caixas de tesouros. Um dossier sobre o museu ecléctico

Artigos

Paula Mesquita Leite Santos
Jean Pillement (Lyon, 1728-1808) e os colecionadores do Porto. Pintura nos Museus Nacionais de Soares dos Reis e de Arte Antiga

Marize Malta
Gostos ecléticos em coleções, repercussões em museus nacionais e o caso da coleção Ferreira das Neves

Maria de Fátima Lambert
Viagens ecléticas, residências e obras: Maria Graham artista-autora-viajante

Ramiro A. Gonçalves
Para além da Pintura. Alguns apontamentos sobre as outras coleções do conde Daupias

Ana Cristina Martins
Páginas da vida de um jovem arqueólogo: Francisco Tavares Proença Júnior (1883-1916)

Duarte Manuel Freitas
Para uma árvore genealógica museológica: o caso singular do Museu Machado de Castro

Raquel Henriques da Silva
A Casa-Museu Fernando de Castro: das colecções e das fantasmagorias

Recensões críticas

Paulo Simões Rodrigues
Hugo Xavier – O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa

João Luís Cardoso
Elisabete J. Santos Pereira – Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930)

Vera Mariz
Maria João Vilhena de Carvalho – A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena

Susana S. Martins
The Art of Collecting [exposição]

Call for papers: Políticas culturais e museus

Acropolis Museum, Grécia, 2016 © Ana Carvalho

Encontra-se aberto o call for papers para dossier temático da revista MIDAS sobre “Políticas Culturais e Museus”, a ser publicado em 2021. O dossier é coordenado por Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades, Universidade de Évora), Clara Frayão Camacho (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa) e Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelas editoras convidadas. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 30 de janeiro de 2021 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Políticas culturais e museus

O desenvolvimento dos museus é, em grande medida, influenciado pelas políticas culturais de cada país. Por política cultural entendemos a definição e promoção de um conjunto de valores e de ações na esfera da cultura, cujos objetivos podem ser explícitos ou implícitos, mais ou menos estruturados ou consistentes, que num dado momento ou contexto procuram responder às necessidades e preocupações na sociedade onde se inscrevem, atendendo aos recursos disponíveis. O seu desenvolvimento é por isso mutável, variando conforme as mudanças que se operam nas sociedades, refletindo em cada momento aspetos que são mais valorizados em detrimento de outros.

O desenvolvimento e a implementação de políticas culturais é uma responsabilidade dos Estados, refletida na atuação de múltiplos actores na esfera pública e a vários níveis de governação: central, regional e local. No domínio das políticas culturais destaca-se igualmente a influência e o agenciamento de outros enquadramentos, atores, instrumentos e orientações (ex. cartas, convenções, recomendações, relatórios) a escalas supranacionais, nomeadamente ao nível da União Europeia, de forma mais direta ou indireta (Höglund 2012), ou a uma escala mais global (ex. UNESCO).

A formulação de políticas culturais varia também em função do contexto histórico, cultural, social, económico e filosófico ou ideológico em que se produzem, que difere de país para país. Por essa razão também não é raro identificarem-se diferentes abordagens na forma como se definem, desenvolvem e se implementam políticas culturais, cujos aspetos comuns e diferenciadores são também objeto de comparabilidade (Anico 2009; Poirrier 2011; Lill e Arne 2012).

O enquadramento em que se definem políticas culturais é ainda condicionado por eventos ou fenómenos de escala mais global, que podem introduzir mudanças significativas e aportar impactos para as políticas culturais nacionais. Esse é o caso da globalização, mas também de crises diversas, de que é exemplo a pandemia Covid-19, exemplo de uma crise de saúde pública que tem afetado todos os setores da sociedade. Mas poderiam ainda ser citadas outras crises, como as de origem económica (ex. crise financeira internacional pós-2008; ou a crise da dívida soberana portuguesa a partir de 2011), política (ex. movimentos de contestação social antirracismo, entre outros), social (ex. movimentos migratórios e crise de refugiados) ou ambiental (ex. Antropoceno), entre outras.

O impacto das políticas culturais pode ser determinante para potenciar (ou não) o lugar dos museus na sociedade, o seu desenvolvimento, alcance e relevância. Enquanto beneficiários das políticas culturais de cada país, os museus são influenciados pelo pensamento gizador dessas políticas, dos seus objetivos e estratégias, das prioridades, dos mecanismos e instrumentos de gestão, controle e regulação implementados, assim como dos recursos alocados (financeiros e humanos). A reorganização de museus, seja por via da criação de novos museus, encerramento/extinção, fusão ou investimento na sua expansão ou requalificação, a distribuição de recursos, incluindo o seu aumento e/ou redução, a diversificação de fontes de financiamento, a descentralização, a desconcentração, a criação de redes e a credenciação de museus, a regionalização, a privatização de museus ou de parte da sua atividade, a diversificação de modelos de gestão, e a produção e regulação legislativa são alguns dos aspetos geralmente explorados e desenvolvidos sob a alçada das políticas públicas. Também inerentes às políticas públicas são as formas como se estruturam as instituições de enquadramento, compreendendo a (re)organização de organismos do Estado, assim como as suas divisões orgânicas ou fusões.

Outros aspetos igualmente relevantes nas políticas culturais dizem respeito à noção de nação, identidade(s) e diversidade cultural, assim como a abordagens assentes na democratização da cultura ou na democracia cultural, que baseando-se em paradigmas distintos (Lopes 2009), por vezes sobrepondo-se em coexistência (Négrier 2020), evocam perceções sobre como deve ser entendida a cultura e as condições em que se promove o seu acesso e levantam interrogações. Que cultura? Com quem, para quem e como? Também tópico da participação, enquanto mecanismo potenciador de novas formas de envolvimento e de melhoria da ação pública, tem constituído objeto de interesse crescente na concretização de políticas públicas (Négrier 2020).

Na contemporaneidade espera-se cada vez mais que os museus desempenhem múltiplas funções e que contribuam para a concretização de objetivos de políticas que não são estritamente do domínio da cultura (Legget 2017a; Camacho 2020), nomeadamente nas áreas da educação, da ciência e da investigação, da saúde e do bem estar, da integração social, da coesão territorial, do desenvolvimento turístico, da promoção do desenvolvimento sustentável, da igualdade e da diversidade, da criatividade e do empreendedorismo, entre outras. Neste contexto sobressai a ideia de abordagens integradas e de políticas de convergência e de cooperação que atravessam as várias áreas governamentais numa visão menos compartimentalizada da cultura e das políticas públicas e de distribuição de responsabilidades. Por outro lado, no domínio do próprio setor cultural também se observa, não raras vezes, uma tendência para a separação das várias áreas (artes, museus, património, arquivos, bibliotecas), fazendo corresponder organismos específicos de atuação, mas nem sempre comunicantes entre si.

A reflexão sobre a relação e o impacto das políticas públicas, seja de forma mais específica no setor museológico, seja no setor cultural de forma mais global, não é um tema novo e tem sido objeto de análise, a partir de diferentes ângulos (Vinson 2006; Lang, Reeve, e Woollard 2006; Gilabert González 2011; Bonet e Négrier 2011; Lill e Arne 2012; Camacho 2015; Poulot 2016; Garcia et al. 2016; Legget 2017b, entre outros). Todavia, o tema continua a suscitar novos olhares, investigação e perspetivas em função das mudanças diversas e multifacetadas que se têm operado nas últimas décadas e em especial nos últimos anos, não ignorando o impacto de diferentes e subsequentes crises no panorama museológico.

Por outro lado, vivemos um tempo de maior escrutínio público e de maior demanda quanto à necessidade de um planeamento mais estratégico, em termos de pensamento e de ação, e de uma maior racionalização ou otimização de meios, preocupações que se atribuem à esfera das políticas públicas, mas que também emanam do próprio setor museológico. E se, por um lado, se verifica a necessidade de um pensamento estratégico num tempo mais dilatado, com frequência o setor dos museus se confronta com a alternância dos ciclos políticos nos governos e a consequente oscilação e mudança de prioridades, mas também de investimento, que daí resulta para o mundo dos museus, assim como para o setor cultural de forma mais alargada.

Temas a desenvolver

Este número temático pretende contribuir para uma reflexão crítica sobre o papel das políticas culturais dirigidas a museus, recolhendo perspetivas e experiências que estimulem a disseminação de conhecimento a partir deste campo de análise e de interação. Não há uma delimitação predefinida quanto a um período em particular, aceitando-se propostas que foquem uma abordagem histórica ou que contribuam para um entendimento contemporâneo sobre a relação e o impacto das políticas públicas no setor dos museus. São igualmente bem-vindas propostas que, tendo como objeto de análise o terreno dos museus, permitam o confronto e a fertilização de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e o cruzamento de olhares interdisciplinares. Neste contexto, podem incluir-se visões mais abrangentes ou de comparação entre políticas públicas nacionais na área dos museus, assim como estudos de caso referentes a contextos mais específicos de uma política museológica.

No âmbito do papel do Estado na definição de políticas museológicas destacamos quatro linhas de análise, ainda que não se pretendam exaustivas, cuja estruturação serve o propósito de sugerir perspetivas, uma vez que poderão sobrepor-se ou articular-se entre si.

Estado como legislador e regulador

Uma das formas de enquadrar o setor é através de produção legislativa, seja por via da elaboração de leis específicas de referência (ex. Lei-Quadro dos Museus Portugueses), seja de forma mais indireta, através da influência de outros enquadramentos legais aplicáveis (ex. conservação, património, ciência, entre outras), incluindo os enquadramentos supranacionais (ex. por via do Conselho da Europa ou da UNESCO). Os artigos podem explorar a relação entre a produção legislativa e o seu impacto no setor dos museus, assim como a distância (ou não) entre as normas e a sua aplicação. Que inovações, continuidades ou disrupções? Que transformações, evoluções ou retrocessos? Que resultados e efeitos? Que lacunas ou insuficiências?

Estado e os contextos institucionais da sua ação

A organização dos serviços do Estado na área dos museus e do património é também indicativa da construção e da concretização de políticas públicas para o setor. Estas formas de organização podem seguir modelos distintos de intervenção, seja optando por um modelo de maior especialização, seja adotando um modelo mais generalista, e são variáveis ao longo do tempo, quer nas intenções e objetivos como nos recursos disponíveis. Esta é uma dimensão que permite perspetivar conhecimento sobre a evolução da arquitetura administrativa do Estado, as abordagens implementadas (ex. centralização/descentralização, desconcentração; redes), o perfil das competências atribuídas, os desafios e as limitações, e o seu efeito no setor museológico.

Estado como administrador

Se, por um lado, o Estado financia alguns museus diretamente, por outro, também pode influenciar a forma como os museus são geridos. Neste campo estão implícitas questões relativas à (re)organização dos museus (ex. novos museus, encerramento/extinção, fusão ou investimento na sua expansão ou requalificação), à fixação de objetivos de desenvolvimento, ao financiamento e à sustentabilidade, aos modelos de gestão e autonomia, à privatização, à transferência de competências (ex. municipalização), às parcerias e às redes. Além das políticas na esfera da administração central, são igualmente relevantes as implementadas ao nível regional (ex. regiões autónomas) e local, nomeadamente o papel crescente dos municípios na organização e criação de museus.

Estado e os novos desafios contemporâneos

A contemporaneidade traz novos cenários e realça tendências, entre estas, uma visão mais sistémica das políticas públicas promovidas pelos Estados, alargando o foco de intervenção das políticas culturais no sentido de maior convergência e cooperação com outros domínios da ação política; abordagens mais centradas no paradigma da democracia cultural e o contributo de novas reconceptualizações da “participação” como mecanismo facilitador da construção de novas formas de envolvimento e a partilha da responsabilidades com vista à melhoria da ação pública. Neste contexto podem ser exploradas várias questões, da retórica à prática: que atores, usos, mecanismos e implicações, que obstáculos, potencialidades e limites?

Editoras convidadas

Ana Carvalho

Investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Doutoramento e mestrado em Museologia. Membro do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020), uma iniciativa do Ministério da Cultura, com o objectivo de propor recomendações de política pública, considerando a sustentabilidade, acessibilidade, inovação e relevância dos museus na sociedade. Colaborou como investigadora no projeto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Coordenou o Boletim do ICOM Portugal (2014-2018). A sua investigação tem-se centrado nos museus e património cultural imaterial, diversidade cultural, participação, tecnologias digitais e nas políticas públicas para os museus e o património cultural.

Clara Frayão Camacho

Técnica superior da Direção-Geral do Património Cultural, coordenadora do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020) e investigadora do Instituto de História de Arte (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – FCSH, Universidade Nova – NOVA). Doutorada em História (Universidade de Évora) e mestre em Museologia e Património (FCSH – NOVA). Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1983-1999), foi coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000-2005) e subdiretora do Instituto Português de Museus/Instituto dos Museus e da Conservação (2005-2009). Docente de disciplinas de museologia em cursos de pós-graduação e mestrado de várias universidades, autora de artigos sobre temas da museologia contemporânea e da monografia Redes de Museus e Credenciação. Uma Panorâmica Europeia (2015). Tem participado em grupos de trabalho da Comissão Europeia e da UNESCO e exerce funções de representação institucional em organismos europeus e ibero-americanos.

Raquel Henriques da Silva

Professora associada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Departamento de História da Arte de que é coordenadora executiva desde 2015. Leciona seminários do mestrado em História da Arte do século XIX e do mestrado em Museologia; é coordenadora do curso de doutoramento em História da Arte. Autora de estudos de investigação e divulgação nas áreas do urbanismo e arquitetura (século XIX-XX), artes plásticas e museologia. Comissária de exposições de arte. Foi diretora do Museu do Chiado (1994-1997) e do Instituto Português de Museus (1997-2002). Integrou o Conselho de Administração da Fundação de Serralves (2000-2006) e, atualmente, integra o Conselho de Administração da Fundação Arpad-Szenes-Vieira da Silva. É diretora científica do Museu do Neo-Realismo desde 2018.

Referências

Anico, Marta. 2009. “Políticas da Cultura em Portugal e Espanha.” PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural 7 (1): 57–71.

Bonet, Lluis, e Emmanuel Négrier. 2011. “The End(s) of National Cultures? Cultural Policy in the Face of Diversity.” International Journal of Cultural Policy 17 (5): 574–89.

Camacho, Clara Frayão, coord. 2020. Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final. [s.l]: Grupo de Projeto Museus no Futuro, Direção-Geral do Património Cultural.

Camacho, Clara Frayão. 2015. Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Vol. 2. Coleção Estudos de Museus. Casal de Cambra: Caleidoscópio e Direção-Geral do Património Cultural.

Carvalho, Ana, coord. 2017. “Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (out.). http://hdl.handle.net/10174/21432

Eilertsen, Lill, e Bugge Amundsen Arne, eds. 2012. Museum Policies in Europe 1990 – 2010: Negotiating Professional and Political Utopia. Linköping: Linköping University Electronic Press.

Garcia, José Luís, João Teixeira Lopes, Teresa Duarte Martinho, José Soares Neves, Rui Telmo Gomes, e Vera Borges. 2016. “Mapping Cultural Policy in Portugal: From Incentives to Crisis.” International Journal of Cultural Policy 24 (5): 577–93.

Gilabert González, Luz María. 2011. “La Gestión de Museos: Análisis de las Políticas Museísticas en la Peninsula Ibérica.” Tese de Doutoramento, Universidad de Murcia.

Höglund, Maria. 2012. “European Union Approaches to Museums 1993-2010.” In Museum Policies in Europe 1990 – 2010: Negotiating Professional and Political Utopia, editado por Lill Eilertsen e Bugge Amundsen Arne, 157–88. Linköping: Linköping University Electronic Press.

Lang, Caroline, John Reeve, e Vicky Woollard. 2006. “The Impact of Government Policy.” In The Responsive Museum: Working with Audiences in the Twenty-first Century, 19–28. Hampshire: Ashgate e Burlington.

Legget, Jane, ed. 2017b. “Museums and Public Policy.” Museum International 69 (275–276).

Legget, Jane. 2017a. “Museums and Public Policy: An Introduction.” Museum International 69 (275–276): 6-9.

Lopes, João Teixeira. 2009. “Da Democratização da Cultura a um Conceito e Prática Alternativos de Democracia Cultural.” Saber & Educar, n.º 14: 1–13.

Négrier, Emmanuel. 2020. “Introduction.” In Cultural Policies in Europe: a Participatory Turn?, ed. Félix Dupin-Meynard e Emmanuel Négrier, 11–27. Toulouse: Éditions de l’Attribut.

Poirrier, Philippe, ed. 2011. Pour une Histoire des Politiques Culturelles dans le Monde. Paris: La Documentation Française.

Poulot, Dominique, dir. 2016. “Le Musée et le Politique.” Culture & Musées (28).

Vinson, Isabelle, ed. 2006. “Museums and Cultural Policy.” Museum International Vol. LVIII (4/232).

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search